terça-feira, agosto 10, 2004

Grandes bandas q se vc não conhece, devia conhecer: MANIC STREET PREACHERS

Libraries gave us power,
then work came and made us free.
What price now, for a shallow piece of dignity
?
A design for life, faixa de abertura do disco Everything must go

Muita gente só conhece essa banda galesa pelo fato de que, em 1995, uma noite antes da banda partir em tournée pelos EUA, o guitarrista Richey James desapareceu da face da Terra e desde então, nunca mais foi visto. Injustiça. O MSP, que durante o estouro brit pop dos anos 90 era considerada uma das bandas mais odiadas da Grã-Bretanha, devido à sua postura tipo foda-se para aquela cena, é uma das grandes bandas dos últimos anos na opinião deste humilde jornalista. Podemos dividir a carreira do MSP em duas fases: antes e depois do sumiço do guitarrista doidão. Dessa primeira fase, confesso que sei e ouvi muito pouco. Basicamente, só um especial que a TV Bandeirantes exibiu em 1993 do festival de Reading de 92, onde eles detonaram um som bem glitter, inclusive no visual de viadinhos purpurinados. Mas o som era o bicho, gostei de cara. Pesado, rápido, emocionado, ligeiramente tosco. Como eu gravei em vhs esse especial na época, ainda ouvi bastante aquelas duas ou três músicas dos Manics. Gostei especialmente de uma que, soube anos depois, era cover duma música do filme M.A.S.H., de Robert Altman: Suicide is painless, maravilhosa (o filme tb, pode alugar sem medo). Só para encerrar sobre essa primeira fase, Richey James era tão louco, que, perguntado por um repórter se suas atitudes autodestrutivas eram para valer ou se era marketing mesmo, o cara escreveu com um estilete no braço: 4 real. Após o desaparecimento de James, os Manics lançaram em 1996 aquele que, para muitos é o seu melhor álbum até hoje: Everything Must Go, um dos melhores discos não-ouvidos dos anos 90. Infelizmente nunca lançado no Brasil, esse disco chegou a ser comprável por aqui na época que um Real era igual a um dólar. Um brother meu comprou esse disco na época e encheu meu saco até que eu o ouvisse. Maravilhado, gravei-o em uma fitinha cassete que guardo até hoje. Anos depois, baixei várias faixas, mas ainda pretendo tê-lo, original. Sabe aqueles discos bons do início ao fim, que vc não pula nem uma faixinha sequer? Esse é um deles. Melodioso, incrivelmente bem tocado, Everything... ainda contém letras extraordinárias e demolidoras contra o viciado e fracassado modo de vida ocidental. É daquele tipo de letra que quando vc lê (ou ouve), fica até aliviado, tipo: porra, graças a Deus que ainda tem gente que pensa direito nesse mundo, vide o trechinho colocado como epígrafe lá em cima. James Dean Bradfield, o guitarrista e vocalista, bate um bolão com a sensibilidade e a emoção à flor da pele (argh, clichê!) demonstrada em faixas como Kevin Carter, All surface no feeling, a faixa título e no resto do disco todo. Mais do que recomendado. Após o divisor de águas Everything... o MSP ainda lançou This Is My Truth Tell Me Yours (1998), Know Your Enemy (2001), Forever Delayed (2002) e Lipstick Traces - A Secret History of Manic Street Preachers (2003). E na boa: qualquer um desses vale a pena. Para o neófito interessado, sugiro o Forever delayed, coletânea de hits lançada no Brasil e facilmente encontrável por aí. Já o Lipstick traces é coletânea de lados b de singles e covers bacanas como Nirvana (Been a son), Clash (Train in vain, Whats my name), Guns n Roses (a porrada clássica Its so easy), Happy Mondays, Primal Scream e outros. Dica: na Escalpo dá para alugar ? e copiar ? os ótimos This is my truth e Know your enemy. Da fase Richey James eu nunca sequer vi um disco, mas nos links abaixo vocês podem saber mais ; ver e ouvir, tb ; sobre a banda em ambas as fases. E no Rock Loco tb, já que volta e meia, eu toco alguma coisa da banda. Eu me amarro, e espero q vcs também.
http://www.manics.co.uk/manics/
http://www.staybeautiful.net/

4 comentários:

osvaldo disse...

Dos tres primeiros discos do MSP,ainda com com Richey James, Generation Terrorists, Holy Bible, e Gold Against the Soul, prefiro o primeiro, principalmente por causa de Little Baby Nothing(que ja toquei no rock loco).Boa parte da critica inglesa considera Holy Bible a obra-prima dos caras.Everthing Must Go é dedicado a Richey, que só o ano passado foi declarado oficialmente morto, apesar do seu corpo nunca ter sido achado.Alias, na Inglaterra era meio que uma piada a la Elvis, dizer que o cara tinha sido visto em varios lugares.Richey sofria daquele disturbio que as pessoas se auto-imolam(não recordo o nome cientifico da doença), e era uma figura tragica, e apesar de nunca ter sido o principal compositor da banda, era aquele que melhor encarnava o espirito radical da banda.Tenho uma Uncut com umas fotos bizarras do cara, todo cortado.Não se esperava que a banda mantivesse o pique criativo, mas inegavelmente a banda manteve o alto nivel e superou o trauma do desaparecimento de Richey, e em alguns aspectos com vantagens.

Anônimo disse...

Cadê a festa II do Rock Loco, porra?!?!?!!!!! Chega dessa churumelas no rádio, na Internet... Eu quero é ROCK, mermão!!! Disk Joqueis insanos, músicas transcedentais, purpurinas, balões, entorpecentes e tudo mais que o rock proporciona!

Anônimo disse...

Valeu Bramis pelas preciosas informações adicionais. depois vamo fazer um esquema de cópia desses cds fase Richey James aê, hein? galera, como vcs vêem, esse esquema de comments não tem o espaço para colocar o nome. quem quiser deixar nome ou pseudônimo tem q assinar no corpo do texto mesmo. já tô ligado q a galera não gosta de deixar nome, então deixem os pseudônimos de sempre, para pelo menos não ficar todo mundo com o mesmo nome: "anonymous". maluco, tenha calma q vai rolar a IIª festa rock loco. vá fazendo uns alongamento aê, q vai ser pra botar tálba lascar.
(Fran)Chico.

marcos rodrigues disse...

Oi Chico, Sora e povo do Rock Loco,

Amanhã (dia 13), a partir da 22h, a Theatro de Séraphin vai estar se apresentando na UCSal-Lapa, dentro da programação da semana cultural promovida pelo dce da Católica. Acho que o ingresso é R$1,00. E vai ter tb a Vinil 69. Se o trampo aí na rádio permitir apareçam por lá. Abçs.