segunda-feira, outubro 25, 2004

A VAMOZ! VEIO, VIU E VENCEU

Divertidíssima a entrevista com a galera da Vamoz!, banda recifense de primeira divisão da geração pós-mangue, sexta-feira passada, pouco antes do show que abalou o velho Colapso. Tudo bem q 90% das barbaridades ditas no ar foram provenientes das bocas malignas de Mário Jorge e deste que vos escreve, o que levou Marcelo e Henrique, ambos guitarristas, pasmos, a pedirem penico no estúdio, tal era o fluxo de merda que era dita nos microfones. Acho que eles pensavam que era um programa de rádio caretinha, com locutores profissionais, bem comportados e coisa e tal. Desse jeito, a gente nunca vai ser levado a sério nessa banana. E quer saber? Graças a Deus. Acho que no dia em que começar a se levar a sério demais, o programa acaba.
Bom: entre outros tópicos, debatemos a nova cena recifense de bandas como Vamoz!, Badminton, Rádio de Outono, Superoutro (será q o cineasta baiano Edgard Navarro sabe disso?) entre outras, e como elas estão estabelecendo uma nova ordem no rock pernambucano, já que essa nova geração resolveu rasgar o evangelho Franciscano Science, que rezava o resgate da música regional com a adoção de tambores e percussões, e partiu com vontade para as guitarras sujas do indie rock e letras em inglês, sem medo de ser feliz, nem politicamente incorreto. Segundo Marcelo Gomão, as bandas mais recentes de lá são simplesmente mais livres mesmo para buscar o próprio som e próprio estilo, sem a obrigação de seguir a cartilha manguebeat. O que é ótimo, afinal, o rock não funciona, não desabrocha sem liberdade de expressão. (Inclusive, posso até estar enganado, mas desse jeito, a cena recifense pode acabar ficando parecida com a soteropolitana, que sempre se caracterizou pela diversidade de estilos.) Claro que a mistura de ritmos ainda manda ver na capital pernambucana, Mombojó e Bonsucesso Samba Clube, entre outras, que o digam. Mas já não são mais a regra. Destaque ainda para o papel importantíssimo da cerveja Frevo no desenvolvimento da cena rock recifense. Aliás, por falar em cerveja...
(...)
Pensando bem, depois a gente conta. Quem ouviu o programa sexta já tá ligado.
Aquele abraço para a galera gente fina da Vamoz! (E foi mal não ter ido ao show depois, velhinhos! Depois do programa, que cansa, é uma adrena da porra, tá pensando o que?, fiz um pit stop na casa de Mário, depois batemos uma larica e depois morguei. Foi maaaal, galera! Sabe como é, já não tenho mais 19 anos... Mas Big me falou que foi FODA. Acordei no sábado descansado e arrependido. Esquisito.)

4 comentários:

Anônimo disse...

Viva o rock!
Billy

marcos rodrigues disse...

Perdeu mesmo, Chico. Puta show. E viva o rock sem tambores e sem pedir benção pra porra nenhuma.

Franchico disse...

Marcos: assino embaixo. rock q é rock tem mais é q pisar e detonar a geração anterior. se não fosse assim, não haveria Velvet Underground, Sex Pistols, Clash, Nirvana...

osvaldo disse...

Show foda, com presença de publico bem aquem do esperado.Alias, quinta no Garage Fuzz(outro show foda) teve muito mais gente que a Vamoz!, para minha grande surpresa.