terça-feira, agosto 31, 2010

A TERRÍVEL VOLTA DO FILHO DA NOIVA DO VIZINHO DAS MIIIIIICRO-RESENHAS! PARTE 43

Cápsula do tempo

Múltiplas leituras podem ser feitas a partir do CD triplo de Messias (brincando de deus). Um tratado sobre a passagem do tempo. Uma declaração de independência absoluta (inclusive de sua banda). Um dedo médio estendido para a burrice generalizada. Uma carta de amor e ódio para a cidade em que vive. O resultado de uma crise de meia-idade. Seja lá qual for a leitura, trata-se de uma obra aberta e genial – e que só deverá ser reconhecida daqui a uns 100 anos. Este resenhista mesmo ainda não digeriu todos os três discos - só o primeiro. Que é bom do início ao fim, ouve-se de uma tacada só. Não a toa, o próprio show de Messias é calcado quase todo no primeiro CD. Obrigatório – e muito provavelmente, o lançamento independente mais importante de 2010. Agora, a pergunta que não quer calar é a seguinte: Messias, cadê a prometida edição em vinil, meu fio? Messias / escrever-me, envelhecer-me, esquecer-me / Digitália / R$ 20 / www.reverbnation.com/messias / http://messias.ning.com/

TFC na ativa

Uma das melhores e mais importantes bandas da geração shoegaze britânica, a escocesa Teenage Fanclub evoluiu e se tornou a coisa mais próxima do pop perfeito e melodioso que era a busca de bandas como Byrds, Beatles e Big Star. Em seu oitavo álbum de estúdio, Shadows, o “fã-clube adolescente“ crava mais algumas pérolas para o seu já brilhante repertório, como Baby Lee, When I Still Have Thee e Sometimes I Don‘t Need to Believe In Anything. Teenage Fanclub / Shadows / Importado / Merge Records



A dura vida de um gênio

Um dos maiores gênios do século 20, Charles Chaplin tem sua vida – e a de seus pais – dissecadas nessa biografia do psiquiatra Stephen Weissman. Entre outras revelações, ele conta sobre a breve passagem que sua mãe, Hannah, teve pela prostituição, ao fugir para a África do Sul com um amante. Já o personagem Carlitos seria uma paródia do seu pai, um vagabundo alcoólatra. Chaplin, Uma Vida / Stephen Weissman / Larousse / 320 p. / R$ 44, 90 / http://www.larousse.com.br/





Muito doidos - em Marte!

Autor de diversos clássicos da ficção científica, o americano Philip K. Dick (1928-1982) misturava conceitos de metafísica (geralmente associados ao uso de alucinógenos) com noções pouco ortodoxas do gênero da FC. Neste livro de 1965, ele relata o vício em drogas exóticas de colonos em Marte. Deprimidos pela vidinha miserável no planeta vermelho, todos buscam uma fuga. Os Três Estigmas de Palmer Eldritch / Philip K. Dick / Aleph / 248 p. / R$ 42 / http://www.editoraaleph.com.br/



Terror no interior paulista

O encontro entre um artista fracassado e uma cantora decadente – por sua vez, perseguida por um psicopata, é o ponto de partida para uma trama de terror e erotismo ambientada numa cidade do interior de São Paulo. Romance finalista do Projeto Nascente (da Pró-Reitoria de Cultura da Universidade de São Paulo e do Grupo Abril), Anjo de dor tem ritmo cinematográfico e leitura ágil. Anjo de Dor / Roberto de Sousa Causo / Devir / 207 p. / R$ 25 / http://www.devir.com.br/





Sexo e poder

A parceria entre o conceituado escritor e cineasta chileno Alejandro Jodorowsky (O Incal) e o mestre italiano do erotismo Milo Manara (O Clic) não poderia dar em outra: a série Bórgia, aqui em seu 3º volume, é uma investigação sobre a corrupta família italiana, que, mesmo envolvida em golpes, escândalos e orgias, viu dois de seus membros ascenderem ao papado no século XV. Bórgia 3 - As chamas da fogueira / Jodorowsky & Manara / Conrad / 56 p. / R$ 43 / www.conradeditora.com.br






Raridade da Astrud

Taí um negócio raro: a cantora baiana Astrud Gilberto, em plena década de 1980, usando um diáfano vestidinho preto transparente, arrasando no festival de jazz da cidade suíça de Lugano, bem acompanhada por uma banda competente. Um raro e belo registro que traz os hits Águas de Março, Dindi e Girl From Ipanema. Astrud Gilberto / Lugano Festival Jazz 1985 / Coqueiro Verde / R$ 29,90





Sargento dubificado

Depois de verterem para o dub e o reggae os clássicos Dark Side of the Moon (Pink Floyd) e o OK Computer (Radiohead), o trio Easy Star All-Stars parte para a sua empreitada mais ambiciosa: conceder o tratamento “dubificante“ ao absoluto Sargeant Peppers Lonely Hearts Club Band (Beatles). Obviamente, os resultados soam desiguais, com pontos altos na faixa-título (com Junior Jazz) e She‘s Leaving Home (com Kirsty Rock). Easy Star All-Stars / Easy Star‘s Lonely Hearts Dub Band / Coqueiro Verde / R$ 20


A pequena família

O que aconteceria se A Grande Família fosse adaptada por Maurício de Sousa? Os Sousa, sem dúvida. Esta divertida série de tiras, publicadas em jornais entre 1968 e 1989, traz (quase) todos aqueles tipos das comédias de situação familiares: o esforçado pai de família, a dona de casa vaidosa, e claro, o jovem desempregado que vive encostado e procurando encrenca. Para dar boas risadas. Os Sousa - Desventuras em família / Maurício de Sousa / L&PM / 144 p. / R$ 11 / www.lpm.com.br


Bruxas classe média de meia-idade

Celebrado como um dos maiores escritores americanos do século XX, John Updike (1932- 2009) era também um dos mais ferozes críticos do seu tempo. Em um dos seus romances mais conhecidos (adaptado para o cinema em um filmaço de 1987), a chegada de um estranho de ares diabólicos à uma sonolenta cidadezinha vira a vida de três donas de casa desesperadas de cabeça para baixo. As bruxas de Eastwick / John Updike /Companhia de Bolso / 360 p. / R$ 26 / www.companhiadebolso.com.br



No que deu o hype

MGMT, a banda mais hypada de 2007, chega ao seu 2º CD andando na corda bamba entre o experimentalismo progressivo psicodélico e a chatice pura e simples – uma armadilha armada por eles mesmos e incentivada pela facção hypeira da imprensa. Há bons momentos, como Song For Dan Treacy (tributo ao líder da banda cult Television Personalities) e a faixa-título. Siberian Breaks, com 12 minutos (!) só fica boa na 2ª metade. Nem todos conseguem ser o Flaming Lips, certo? MGMT / Congratulations / Sony Music / R$ 19,90


Um, dois, três hits

O duo sergipano The Baggios lançou para download o matador single O Azar Me Consome, com três músicas. A faixa-título, um delicioso pastiche de Led Zeppelin (riff pesadão e suingado), Can’t Find My Mind (bom cover para uma paulada do The Cramps) e Canção dos Velhos Tempos, um folk que também lembra um pouco o Led e o Jethro Tull, pela flauta. Quando é mesmo que esses caras tocam em Salvador? The Baggios / O Azar me Comsome / Independente / Download gratuito: www.verbo21.com.br



Aprendam, crianças

Tom Petty volta a se reunir com sua banda original, The Heartbreakers, após uma década sem gravar nada juntos. O resultado é uma coleção de 15 canções de rock ‘n‘ roll estilo clássico cheias de tesão (mojo), baseado no rhythm ‘n‘ blues do sul dos EUA. Se parece coisa de veterano, é por que é isso mesmo – mas sem cheiro de mofo. O frescor criativo de Petty se mostra em rocks encharcados do pântano, como Running Man‘s Bible e The First Flash of Freedom. Tom Petty and The Heartbreakers / Mojo / Reprise-WEA / Importado

Lenha para queimar

Quem não dava mais nada por Billy Corgan deu com os burros n‘água depois de ouvir este EP, o primeiro de uma série que o líder dos Smashing Pumpkins está preparando. Com apenas quatro faixas, Billy & Cia dão o recado de que ainda tem muita lenha para queimar em faixas como Widow Wake My Mind (a melhor do disco, poderia estar no clássico CD Siamese Dream, de 1993) e A Song for a Son (com um pianão cheio de classe). The Smashing Pumpkins / Teargarden By Kaleidyscope Vol. 1: Songs For A Sailor / Importado



60 anos esta noite

Transmitido ao vivo pelo rádio, este concerto da orquestra de Duke Ellington em Zurique, em 1950, atravessou quase 60 anos no esquecimento para ter sua gravação encontrada (por acaso) há poucos anos, tendo sido lançada lá fora somente em 2007. Com uma qualidade de áudio surpreendente para um registro tão antigo, este CD traz diversos clássicos do jazz das big bands, como Take The A Train e St. Louis Blues, entre outros. Duke Ellington And His Orchestra / Live In Zurich, Switzerland 2.5.1950 / Biscoito Fino Internacional / R$ 34,90

Pop sem marketing

Dez anos atrás, Goldfrapp, o duo britânico formado pela cantora Allison Goldfrapp e pelo músico e produtor Will Gregory era uma das coisas mais vanguardistas a surgirem no cenário eletrônico alternativo, graças ao quase hermético CD Felt Mountain (2000). Em Head First, porém, a dupla abraça o eletropop radiofônico com a mesma abordagem classuda com que teceu seu manifesto da década anterior. Suave e melodioso, dá um banho nas cantoras de pop marketeiro atual, como Lady Gaga. Goldfrapp / Head First / EMI / R$ 29,90



Novos contos americanos

Um rapaz dirige pela estrada em direção ao litoral, com uma urna contendo as cinzas do avô. Uma dupla de picaretas encontra abrigo na fazenda de um casal de idosos. Um roteirista é internado com diagnóstico de suicida. Nos contos de Charles D‘Ambrosio, considerado um um dos mais hábeis narradores atuais, são os pequenos dramas americanos que ganham destaque. O Museu do Peixe Morto / Charles D‘Ambrosio / Grua Livros / 256 p. / R$ 42 / www.grualivros.com.br

26 comentários:

Anônimo disse...

Hj tem Beatles Social Club

Lado Beatles
*
Acord
*
Veloltroz


bj

Lídia

teclas pretas disse...

petty strikes again! heheeeiiii!...
GLAUBEROVSKY

cebola disse...

De Tom Petty não espero menos. O disco é ótimo, mas ainda não se compara ao fantástico Wildflowers, de 94, que teve uma produção brilhante de mr. Rick Rubin. A união dos dois rendeu um discaço, comparável aos seus tops Damn the Torpedoes e Full Moon Fever, e ainda inigualável depois de 16 anos.

teclas pretas disse...

"last dj" também é muito bom! to ouvindo o "mojo". excelente, mas mais básico, bluesy. "wildflowers" talvez seja o melhor dele.
GLAUBER

Franchico disse...

Lex Luthor e Coringa, como Calvin & Haroldo.

http://www.omelete.com.br/quadrinhos/veja-hq-de-lex-luthor-e-coringa-que-homenageia-calvin-e-haroldo/

Os desenhos são sensacionais, mas os textos, ou melhor, as piadas não ficaram tão boas.

Franchico disse...

Damn The Torpedoes é o melhor Petty inicial. E Wildflowers, álbum de um artista já maduro, é o melhor Petty em qualquer época. Mas o Mojo tá excelente tb.

Anônimo disse...

The Raven, dos irmãos gallagher, não aqueles do brit pop, heavy metal dos bons, power trio inglês dos tempos do maiden inicial aporta no brasil em setembro: all for one, one for all!!!!!!!!lembra nei bahia?????
na primeira metade dos 80 acertaram a mão e cfizeram rock pesado dos bons...depois afarofaram e voltaram a ficar bons de novo...em são apulo, em setemrbo baranga lança disco novo com los tabernário do chile...rock pesado dos bons..........
cláudio moreira

Franchico disse...

Chegada agora há pouco por email:

"Entre no nosso blog, sugira um nome para o espetáculo e concorra a convites para o show de Otto, na Concha Acústica do TCA, dia 12!"

Maiores detalhes aqui:

http://espetaculoocasioes.blogspot.com

teclas pretas disse...

otto do sargento tainha?

http://4.bp.blogspot.com/_yLFJlKdCKEU/R4pDS-4wFvI/AAAAAAAAADE/TgopU0jp-UU/s400/otto.gif

GLAUBER

Franchico disse...

Totalmente imperdível: em 12 volumes, as músicas preferidas de Lux Interior e Poison Ivy.

http://blog.wfmu.org/freeform/2009/02/lux-and-ivys-favorites-mp3s.html

Dica do Barcinski.

Se tem alguém aqui que não sabe quem foi Lux Interior e Poison Ivy, ponha-se daqui para fora I-ME-DI-A-TA-MEN-TE!

E só volte quando for gente.

Franchico disse...

Dia chato do caralho que não termina nunca!

PQP!!!!!!

Franchico disse...

Falando em Barcinski, ele relembra seu encontro com GG Allin.

http://andrebarcinski.folha.blog.uol.com.br/arch2010-08-29_2010-09-04.html#2010_08-31_11_17_16-147808734-0

Ou simplesmente,

http://andrebarcinski.folha.blog.uol.com.br/

Anônimo disse...

papo chato da porra esse de Claudio Moreira. voce naum é mais adolescente cara pra ficar nessa coisa de rock pesado rock pesado e rock pesado, amadureça rapaz.

Franchico disse...

Nick é o caralho!

http://www.record.com.br/novidades_cada.asp?id_novidade=372

É DOUTOR Nick Cave, porra!

osvaldo disse...

Mojo é bom disco, uma especie de reconciliação de Petty com os Heartbreakers, depois do fraco Highway Companion. Wildflowers é quase que uma unanimidade, mas eu gosto muito de Southern Accents e do Lynneano Into the Great Wide Open. Alias foi depois da passagem de Petty pelos Traveling Wilburys,onde Petty foi alçado definitivamente entre os grandes, que a associação com Jeff Lynne teve consequencias nas carreiras solos de Petty e George Harrison.Algumas pessoas odeiam Jeff Lynne, eu acho ele um puta produtor, apesar dos excessos eventualmente cometidos.

teclas pretas disse...

macca também, deve muito a lynne na produção de discos nos 90s. FLAMING PIE!
GLAUBER

Old School disse...

Engracado,nao sabia q tinha limite de idade pra curtir rock pauleira.Vai ver q eh o Mozart de novo,ou alguem como ele,q nao viu nada de rock,morreu antes e perdeu o melhor da festa.
Vai ai mais uma pepita de ouro dessa imensa jazida chamada rock 70's,quanto mais se cava mais coisa boa se acha,Serra Pelada comparada a isso eh cafezinho:banda Patto-http://www.youtube.com/watch?v=AswzlhxbzPg Fenomenal Ollie Halsall RIP.

Anônimo disse...

Tenho nada com isso. Não morri antes. E na minha festa tinha mulher. E não só cabeludo pre-teen fedorento de camiseta preta!
Wolfgang Amadeus Mozart

Anônimo disse...

discutir com anônimo...fala sério!!! realmente do chorinho ao rock pesado, passando pelo tango e a música africana moderna, se tiver alma é comigo mesmo...idade para curtir rock pesado?! a musicalidade do bom rock pesado sempre vai me dizer algo...ou melhor seria sair por aí gritando "ativar os retrofoguetes!!!!" ou pegar o show dos los hermanos para ficar mais "in"
cláudio moreira

Franchico disse...

Recomendadíssimo! Quem não acompanhou do início vai poder começar agora, com a série de TV (já está rolando o anúncio na Fox Brasil) e a revista mensal em bancas, que vai publicar tudo desde o número um, e deve sair baratinha - ate por que é em preto e branco e só terá uma história por edição.

http://www.omelete.com.br/quadrinhos/exclusivo-mortos-vivos-tera-serie-mensal-e-novos-encadernados-no-brasil/

Anônimo disse...

Estar "in" num show dos los hermanos?? Em que década voce está parado? Pirou?
W A M

Anônimo disse...

2 - "fala sério", vc discutiu com anonimo! Fala sério!
WAM

teclas pretas disse...

http://www.youtube.com/watch?v=6BE7s0RjktQ

GLAUBER

osvaldo disse...

porra Crosby é biscoito finissimo. e advinha quem produzir um novo disco de Crosby, Stills & Nash ? Ele mesmo, o barbudo Rubin.

teclas pretas disse...

sério?? vai rolar disco novo do CSN&Y com rubin na produção? obrigado, jezúisssss!
GLAUBEROVSKY

cebola disse...

amém!