quarta-feira, novembro 10, 2010

VAI VER SE EU TÔ NA ESQUINA - DO PELÔ, AMANHÃ

No ano passado, a Avenida Manoel Dias da Silva, na Pituba, foi palco para cerca de uma dezena de atrações de música e teatro que invadiram as suas esquinas e surpreenderam o público. Foi o evento / intervenção urbana Hoje é Dia de Esquina, que amanhã, volta a acontecer, só que, desta vez, no Pelourinho.

A partir das 19h30, oito esquinas do Pelô se tornarão palco para a música etérea do duo Dois Em Um, o blues da banda Clube de Patifes (de Feira de Santana), o choro rock de Júlio Caldas, o rock instrumental da Vendo 147 e as peripécias circenses da dupla Malabares & Cia, entre outras atrações.

“Esse projeto surgiu no Rio de Janeiro, com um grupo chamado Quinho & Os Caras, o Hoje é Dia de Rua. A proposta ‘Para Humanizar a Cidade’ (subtítulo do evento) é iniciativa nossa, a partir da ideia original deles, para chamar a atenção da população para aspectos críticos da nossa urbanidade”, explica a produtora e agitadora cultural Cássia Cardoso, que toca o projeto ao lado de Roger Ribeiro.

Durante as apresentações será distribuído um folheto com o manifesto do movimento Para Humanizar a Cidade, “chamando a atenção das pessoas para os cuidados que devemos ter com o Pelô”, acrescenta.

Cássia conta que esta edição 2010 ocorre a convite do próprio Pelourinho Cultural (ligado ao Ipac), cuja direção apreciou bastante a proposta e a considerou perfeitamente adequada às ruas do Centro Histórico.

“O pessoal do Pelourinho Cultural gostou muito do projeto do ano passado – e como lá tem toda uma questão de conservação, caiu como uma luva”, diz.

A seleção das atrações foi feita pelos próprios produtores. Somente duas delas são repetidas: Barlavento, Luizinho Assis e Malabares & Cia. Os dois primeiros, “pela excelente receptividade que tiveram na edição passada. E os Malabares, como uma homenagem aos artistas de rua. Você fazer um projeto desses e não ter artistas de rua propriamente ditos não faria sentido, né”, aposta.

As outras atrações, Cássia e Roger pescaram da cena independente, com a qual a primeira lida diariamente, como integrante do coletivo Quina Cultural (organizadora do festival Big Bands, entre outros).

“Uma boa novidade é a banda Clube de Patifes, de Feira de Santana, que faz um blues muito legal. É uma forma de chamar outras cidades para o projeto. E, quem sabe um dia, invadir o país”, planeja Cássia.

Hoje É Dia de Esquina / Com Julio Caldas, Dois em Um, Luizinho Assis, Barlavento, Vendo 147, Clube de Patifes, Malabares & Cia e Pirigulino Babilake / Amanhã, das 19h30 às 21h oras / Esquinas do Pelourinho / Gratuito

25 comentários:

Franchico disse...

Se algum dia te disserem que esse negócio de zumbi não vale nada, simplesmente não acredite.

http://www.universohq.com/quadrinhos/2010/n10112010_02.cfm

Franchico disse...

Falando nisso, o 2º episódio de Walking Dead ontem de noite foi simplesmente do caralho.

osvaldo disse...

Cronica de Jolivaldo Freitas

Nem Ivete Aguenta mais axé. http://www.tribunadabahia.com.br/coluna.php?cCanal=23

Franchico disse...

"E aí, gatão, vai um 'glow job'?", perguntou a cyber-hooker.

Hein?

http://www.omelete.com.br/dvd-blu-ray/pron-tron-xxx-parody-e-mais-nova-parodia-adulta-dos-blockbusters-de-hollywood/

Franchico disse...

Brama, quem pariu Mateus que balance, né man? Mas fico reconfortado em saber que não somos apenas nós, meros mortais, que sofremos com essa aberração que é a cultura de poluição sonora que tomou conta dessa cidade. Quem ajudou a criar esse monstro, mesmo morando no alto de fortalezas luxuosíssimas, tb fica exposto ao barulho. Quero mais é que sofra, mesmo. Sofra muito!

cebola disse...

Vcs são um bando de zeliteiro falando mal de axezeiro. Olha que estão tentando botar na constituição que o povo tem "direito à felicidade" e aí é que eu quero ver a porca abrir o rabo! A Bahia-iá-iá vai exportar tecnologia de ponta (piriguete, carro à 189 prestações com som de trio, ladrão em toda esquina distribuindo renda...beleza pura) e a alegria vai tomar conta do Brasil-il-il! Mas tudo bem, quem falar mal vai incorrer em delito anti-social e vai ser multado num processo movido por uma ong defensora da constituição, o Bahia vai pra primeira divisão (uôba!)e aqui vai continar sendo paraíso de ladrão!
Aqueeele abraaaçooo!

Anônimo disse...

é o preconceito desta elite escolarizada que não aguenta ver um torneiro mecânico ser presidente deste país. veja o que está acontecendo com Tiririca. um homem do povo igual ao nosso presidente. Tiririca é igual a Lula e eles vão salvar a humanidade do planeta. um abraço

Franchico disse...

RIP Dino de Laurentiis.

http://www.omelete.com.br/cinema/morre-o-produtor-dino-de-laurentiis/

Anônimo disse...

para vcs todos metidos nessa conversa "sem pé nem cabeça" só digo uma coisa ao som das Runaways:
"Hello Daddy, hello Mom
I'm your ch ch ch ch ch cherry bomb
Hello world I'm your wild girl
I'm your ch ch ch ch ch cherry bomb"
AAUUU!!!!!!!!!
cláudio moreira

cebola disse...

Já foi ver o filme?? Tá em cartaz, The Runaways!!

Franchico disse...

Eu já mencionei por aqui que, entre muitas outras coisas que me dão nojo, eu simplesmente ODEIO a indústria automobilística?

As razões, para qualquer um que possua pelo menos dois neurônios, são óbvias.

Começando pelo simples fato de que é esse monstro que vai destruir esse planeta. Não vai ser nenhuma bomba nuclear, explosão solar, erupção vulcânica, nada disso.

Vamos morrer todos soterrados por milhões de toneladas de metal enferrujado. Salvo aqueles que não morreremn antes, enegrecidos e sufocados pela fuligem do dióxido de carbono.

Tudo por que vcs, humanos de merda, precisam compensar o vácuo que constitui suas existências (sem falar nos seus pênis diminutos) com carros cada vez maiores e mais ostensivos.

Ou aqueles retardados que se acham muito cool por quem são possuidores de modernos "carros-design". Piada pronta, correto?

Quer me expulsar de uma rodinha de conversa? É só começar a conversar sobre carros. Não conheço nada mais entediante e deprimente.

Claro que, para se estabelecer dessa forma escrota, foi preciso contar com outra indústria filha da puta, chamada publicidade. Ah, que coisa linda são os comerciais de carro!

Tem um ótimo rolando atualmente, em que um grupo de donos de um desses monstros gigantes procedem toda uma operação noturna com walkie talkies e muita correria na chuva para chegar em um local ermo. Tudo para quem um aviãozinho possa executar um voo rasante defronte a fila de carros e os retardados gritarem "êêêêêêêêêêê"!!!!!! Uma missão vazia que chega a lugar nenhum e não tem qualquer função. E fecha com um slogan vagabundo sobre "força de vontade". Me dá vontade de vomitar. Tenho trocado de canal imediatamente qdo vejo este (e alguns outros comerciais) deste nível de "criatividade".

Leia mais sobre essa desgraça planetária chamada indústria automobilística neste excelente post de André Barcisnki:

http://andrebarcinski.folha.blog.uol.com.br/arch2010-11-07_2010-11-13.html#2010_11-08_11_05_01-147808734-0

Franchico disse...

Porra, Cebola. Acho que não tá mais não. Hoje já é sexta, lembra. Acabei de olhar o jornal e acho que já saiu. Tb perdi.

Anônimo disse...

assisti duas vezes em pré-estreia: uma no rio, outra aqui...só posso dizer que o filme é humano e sincero
fora isso: cheeeerryyyy boooombbbb!!!!!!!!!!!!
cláudio moreira

osvaldo disse...

eeu vi.kristin stewart e o cara q faz kim foley roubam a cena.interessante notar como o glam rock ingles foi influente.em plena los angeles, na mitica sunset strip, o "scenester" rodney bingenheimer abriu o seu (la ele!) english disco, local favorito das futuras runways.cherrie se imaginava bowie. a influencia inglesa sempre foi imensa na cultura pop americana,diria até dominante, so enfraquecendo a partir do nirvana e dos meados dos 90. por isso q sempre digo, o punk rock foi uma concepção inglesa.

Franchico disse...

Forasta saúda a lembrança do genial John Belushi (e suas cafungadas).

http://noticias.r7.com/blogs/andre-forastieri/2010/11/10/obrigado-pela-cocaina/

Na verdade, ele afirma que, sem a cocaine, Belushi não teria sido o que foi. Hummmm....

Anônimo disse...

definitivo...em 1985, lobão definiu tudo...
cláudio moreira

Dizem que o Rock andou errando
Não valia nada, alienado
E eu aqui na maior das inocências
O que fazer da minha santa inteligência
Será que esse é o meu pecado, porque
Errou, errou, errou, errou
Eu sei que o rock errou
Acho que é melhor passar a borracha
Ninguém é perfeito você não acha?
Nem mesmo o bruxo da vassoura
Música do Planeta Terra
Cantiga de guerra
Canto, espanto e fico rouco
E ainda acham pouco porque
Errou, errou, errou, errou
Eu sei que o rock errou
Vivemos num país bem revistado
Uma nova volta ao passado
Muito louco anda solto
De colarinho, é claro
Se eu respiro inspiro mais cuidado
Desse pobre coitado, porque
Errou, errou, errou, errou
Eu sei que o rock errou

teclas pretas disse...

chicão,
vi aqui que vandex e vendo 147 foram desclassificadas por existirem antes de 2007, é isso mesmo?

por que o TECLAS PRETAS começou suas atividades em 2005 [primeiras gravações]. em 2009, ficamos só eu e solovera. a música e o clipe indicados são de 2009.

teríamos que ser desclassificados também? mirdad, vê isso aí, plis.

GLAUBER

teclas pretas disse...

chico,
tá havendo alguma animosidade aqui no blog com relação a mim, ou é impressão minha? algo que eu falei e não saiba? alguém responde?

GLAUBER

Mirdad disse...

A exigência da categoria Videoclipe do Ano é que o mesmo tenha sido lançado de 2009 pra cá. Ou seja, teu clipe tá valendo!

Franchico disse...

Hã? O que te levou a achar isso, Glauber? Vc mal tem comentado por aqui! E outra: qdo comentário é mera ofensa, xingamento etc eu simplesmente não libero. Então, não, man, não está havendo nenhuma animosidade aqui no blog com relação a vc.

teclas pretas disse...

sei lá, impressão errada minha, então. foi mals.
G.

Franchico disse...

Relax, man! Vc não é sofá, mas é da casa. Fique a vontade.

Ernesto Ribeiro disse...

Acho difícil Kristen Stewart "roubar a cena" no papel de Joan Jett, já que é exatamaente o papel principal.


No mais, o filme é uma m**** que dá constrangimento.


Dakota Fanning tentando cantar como Cherie Currie é uma piada podre: a atriz não tem voz nenhum pra sequer chegar aos pés da MAIOR voz do Rock & Roll.


A direção não existe. Imagem escura, fotografia sem inspiração e atuações idem. Roteiro patético. É uma verdadeira receita de filme-bomba, sem cereja e no pior sentido.


Realmente, só quem manda ver mesmo é o ator que faz Kim Fowley, o Malcolm McLaren americano, que f*deu as Runaways em todos os sentidos.


Filho da puta.

Ernesto Ribeiro disse...

O caso é o seguinte: o filme "The Runaways" foi produzido por Joan Jett --- que ODEIA Lita Ford (pelas divergências musicais que provocaram o fim da banda) e BOICOTOU o documentário "Edgeplay" -- que foi produzido por Jackie Fox e Vicky Blue --- que BOICOTARAM o filme como vingança, gerando um processo judicial movido por JJ contra Jackie Fox --- aliás, a advogada de artistas Jacqueline Füchs --- que venceu nos tribunais facilmente, é claro. Como dizem os japoneses: "Compricado, nô?"


http://www.myspace.com/jackiefuchs
Jackie Fox: Comentários
Sobre mim:

February 27, 2010: “As many of you know, Joan Jett's lawsuit against me was dismissed in my favor. Thank you so much to all of you who expressed words of support. It meant a great deal to me. On a more general note, while I try to respond to everyone who emails me at least once, as I've previously noted here, I have fibromyalgia and typing is painful -- please forgive me if I don't respond or if I keep my responses terse. For those who don't know me, I was the bass player in the "famous five" version of the Runaways. I'm currently an entertainment attorney, but I've created this space to post stories about my time in the band and the seventies rock scene in general while I still remember it. ”

Ernesto Ribeiro disse...

Se quiserem assistir O FILME sobre as Runaways (a banda mais perfeita de todos os tempos, no som, na fúria e na História) então o jeito é IMPORTAR o documentário EDGEPLAY.


Eu escrevi o único artigo extenso em português sobre esse filme de 2004.


Se quiser, eu te mando por e-mail.


Ernesto Ribeiro

dystopia@ig.com.br