sábado, novembro 01, 2008

LUGAR DE HQ É (TAMBÉM) NA LIVRARIA

Cada vez mais, quadrinhos de qualidade migram das bancas para as boas lojas do ramo

Longe vai o tempo em que quadrinhos eram aquela coisa de criança que se comprava com os trocados do pão e apenas em bancas de revista. Os leitores, especialmente aqueles que já atingiram a idade adulta, vivem um momento especial. A oferta de HQs de qualidade nas livrarias nunca foi tão variada.

A todo momento, surgem novas editoras, e todas, firmemente determinada a conquistar o leitor – e seu nicho neste mercado – investindo em materiais de qualidade, tanto gringos, quanto nacionais. E essa concorrência, longe de se verificar apenas nas gôndolas dos jornaleiros, hoje se dá mesmo é no nobre espaço das prateleiras das livrarias.

“Esse movimento é irreversível“, opina o editor Cassius Medauar, da Pixel Media, que lança algumas das HQs mais buscadas por leitores jovens e adultos, como as do selo Vertigo (Sandman, Preacher) e Wildstorm (Promethea, Planetary).

“Acho que, tanto o público, quanto as livrarias, já compraram a idéia, mas o potencial desse mercado ainda foi bem pouco explorado. Há um espaço grande para ocupar, pois só agora as livrarias estão descobrindo como trabalhar com esse material diferenciado e a entender que se elas exporem bem (nas prateleiras), terão retorno em venda“, acredita.

“Há uma demanda reprimida do público por quadrinhos de qualidade. Muitas vezes, o leitor que se forma na banca, passa a ler livros. Quando chega na livraria, ele descobre que aquilo também está lá, em outras edições. E acaba descobrindo ainda outras opções de HQ“, raciocina.

CONFIRA A SEGUIR UMA PEQUENA SELEÇÃO DO QUE DE MELHOR TEM CHEGADO ÀS LIVRARIAS

Clássico Vertigo chega à terceira edição no Brasil

Se Alan Moore, com seu Monstro do Pântano, foi quem fincou as bases do selo Vertigo, seu conterrâneo Neil Gaiman foi o responsável por consolidá-lo de vez com Sandman. Iniciada no final dos anos 80, trouxe para o mercado muitos leitores que, até então, não tinham o costume de ler HQ. O segredo? Uma bem amarrada viagem onírica misturando terror, dramas familiares, fantasia, mitologia e personagens fascinantes. Para começar, o personagem principal é uma encarnação do poder humano de sonhar. Muito popular, a série chega à sua terceira edição brasileira, agora com preço (bem) mais em conta, nova colorização e extras.
Sandman - Prelúdios e Noturnos
Gaiman / Kieth
Pixel Media
144 P. | R$ 29,90
www.pixelquadrinhos.com.br


Golaço de jovem brazuca premiado nos EUA

O gaúcho Rafael Grampá era um ilustre desconhecido até 2008. Só neste ano, o rapaz ganhou (em parceria com os gêmeos Fábio Moon e Gabriel Bá), o prêmio Eisner de Melhor Antologia por 5, foi procurado pelo autor Brian Azzarello para ilustrar a revista Hellblazer e viu seu primeiro álbum solo, Mesmo Delivery, lançado aqui e nos EUA simultaneamente. Não é para menos: sua narrativa é para lá de cinematográfica e seu estilo de desenho, uma festa para os olhos. Mesmo Delivery, ultra-violenta, chega a lembrar filmes de Tarantino e torture porn (tipo O Albergue). Uma senhora estréia de alguém que ainda vai dar muito o que falar. Um golaço.
Mesmo Delivery
Rafael Grampá
Editora Desiderata / Ediouro
56 Páginas
R$ 23,50
www.ediouro.com.br


Clássico de Frank Miller em nova edição, colorida

No auge da carreira, ainda quente do sucesso de clássicos dos anos 80 como O Cavaleiro das Trevas e A Queda de Murdock, Frank Miller resolveu dar adeus aos quadrinhos de super-heróis das grandes editoras (Marvel e DC) e partiu para criações próprias na editora Dark Horse. Dessa safra saíram os novos sucessos lançados ao longo dos anos 90, como a série Sin City, Liberdade - Um Sonho Americano, 300 e Hard Boiled. Esta última, criada em parceria com o desenhista (e maníaco detalhista) Geoff Darrow, é uma surrealista (e extremamente violenta) aventura de ficção científica. Anteriormente publicada no Brasil em P&B, ganha agora sua edição definitiva, em cores.
Hard Boiled: À queima-roupa
Frank Miller / Geoff Darrow
Devir
128 P. | R$ 45,00
www.devir.com.br


HQ nacional com gosto de sessão da tarde

Uma das melhores surpresas dos quadrinhos nacionais em 2008 veio de Joinville, Santa Catarina: criada pelos jovens Diogo Cesar (roteiro) e Pablo Mayer (arte), A casa ao lado conta uma bem amarrada história de terror leve, temperada com muito bom humor. Tudo começa quando o adolescente Felipe leva a jovem filha da vizinha para conhecer a tal casa ao lado do título, tida como mal assombrada na cidade catarinense. Detalhe: no meio da noite. Claro, coisas estranhas acontecem, e, no dia seguinte, o relutante pai do rapaz é pressionado pela vizinha, polícia, imprensa e ex-mulher a dar conta dos adolescentes desaparecidos. A narrativa é muito ágil e carrega o leitor para dentro da história, como numa boa sessão da tarde. Mais um sinal do ótimo momento criativo por que vem passando as HQs brazucas.
A casa ao lado
Diogo Cesar / Pablo Mayer
HQM Editora
56 páginas
R$ 14,90
www.hqmaniacs.com.br


Alan Moore supera a si mesmo em Promethea

Ainda pouco conhecida pelos fãs brasileiros do genial Alan Moore (Watchmen), Promethea é uma das séries que ele lançou no seu próprio selo, o ABC. Super ambiciosa, a série traz, a cada número, uma pequena aula sobre mitologia, fábulas, magia, metafísica, arte, filosofia e até sexo tântrico. A história segue a jovem Sophie Bangs – numa Nova Iorque futurista – em sua pesquisa sobre a Promethea, uma guerreira mitológica que se manifestou em diversas mulheres ao longo dos séculos, até que esta se manifesta na própria Sophie. Destaque para o prodigioso desenhista J.H. Williams III, responsável pelos espantosos leiautes.
Promethea - Livro Um
Alan Moore / J.H. Williams III
Pixel Media
176 p. | R$ 41,90
www.pixelquadrinhos.com.br


Adaptações em HQ de contos do Velho Safado

Publicadas no Brasil – ainda nos anos 80 – em dois álbuns, essas adaptações do quadrinista alemão Matthias Schultheiss para os contos do seu conterrâneo Charles Bukowski voltam às livrarias reunidas em um volume único pela mesma L&PM. Estão aqui, vertidas para a nona arte através do rigor acadêmico de Schultheiss, algumas das mais emblemáticas histórias curtas do Velho Buk, como Mamãe bunduda, N. York, 95 cents ao dia e Kid Foguete no matadouro. Ao todo, são oito contos ilustrados que resumem bem – especialmente para os neófitos – o estilão sujo, bêbado e decadente deste ídolo do underground. O desenhista dá um show nas suas adaptações em P&B, decupando com maestria o texto seco de Bukowski em cenas cheias de poesia e detalhes.
Delírios cotidianos
Charles Bukowski / Matthias Schultheiss
Editora L&PM
152 P. | R$ 29
www.lpm.com.br


A volta dos vampiros sensuais, impiedosos (e incestuosos)

Fãs dos elaborados álbuns de quadrinhos europeus têm um prato cheio com o lançamento pela Devir de Predadores, série em quatro edições criada pela dupla Jean Dufaux e Enrico Marini. A obra dá uma atualizada razoável no batido tema dos vampiros ao focar sua narrativa em uma série de estranhos assassinatos que vêm ocorrendo em Nova Iorque: as vítimas são encontradas sem uma gota de sangue, apenas com um alfinete a perfurar um quisto que todas elas têm atrás da orelha. Intrigada, a detetive Vicky Lenore e seu parceiro Benito Spiaggi partem para investigar a fundo o caso. Em paralelo, acompanhamos os assassinos em si, os irmãos vampiros Drago e Camilla, em sua sangrenta jornada para erradicar uma antiga ordem de vampiros infiltrados em altos escalões do poder. A narrativa – apesar de, aparentemente, apresentar os culpados logo de cara – é forte e arrasta o leitor, também graças à linda arte de Marini. Que venham mais HQs européias.
Predadores - Volumes 1 e 2
Jean Dufaux e Enrico Marini
Devir Editora
64 p. (cada volume) | R$ 29 (cada volume)
www.devir.com.br

4 comentários:

Zé Oliboni disse...

Minha única preocupação é o que vai ser do mercado daqui 40/50 anos quando o público morrer (literalmente) já que as livrarias apesar de lucrativas e funcionais não tem se preocupado em nenhum momento no trabalho de formar novos leitores. E peças raras como a gente, que fazeram a transição entre Mônica/Disney para heróis e tudo mais, não tem aparecido com tanta freqüência. A livraria não é uma solução é um gargalo, daqui 50 anos como vão apertar mais? Bom... daí não é problema de quem está no mercado hoje, certo?

Duda Nedel disse...

Acho bem legal essa nova forma de encontrar as HQs. Pra quem gosta é um prato cheio, mas eles não podem exagerar nos preços, como os preços dos livros, que é um absurdo aqui no Brasil e acaba não incentivando o leitor.
Não curto ler HQ, mas respeito muito os desenhos. Uma arte! (:

Legal ter encontrado esse teu blog.
Até mais!

Franchico disse...

Grande Zé Oliboni, que prazer vê-lo por aqui! Velhinho, o futuro dos quadrinhos, até como mídia mesmo, é bem nebuloso, da forma como eu vejo. Acho que as livrarias podem desempenhar um bom papel no sentido de ampliar oferta e distribuição, mas dificilmente - e aí eu concordo com vc - é o local que vai formar público nas novas gerações. Esse papel ainda é das bancas. Daí a necessidade das editoras de sempre se investir em HQs ligeiras e baratas. Mônica, Disney etc. Sinto muitíssimo aliás, quando chego numa banca hj em dia e a única revista Disney que encontro nas prateleiras é a coleção do Carl Barks - linda, maravilhosa, mas inacessível às crianças que só contam com o dinheiro da merenda para alimentar o vício em HQs. Maurício de Souza, por outro lado, vai bem, como sabemos. Mas quem sabe daqui a dez anos? O futuro é bem nebuloso. Grande abraço, meu brother.

Duda, a oferta de HQs nas livrarias tem um preço um pouco mais alto do que nas bancas mesmo, mas procurando, há opções para todos os bolsos. Procure ler. Vc pode se surpreender com muita coisa. Volte sempre, OK?

Anônimo disse...

Olá Amigos dos Inimigos

O grupo INIMIGOS DO REI convida você a participar da escolha de sua próxima música de trabalho, que deverá ser enviada para as rádios de todo o Brasil.

A votação pode ser feita em www.inimigosdorei.com.br/vote/ onde você encontrará um vídeo "ao vivo" de cada uma das duas músicas inéditas além de um quadro para você assinalar sua preferência...

É mesmo muito símples, e você ainda vai poder ver e ouvir, em primeira mão, o som que o grupo anda fazendo atualmente!

E se você realmente curtir as novas músicas, por favor, repasse o link para seus amigos, de forma que ainda mais pessoas possam conhecer o novo trabalho e, também, participar desta escolha.

Participe! Sua opinião pode ser decisiva no rumo que a banda vai estar dando à sua carreira nesta nova fase...

Grande abraço de seus melhores Inimigos!