terça-feira, agosto 17, 2010

BOÇALIDADE (E COMPETÊNCIA) CONSERVADAS PARA A POSTERIDADE


Passado pouco menos de um ano do anúncio que decretou o fim da banda britânica Oasis, chega às lojas Time Flies... 1994-2009 (Som Livre), coletânea dupla que repassa a carreira dos irmãos mais birrentos do rock inglês desde Ray e Dave Davies, da lendária The Kinks.

Não que Noel (guitarra e vocais) e Liam (vocais) Gallagher estejam preocupados com isso. A banda, adorada por milhões e detestada por outros tantos, está, no que depender da dupla, morta e enterrada.

Recentemente, ao ser perguntado se aceitaria voltar ao Oasis, Liam declarou: "O único motivo que levaria o Oasis a se reunir é se nós estivéssemos quebrados. E eu estou longe da falência, e ficarei longe dela por muito, muito tempo".

Garoto símbolo da boçalidade brit pop, estilo de vida muito em voga a partir de meados dos anos 1990, Liam não apenas planeja lançar, com sua nova banda Beady Eye, “o disco que você vai ouvir nos próximos 50 anos”, como ele declarou para um canal de TV, como também já se expandiu para a moda, com a grife Pretty Green, inaugurada no último dia 29.

Grandes demais para o indie



(O nome da loja / grife, Pretty Green, é o título de um hit clássico do The Jam, banda inicial de Paul Weller. Weller foi para o britpop o que Neil Young foi para o grunge: godfather - padrinho. Não a toa, Liam Gallagher e Paul Weller, hoje, são sócios na Pretty Green - a loja).

Surgida para o grande público em 1994, e a princípio muito identificada com o indie rock inglês e a cena de Manchester, o Oasis rapidamente demonstrou que era grande demais para o fechado circuitinho indie.

Até por que, juntos, os irmãos Gallagher reuniam presunção o bastante para deixar para trás qualquer integrante dos Smiths, Jesus and Mary Chain ou My Bloody Valentine – todos reconhecidos malas, independente de suas óbvias qualidades.

Hoje, o Oasis é visto (e ouvido) muito mais como uma banda de classic rock – com claras, declaradas e fortíssimas influências dos Beatles – do que como uma banda indie.

Daí o deleite que é ouvir este Time Flies. O filé da produção de Noel, principal compositor da banda, está concentrado no disco 1, com os hits perfeitos dos três primeiros álbuns, insuperáveis em sua discografia: Supersonic, Roll With It, Live Forever, Stand By Me, Don't Look Back in Anger e, claro, Wonderwall, entre outras. Só faltou Champagne Supernova.

No disco dois, ainda há ótimos momentos, como Lyla, D'You Know What I Mean, The Shock of Lightning, Go Let It Out e Some Might Say, além de faixas inéditas, como Whatever e Lord, Don't Slow me Down. No saldo final, o testemunho inegável da passagem de mais uma grande banda.

Time Flies... 1994-2009 / Oasis / CD duplo / Som Livre / R$ 27,90

53 comentários:

Ilhados Aqui disse...

Taí o tipo de rock que gosto de ouvir. Adoro Oasis. Acho que até a boçalidade dos caras têm um q irônico, de não se levar muito a sério. Como Maradona. É claro que a criatividade de compor hits perfeitos foi perdendo consistência nos últimos anos, mas gosto da presunção, ainda que fantasiosa, de se querer (ou declarar) que se irá compor um disco grandioso. Só não entendi no belo release, se essas versões do disco novo são ao vivo, ou as originais. Abraços

cebola disse...

Nenhuma sombra de dúvida: Os melhores dos anos 90 (cabeça a cabeça com o Wilco). Sou fã desde o primeiro e irretocável Definitely Maybe. Reconheço que houve pontos baixos. Mas se não fosse assim, a frase não seria só "os melhores dos 90". Pronto, disse! Hey, mas eu já disse isso antes e fui apedrejado. Já entrei na minha casamata. Atirem!!

Franchico disse...

Fala, Ilhados!

Velhinho, as faixas de discos coletânea, salvo quando tem um título tipo "greatest hits live", "b-sides", "unreleased" ou "rarities", são as gravações originais, mesmo.

E nãããããão, isto não é um release.

É uma matéria, mesmo!

Mas não se avexe, não! Esses enganos são normais.

Abç!

teclas pretas disse...

chicão, cê que sabe inglês e gosta de comédia besta igual a mim, vai curtir essa paródia. muito engraçado, velho.

http://www.youtube.com/watch?v=lj-x9ygQEGA

GLAUBEROVSKY

Franchico disse...

Recebido agora há pouco por email...

Baixe DE GRAÇA o CD da Modus Operandi "h...estereo..." no selo virtual da Zorch Factory !!

É isso mesmo! O selo francês Zorch Factory disponibilizou o CD da Modus Operandi,"h...estereo..." para download gratuito!

Confiram e cliquem no link:

http://www.zorchfactoryrecords.com/official-releases/item/92-modus-operandi-h-estereo.html

Nosso sinceros agradecimentos a banda Escarlatina Obsessiva, pela indicação!

SDS,

David Giassi
Determinação,persistência,assimilação,infiltração (Front 242)

Anônimo disse...

Para mim, o Oasis é o elo perdido entre The Beatles e o Slade....................
Cláudio Moreira

cebola disse...

E, por sinal, eles tocavam ao vivo a fantástica Cum on and feel the noise, do Slade!!

Franchico disse...

Demais as "literal versions", Glauber!

teclas pretas disse...

oasis e wilco na mesma frase é heresia. melhores dos anos noventa? oasis??? e o elliott smith fica aonde? beatles e oasis na mesma frase é heresia também. "champagne supernova" é bacana...
G.

Franchico disse...

Ei, e o Nirvana?

Pra mim, nos anos 90, não teve ninguém mais importante, com o perdão do clichê.

Mas é foda, esse negócio (de melhores da década), é um julgamento muito pessoal.

Por exemplo: se eu fizesse uma lista de melhores discos dos anos 90, ela fatalmente teria discos como Penthouse (1995), do Luna, Dots and Loops (1998), do Stereolab, Transmissions from The Satellite etc e tal (1994) e The Soft Bulletin (1997), dos Flaming Lips.

Porra, minha lista teria até Blood Sugar Sex Magic (1991) do RHCP. Um disco que muito dificilmente ouço hj em dia, mas que cumpriu seu papel na época com total brilhantismo.

Enfim....

Franchico disse...

A Different Class (1995) do Pulp, Deserter's Songs (1998) do Mercury Rev, I Should Coco (1995) do Supergrass, Badmotorfinger (1991), do Soundgarden....

Putz, tantos!

Franchico disse...

E sim, o meu preferido do Nirvana nem é o Nevermind (1991), e sim, o arrasador In Utero (1993).

Esse é o grande disco deles.

Franchico disse...

E Yankee Hotel Foxtrot (2000), do Wilco, fechou a tampa com maestria total.

teclas pretas disse...

verdade chicão. in utero e nevermind! e tem o beck "mutations" também...

GLAUBEROVSKY

Franchico disse...

Absolutely!

Mas do Beck eu colocaria Odelay (1996), mesmo.

E Bandwagonesque (1991) e Grand Prix (1994) do Teenage Fanclub, The Fat of The Land (1995), do Prodigy, Blue Album (1994), do Weezer, Moon safari (1998) do Air, Ill Communication (1994) dos Beatie Boys, Your Arsenal (1992), de Morrissey, Trompe Le Monde (1991), dos Pixies....

Depois venham me dizer que essa década 00 foi legal.

Uma lista de melhores não chega nem na metade dos que eu listei até aqui.

Essa década foi vergonhosa, no meu humilde entender.

cebola disse...

Mantenho Oasis. A melhor do lado de lá. E Wilco. A melhor do lado de cá. Elliot Smith é legal. Concordo. Mas só. Não acho a quintessência dos píncaros do êxtase nem fudendo. Minha opinião não mudou nadita de nada ao comparar com todos esses citados por vocês. Respeito suas opiniões. Discordo com veemência. Já me chamaram de "hereje" vááá´rias vezes por conta de opiniões como esta, desde os anos 80, no colégio. Adooooro!

Nei Bahia disse...

Deixa de ser ranzinza Chicão!!

Old School disse...

Na minha opiniao,em termos de 90's a melhor coisa q aconteceu foi o Gov't Mule,q por sinal continua acontecendo,seguido do Black Crowes em segundo.Em termos de grunge,Pearl Jam foi o melhor.Mas como ja dizia o proctologista:gosto eh igual a anus,cada um tem o seu.Mas sem duvida o Oasis tambem eh uma grande banda.E vamos ser sinceros,os shows do Smashing Pumpkins e do Supergrass naquele Hollywood Rock(em q ano foi aquilo mesmo?Nem lembro)foram foda demais!

Old School disse...

E sobre Paul Weller,vao me perdoar a insistencia saudosista,mas se depender de mim ele volta com o The Jam,nem q seja pra uma ultima tour.Digo isso pq Foxton e Buckler ainda estao com gas total,como se tivessem sido extraidos do Dig The New Breed.A hora eh agora,daqui ha pouco a idade chega nos caras e tchau,alias Weller ja nao canta mais as musicas do Jam como antes,mas ainda ta legal.Milagres acontecem(tai o retorno do VH com Roth),enquanto eles e eu formos vivos eu continuo rezando por esse.O DTNB eh um dos melhores registros ao vivo de uma banda de rock,em todos os tempos e em todos os estilos,discasso do cacete!E o Jam dispensa comentarios,na minha opiniao eh disparado a melhor coisa q saiu de toda aquela cena punk britanica dos 70's e do pos punk tambem.Bandassa lindissima,essencial,indispensavel,obrigatoria!De "In The City" a "Beat Surrender",so fillet.O All Mod Cons e o Setting Sons sao duas obras primas!

Franchico disse...

Cebola, sua elegância ao discordar faz toda a diferença. Fora a coerencia dos argumentos.

Nei! Eu, ranzinza?!?!

Bazinga!

;-)

E Old School (e Cebola), além do Definitely Maybe, minha lista obviamente teria A Southern Harmony and Musical Companion (1991), dos Black Crowes e o mágico Ten (1991), do Pearl Jam, tb, lógico! Ambos discaços.

Sem esquecer o essencial HArvest Moon (1992), do mestre supremo hail hail ajoelhem-se hereges Neil Young.

Acho que teria até o lindão Wild Wood (1995, se não me engano), do godfather Paul Weller.

E The Downward Spiral (1994) do Nine Inch Nails, se não chegasse a lista final, seria por milésimos de segundos.

Mas porra, a gente tá entrando na década de 10 do século 21 já, e continuamos falando dos anos 90!

O rock errou?

Franchico disse...

Ou fomos nós?

cebola disse...

Os Crowes (adoro) faziam na américa, com suas influências setentistas, o que o Oasis fazia na ilha, com suas influências 60 e 70. Dois lados de uma moeda valiosíssima.

cebola disse...

Chico. Estamos falando de bandas dos anos 90, ou de discos dos anos 90? Citar Neil Young (maaasterrr, massterrrr) não vale!!

cebola disse...

Pra mim o melhor dele é Ragged Glory de 90. Mas aí, tecnicamente, ainda é a década de 80, né?

Anônimo disse...

Motorhead no Brasil em abril de 2011....
Será que Salvador entra nessa dessa vez?!
Alô produtores?? Pessoal que produz shows de rock pesado na cidade, cadê vocês?!
Leiam isso que saiu na brigade:

"A Top Link Music confirmou a turnê da banda Motorhead para abril de 2011. Datas, locais de show e pontos de venda serão divulgados em breve.

http://www.toplinkmusic.com/pt/news.php"

cláudio moreira

Franchico disse...

Bom, se vc ler desde meu primeiro comentário sobre o assunto lá em cima, vc vai ver que eu estou listando discos, não artistas.

Citei discos de Neil Young (anos 60), Paul Weller (anos 70), Morrissey e Flaming Lips (ambos surgidos nos anos 80), por exemplo.

cebola disse...

Ainda sobre os Crowes x Oasis. Eles fizeram uma tour conjunta, chamada, se não me engano, The Brotherhood Tour, que é a prova de um respeito mútuo e uma declaração de afinidades. Queria ter estado lá...

cebola disse...

É verdade. Então são discos. Estou noutra frequência. Então fica assim: Eu estou falando de bandas dos 90.

Franchico disse...

Chegada agora há pouco por email:


Messias Bandeira apresentará show ‘Escrever-me, Envelhecer-me e Esquecer-me’ dia 27 no Pelô


Após apresentações em São Paulo e Belo Horizonte, o músico baiano Messias Bandeira, líder da banda indie brincando de deus, realizará no dia 27 de agosto, às 21h, no Largo Tereza Batista, show baseado nas canções de seu primeiro trabalho solo, o álbum “Escrever-me, Envelhecer-me e Esquecer-me”, lançado no final de junho. A apresentação faz parte da agenda do Pelourinho Cultural, da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia.

Doutor em Comunicação e professor da Universidade Federal da Bahia, onde trabalha com música e cultura digitais, Messias produziu e compôs todas as músicas (em português e inglês) do álbum. No repertório do show, o músico mostrará canções que misturam indie rock, dub e electro-jazz, como Resilience (que atingiu o quarto lugar no Top 10 da revista brasileira Rolling Stone), The machines are my family e God, if you can hear me. Lançado nos formatos CD, vinil e cassete, as 32 canções do trabalho solo podem ser baixadas pela internet, no endereço
www.reverbnation.com/messias.


Confira outras atrações do Pelourinho Cultural no site www.pelourinho.ba.gov.br


Serviço:

Messias Bandeira
Quando: 27 de agosto
Horário: 21h
Onde: Largo Tereza Batista
Quanto: Gratuito

cebola disse...

Discos então também: Mais um pra essa lista. The Laughing Stock. Talk Talk. Precioso, raro e indefinível. De 91. Top 5 pra mim.

Nei Bahia disse...

Se é pra falar de discos, tem o "Rhythmeen" de 1996 do ZZ Top e o "Times Up " do Living Colour.

Já que apareceu na discussão, eu nem queria; o Gov ´t Mule transforma a maioria das bandas citadas em grupinhos de playground.
"Dose" tá marcado, literalmente, no fim do século. Inclusive foi oficilizada a gravação do show da última noite do ´seculo 20; "Mulennium" , 4 horas por preço de 2 cds, vale cada dollar.

teclas pretas disse...

oasis e crowes, mesma moeda? nunca. respeito gostos, mas o que o oasis faz é achatar [pasteurizar] o que os beatles começaram e misturar com stone roses, grosso modo. não é old school, nem indie rock. pode-se chamar de brit pop.

pra mim, o great escape do blur, é melhor que qualquer disco do oasis.

XO e figure 8, do elliott smith, podem facilmente ser considerados, cada um, melhor dos 90s. e desconfio que smith foi muito mais influente [para outros músicos] que o oasis. mais: ele sacou os beatles, dando sua contribuição para além dos mesmos, como o oasis nunca conseguiu. letras? é ridículo. smith é perfeito. oasis, fraquíssimo de letra.

chicão, tem coisa boa nesta década. ao menos, dá pra fazer um top 10 muito bom, talvez só não apareça muito. essa década foi marcada pelo revival. criou-se pouco no rock/pop.

GLAUBEROVSKY

cebola disse...

São sim. Dois lados de uma mesma moeda. Eles mesmos achavam isso. Smith é ok. mas só. Sobre as letras, poderíamos ter uma longa discussão aqui sobre isso, mas nem vale a pena. Sua visão sobre o oasis, musicalmente falando, é rasa e padrão. É como quem diz que o Blur é melhor e pronto. Mas, epa, né que você disse? Padrão mesmo. Discordo totalmente e veementemente também sobre a questão da influência para a posteridade. Nisso nem discuto.

cebola disse...

Nem sei por que diabos ainda perco tempo falando de artista de quem nem gosto. ( mr smith, o deus. De quem, ninguém sabe!)

Franchico disse...

Eita!

Cabelinho de um, cabelinho do outro....

cebola disse...

Falando do que eu realmente me importo: Echo and the Bunnymen tocando o Ocean Rain completo em sampa. ESTE não posso perder.

teclas pretas disse...

cebolão, ta nervoso? maracujina.
GLAUBER

Franchico disse...

"Tu fica calmin, calmin"...

cebola disse...

Tomei. Funcionou.

Silvana disse...

Elliott Smith, Teenage e Wilco. Santíssima trindade. Já o Oasis, sempre me deu náusea.

teclas pretas disse...

hehehehehehehe...a amizade vale mais que essas discussões...net é assim mesmo. vamo adiante!
GLAUBEROVSKY

cebola disse...

As coisas escritas sempre assumem proporções "agressivas", mesmo sem querer. E o tema ajudou, né? Oasis é daquelas bandas: se você não ama, odeia na mesma proporção. Sem me alongar mais no tema, faço parte da primeira opção. Sobre o que penso deles, como "justificativa", está lá no meu blog comatoso, não me lembro de quando. Amizade vale sempre mais, é claro. Já quebrei paus federais com mr esc, e nem por isso ele deixou de ser meu amigo. No fim, basta uma maracugina. É isso.

Franchico disse...

Fico feliz.

cebola disse...

Teenage, é claro, é top 3 dos anos 90. Nisso eu concordo. Então minha dupla de tops pode virar trio. Oasis, Wilco, Teenage Fanclub. Completo o top 4: Jeff Buckley, que lançou só um disco, o fantástico Grace. Muito acima da concorrência.

cebola disse...

Pra virar um top 5 e ficar rendondino. Radiohead.

cebola disse...

Opa!! Essa memória...Menção honorabilíssima à obra-prima Melon Colie and the Infinite Sadness, e ao Siamese Dream, ambos dos Smashing Pumpkins!! Assim eles ingressam fácil no meu top 6.

Franchico disse...

Cebola! Fecha logo um Top 10!

cebola disse...

Vumas: Black Crowes, é claro. Blues Traveller; Mercury Rev.
Fechando o tampo: Nirvana (pela importência na história).

cebola disse...

Ah sim: Não usei o critério de discos dos anos 90 e sim bandas e artistas dos anos 90, antes que algum engraçadinho aí me saque um Lou Reed ou um Neil Young!

teclas pretas disse...

tom petty "wildflowers"! grande disco...
GLAUBEROVSKY

cebola disse...

Man. Assombração. Juro por deus que passei a tarde ouvindo ESTE disco no trabalho!! Wildflowers!!

Old School disse...

Oh Cebola,eu nao quero jogar agua no seu chopp nao,mas o McCulloch nao ta cantando mais nada,a voz dele ja foi pro saco ha algum tempo.Eu vi os caras em 2005 e a performance dele foi decepcionante,quem salvou a noite foi Will Sargent,esse sim tocando guitarra melhor do q nunca.Depois li uns comentarios de outros shows e comprovei q nao foi so uma ma noite,a voz dele ja era.Mas de qualquer forma,o Ocean Rain tocado na lata de cabo a rabo deve ser algo muito interessante de se ver,eu adoro esses shows onde um grande album eh tocado ao vivo na integra.A inesquecivel lembranca q guardo do Echo foi o show de 87 no Canecao,q show da porra!!!A performance dos caras pagou cada minuto das 56 horas de buzu SSA-RJ-SSA q levei,e fui so pra ve-los.Bons tempos!

cebola disse...

Cara!! Eu vi este show de 87 pela tv. Foi fantástico. Os caras estavam no topo da carreira. Sobre a voz de MaCculoch, concordo. Não é mais a mesma. Mas eu curto esse novo registros em que ele está cantando. Quer dizer, ainda é uma bela voz, claro que sem o alcance e intensidade da época gloriosa. E Seargent ainda put to fuck...hehe