segunda-feira, novembro 29, 2010

RIFFS DEMONÍACOS, RAIZ NO BLUES: THE BAGGIOS É ROCK NA VEIA!

A aprazível Aracaju, capital vizinha cuja qualidade de vida é de dar inveja (ou vergonha) aos soteropolitanos, guarda uma cena roqueira que, se não impressiona pela quantidade, prima pelo que é mais importante: a qualidade (olha aí de novo).

Da veterana Snooze, velha conhecida do público roqueiro local desde os anos 1990, até bandas mais recentes, como Plástico Lunar e Rockassetes (recentemente extinta), a rapeize sergipana manda muito bem quando o quesito é rock ‘n’ roll.

Mais recente ainda é o The Baggios, duo de guitarra e bateria que já se apresentou algumas vezes por aqui e volta no dia 3, para a festa de aniversário do Big Bross Records, com Theatro de Séraphin, Reverendo T & Os Discípulos Descrentes e Pastel de Miolos.

Mas por que The Baggios? Basta ouvir o single gratuito O Azar Me Consome, recentemente distribuído pela dupla. Pau na orelha é pouco para definir o belíssimo esporro que é a canção-título.

Com um riff demoníaco que deve ter sido conjurado das profundas do Hades, uma levada dançante irresistível e uma letra em português impagável, a faixa não sai do play list do colunista há vários meses.

“O Azar Me Consome traduz de forma perfeita nosso som”, admite Julio Andrade, a metade responsável pela voz e a guitarra no The Baggios. A bateria fica a cargo de Gabriel Carvalho.

“Ela dá uma boa noção do que vai ser o nosso disco. Nós exploramos muito essa pegada rock anos ‘70 – inclusive o rock brasileiro da época, como Mutantes, Casa das Máquinas, Made in Brazil, Raul”, conta Júlio.

“Eu tinha dificuldade de escrever letras em português, mas depois que ouvi essa galera, eu saquei que dava para fazer uma coisa massa, bem expressiva”, observa o músico.

Ele conta que, inicialmente, ele e Gabriel tocavam sem baixista por falta de opção, mas depois, “criamos uma identidade nesse formato”.

Sem o baixo, as composições tiveram de, necessariamente, ir de encontro a uma linguagem específica, mais hard. “Outras bandas nos mostraram que era possível fazer disso um diferencial. Principalmente na composição. As músicas devem cobrir essa ausência do baixo. É uma coisa mais direta, crua, mesmo”, diz. Recomendadíssimo.

10 anos Bigbross Records / Theatro de Séraphin, The Baggios (SE), Reverendo T & Os Discípulos Descrentes e Pastel de Miolos / Dia 3 de dezembro, 20 horas / Pça. Pedro Archanjo, Pelourinho / Gratuito

Ouça: www.myspace.com/baggios

36 comentários:

Franchico disse...

aH! Os caras tb tocam nesta quinta, dia 2, no Tom do Sabor, com a Acord. R$ 10 até meia-noite.

programa de rock disse...

Orgulho da "cena" sergipana, aí. Grande dupla.

Franchico disse...

Com razão!

Franchico disse...

RIP Mario Monicelli

http://www.omelete.com.br/cinema/morre-o-mestre-da-comedia-italiana-mario-monicelli/

E foi de maneira trágica. Aos 95 anos, o cara se jogou da sacada de seu quarto de hospital. Que horror, ninguém merece um fim melancólico assim. Muito menos um gênio da comédia italiana como ele... Que merda.

osvaldo disse...

devo estar chegando atrasado, mas so soube q millor tinha site hj.

http://www2.uol.com.br/millor/

um dos ultimos genios brasileiros ( de verdade) ainda vivo.

marciorocks disse...

Que triste ironia para, como você bem colocou, Chico, "Um gênio da COMÉDIA italiana"...

osvaldo disse...

não causa surpresa, apenas a continuidade da saga da terra aonde as coisas não acontecem desde sempre: o Iron Maiden na sua proxima turne brasileira toca, alem dos obrigatorios sp/rj, em Curitiba,Brasilia, em Recife! e BELEM!!!! EU DISSE BELEM!!! Não me venham com Beyonce e Black Eyed Peas.Nem com Nina Hagen,A-Ha, Placebo , Mudhoney, Dinosaur Jr . A Bahia iaia NUNCA teve um show com banda deste porte.

Franchico disse...

Né.

Triste, mas é verdade, Bramis.

Esse ano, Dino Jr. e (pelo menos pra mim) Gotan Project deram um refresco no provincianismo reinante.

Mas um show de rock do porte de um Iron, a Bahia nunca viu. E no que depender de nossos empresários, NUNCA VERÁ.

Já viram a seleção do festival de cuzão desse ano? É só ver a programação do ano passado e adicionar Restart, Luan Santana e Maria Gadú. Sabe o que tem no palco (supostamente) alternativo? Jorge Vercilo. Detonautas. Luiza Possi. Nem sei por que estou comentando esse lixo, já sabemos há mais de uma década que não dá para esperar nada dessa merda pra turista ver. Acho que é só para dar a medida do buraco em que vivemos.

Franchico disse...

Mais shows legais para a gente ver. De longe. Ou não ver. Ou morrer em uma grana absurda para ver.

http://www.omelete.com.br/musica/motley-crue-alice-chains-e-black-rebel-motorcycle-club-tocam-no-brasil-em-2011/

Em suma: para quem vive na província, todas as alternativas são uma merda.

Franchico disse...

Barça manda notícias de Jaz Coleman, o gênio do Killing Joke, que adoro desde os anos 80.

http://andrebarcinski.folha.blog.uol.com.br/arch2010-11-28_2010-12-04.html#2010_12-01_13_51_47-147808734-0

Fora que Pandemonium (1994, disco que ele lembra em seu post), é um dos melhores álbuns não-ouvidos dos anos 90. PAU NA ORELHA. Sinistrissimo!

Franchico disse...

Rá rá rá! O nome da produtora do proximo filme do Superman é Emma Thomas!

http://www.omelete.com.br/cinema/superman-produtora-diz-que-christopher-nolan-deixara-tudo-nas-maos-de-zack-snyder/

Rá, rá, rá! Pegou? Pegou? Emma! Thomas! Emma Thomas! Rááááááiii, ai, ai, ai, ai!

(Preciso sair da frente desse computador AGORA! Tchau, té amanhã!)

osvaldo disse...

não sei se alguem ja comentou sobre, mas alguem ouviu o tal do black country communion, com glenn hughes, joe bonamassa, jason bohan ect? para deep purple maniacos e muito bem feito dentro da vertente hard rock, na minha opinião.como o rock loco tem hard rockers convictos, não vi ninguem celebrando a banda, q talvez tenha lançado um dos melhores discos de hard rock dos ultimos tempos.

Nei Bahia disse...

Bramis, esses combos de putaveias tem dado bons frutos. Num jeitão mais californiano de fazer rock duro, Chicenfoot também é muito bom.
Pena que no caso do BCC, a melhor coisa da banda está com carreira solo de vento em popa; Joe Bonamassa, quase um desconhecido na brasileía culturalmente descolada, é o "Stevie Ray Vaugham " do momento, tomou o lugar que Jony lang e Kenny Wayne Sheppard deveriam ocupar mais não conseguiram

marciorocks disse...

Véis, não lembro se já foi comentado por aqui, mas por conta de termos já comprado ingressos pro Recife Summer Soul, pesquisei uma menina americana que também vai se apresentar lá (antes de Amy e depois do Blue Eyed Soul Mayer Hawthorne), chamada Janelle Monáe...
Essa É A Verdadeira James Brown de saias! Pelo menos a julgar pela premiere dela no David Letterman Show.
DUCA!!!
http://www.youtube.com/watch?v=rzZnao2fbRQ&NR=1&feature=fvwp

osvaldo disse...

conferi o post do barça sobre jaz coleman, mas acho q ele deixou o lado fã falar mais alto.dizer q o killing joke inventou o pos-punk é entusiasmo demais, apesar do killing joke ser uma daquelas bandas q despertam idolatria total nos fãs. gosto de alguns discos,( what's this for, night time) nao conheço pandemonium,to fora do revelations e do brighter than... e não entendo o lado mistico , acho que meio julian cope demais e aqueles papos do homem ancestral europeu( la ele!!).

Franchico disse...

Sou fanzão do Night Time tb. Tenho o vinil. Aliás, foi esse o primeiro disco que ouvi deles, láááá nos anos 80, em um programa de rock numa rádio da época - quando esse tipo de coisa ainda existia.

Mas quem inventou o pós-punk, salvo engano, foi o Joy Division, né? Ou foi o Television? Ou foi...?

Já tinha ouvido falar dessa Janele, Márcio. Mas ainda não conferi. Farei-o-o.

Franchico disse...

Mais uma que vai p/ Recife:

http://www.omelete.com.br/musica/cyndi-lauper-fara-shows-no-brasil-em-2011/

Franchico disse...

Bom, pelo menos, se não vem coisa boa pros lados de cá, pelo menos não vem banda ruim tb.

http://www.omelete.com.br/musica/vampire-weekend-e-two-door-cinema-club-confirmam-shows-no-brasil-em-2011/

Por que na moral, vamos combinar: Vampire Weekend é A PIOR BANDA DE TODOS OS TEMPOS, confere?

Não consigo entender como tanta gente supostamente esperta comeu a pilha do (micro) hype que rolou em torno desse lixo. Chega ser cômica, de tão ruim!

Franchico disse...

Joe quem?

"Beeeeela Massa?"

(Quem não entendeu, desculpa aí. Essa foi pra quem é das antigas, bem antigas, mesmo.)

cebola disse...

Quem inventou o pós-punk, chiquéuris, e uma porção de outras coisas, foi mr. Chamaleon, David Bowie! ;)

Franchico disse...

Na mosca, Cebola. Dessa vez, não pensei tão rápido.

Nei Bahia disse...

Não, Bowie não inventou o pós punk, pois ele é uma pessoa de bom gosto!

teclas pretas disse...

hahahahahahahahahahahahaha...nei bahia
GLAUBER

Franchico disse...

Aí eu vi! Aí eu vi! Cabelinho de um, cabelinho do outro!

Master Bramis, vossa sapiência teria alguma consideração acerca deste tópico?

Afinal, foi David Bowie quem inventou o pós-punk ou não?

Já eu não me sinto 100% abalizado para afirmar categoricamente, mas no mínimo, pode-se dizer que o Camaleão lançou as bases, foi o precursor da parada toda, com seus álbuns de Berlim.

(Aliás, ser precursor, antecipar movimentos, é uma das especialidades do homem, né? Aliás, já virou até clichê dizer isso dele. Desde que eu me conheço por gente que eu ouço isso).

Está lançado o debate!

(Acho).

osvaldo disse...

Bowie, assim como o Velvet, foram precussores, "godfathers" do punk e do pós -punk. existem varios "pais" do pós-punk, o primeiro disco do siouxie & the banshees talvez como proposta sonora, mas se tiver que apontar um "pai" seria o Public Image, o popular Pil, tal como Lennon cunhou em God que o sonho tinha acabado, para sua geração, Lydon, no primeiro Pil, executa o agonizante punk rock com um tiro n cabeça.Claro que o punk, ou seu simalacro, ficou (ainda fica?) como um zumbi atazanando o rock, mas seu proposito tinha sido alcançado, e o punk tem uma cabeça dura.O Punk foi a auto-critica do rock, e principal motivo da continuação da sua relevancia, enquanto expressão artistica.O Pós-Punk foi a consequência da implosão inevitavel do Punk, devido ao radicalismo insustentavel do sub-genero.Uma longa conversa, ficarei satisfeito em desenvolver mais, agora to na rua, mas bom folego sobre o assunto.Para mais info entrem no Blissblog de Simon Reynolds, la tem um link para o livro ,para muitos uma biblia, sobre o assunto, o Rip It Up, nos arquivos do rock loco falei sobre o livro, acho q em 2008. E Nei, deixe de onda, o rock não acabou quando Elvis foi pro exercito!

Old School disse...

Ha algum tempo atras(se nao me engano em 2003)eu li uma entrevista de Elvis Costello na Rolling Stone onde ele disse(e eu concordo)q quem comecou o pos punk foi ele,pq em pleno 77 com o punk ainda pegando fogo,ele antecipou o capitulo seguinte da cena inglesa com o My Aim Is True.Portanto respeitando a opiniao alheia,meu voto vai pro grande Costellao e sua excepcional The Atracttions.Por falar no P.I.L.,alguem ai tava no Canecao em 87 naquela primeira vez deles no Brasa?Dois shows da porra!Na primeira noite o microfone falhou feio logo na abertura com "Rise".Ate hoje lembro do bumbo pulsando sozinho pra comecar "Holiday In The Sun",o lugar veio abaixo,engracado foi o Lydon gritando "don't spit,don't spit".hehehe.

cebola disse...

Braméuris: nosso oráculo!
Reafirmo: A culpa foi de Bowie!
Nei Baêa minha porra: O bom gosto de Bowie pariu A santíssima trindade Low, Heroes e Lodger. Pós-Punk-pré-pos-punk. Não adianta. isso é Phatoh.
E digo mais: O pos-punk salvou os anos 80 da mediocridade absoluta.

Franchico disse...

Bramis, como sempre, nos dá aquela aula.

Tinha me esquecido do Velvet. Se alguém antecipou a estética minimalista / desencantada do pós-punk, ainda antes de Bowie, foram eles, com cerveja.

...Preciso ler esse livro de uma vez por todas.

Franchico disse...

E Old School, Costello pode até ter sido pioneiro tb., mas acho que não dá para dizer que ele chegou a antecipar, né?

Show do PIL em SP em 87. Lembro só de ler o comentário na seção Ao Vivo da Bizz. Em termos de caráter clássico, só deve perder para o histórico e sempre lembrado show dos Bunnymen naquele mesmo ano...

Anônimo disse...

Osvaldo, representando a galera do hard rock devo concordar com vc em relação ao Black Country Communion, bandaça de medalhões, o disco tá rolando no meu player direto. Na mesma linha recomendo o Living Loud, que lançou um petardo em 2004 e está preparando outro. Coisa finíssima.

Old School disse...

No rock,todas as vezes q a gente tenta encontrar um pai pra esse ou aquele estilo,o resultado do teste de dna eh um verdadeiro milk shake de esperma.Mas em se tratando daquela nova geracao de artistas q fizeram seu debut naquele momento,enquanto o punk ainda tava dinamitando tudo q aparecia a sua frente Costello ja andava numa trilha paralela fazendo um som com elementos de pop mais forte do q o q tava rolando na cena,e seu lancamento oficial(alias data de lancamento oficial conta muito) veio antes de muita gente q tambem teve sua importancia,portanto ele tem seu lugar garantido nessa barca;agora realmente,Bowie eh Bowie.
O mesmo posso dizer do heavy metal(q foi discutido aqui outrora),a contribuicao do Sabbath foi fundamental e indispensavel,mas no Led Zep I e no album vermelho do Grand Funk(q vieram antes do disco da bruxa) o q tem ali eh metal explicito tocado de forma alta e pesada,mas quando o Mr. Iommi deu sua contribuicao,ai fudeu de vez.E nao esquecamos q o In Rock(esse sim lancado depois do BS)com o Silver Voice e sua voz britada tambem fizeram uma grande diferenca.Eu diria q depois do In Rock,ai sim tava formado o zigoto do HM.
Cebola,alem do pos punk,os anos 80 tiveram a magnifica NWOBHM,q no frigir dos ovos acaba tendo um dedo de pos punk,por mais q os xiitas e ate o proprio Harris afirmem o contrario,o Maiden inicial com Di Anno tinha um q de punk sim.E pra aqueles q nao gostam nem de pos punk nem de hard/metal,dou o xeque mate dos 80's com apenas um nome:Stevie Ray Vaughan.Nos 80's rolou muito lixo,mas muita coisa boa tambem.
Chico,eu fecho a triade brasileira de 87 com mais um:o The Cure excursionando o The Head On The Door,'crassico' ate os ossos.

osvaldo disse...

old school, o grande costello não tem nada a ver com o q se convencionou chamar de pos-punk, ele tinha mais a ver com a new wave, se falou algo do genero foi apenas uma frase de efeito dele.da uma sacada no blog do simon reynolds, o blissblog, e acessa o link chamado rip it up. é um profundo estudo sobre o pos-punk, fundamental para quem se interessa pelo tema. nao tem o fantastico declan mcnamus na parada nao.

Old School disse...

Oswaldo,acho q eu empreguei o termo pos punk de uma maneira errada,ou seja,todos os tipos de sons q vieram logo apos o punk,e q de alguma forma teve alguma influencia do punk,nem q seja uma influencia do boom mercadologico q o punk proporcionou na epoca.Mas valeu a dica,vou dar um saque no blog do Reynolds.1 abraco.

Old School disse...

Muito bom texto,bem esclarescedor.Alias,otimo blog!Realmente o pos punk eh algo bem mais restrito q o 'apos punk'.
Sobre o Bonamassa,ele eh um dos caras a q ainda faz a gente acreditar no rock sincero.Outro q gosto muito eh o Eric Sardinas,otima influencia de Johnny Winter e Rory Gallagher.Lance Lopez tambem eh bem legal.
E sobre os supergrupos,o grande fiasco foi o tal do Them Crooked Vultures.Eh pra se perguntar:onde John Paul Jones foi amarrar seu jegue?Ate uma volta do Zep sem o Plant seria melhor do q aquilo.

Ernesto Ribeiro disse...

Então é um DEBATE? Pois vamos lá.


Primeiro:


O PUNK NUNCA MORREU.


Essa mentira da "morte agonizante do punk rock" foi outra HISTERIA da mídia prostituta / caixa de ressonânica do Sistema.


Se fosse verdade, me explica essa contradição: o morto mais vivo e violento da História da Música, na mutação para o Grunge Rock.



(uau, eu queria que o Rockabilly fosse um morto assim!...)


O punk só se fingiu de morto pra assaltar o coveiro.

E matá-lo a correntadas.



Segundo:


DAVID BOWIE NUNCA INVENTOU NADA: ele mesmo admitiu que tudo que fez foi pescar as tendências do UNDERGROUND --- ANTES que o Mainstream descobrisse.


Glam / Glitter. Techno alemão. Gótico. Jungle. Punk (dos Stooges). Pós-Punk (do Public Imgae, Joy Division, Siouxsie, etc etc etc...)



Discotéque "na época em que isso era coisa só de bichas, crioulos e cucarachas" como disse um jornalista brazuca.



Filhinhos, isso não é INVENTAR. Nem muito menos ANTECIPAR.


Com a palavra, o Camaleão:


David Bowie:

"Eu sou apenas uma máquina de xerox."

Ernesto Ribeiro disse...

Terceiro:


Se o punk morreu em 78, então algum 'entendido' me explique QUE PORRA QUE É O HARDCORE????


E no Brasil, o nascimento a fórceps da Cena Rocker Baiana com Punk do Camisa de Venus.


Tudo isso que definiu os anos 80 foi coisa de morto, caceta?


Ramones por mais duas décadas. Dead Kennedys. Exploited. Rattus. Die Toten Hosen. Skate Punk. Surf Punk. Bubblegum. Offspring. Punk na China, Brasil, Finlândia, Alemanha, Rússia. Riot Grrls. Coletivo Feminista Pussy Riot. São o quê, fantasmas?



Puta que pariu, esse 'atestado de óbito do punk' foi a mentira mais mal-contada da História da música.



PS: Ainda Bowie. Ele se reinventou como artista e estourou de vez nas paradas ao adotar o visual travesti Glamour / Glitter dos New York Dolls, depois de assistir um show deles em NY em 1971, na época do Teatro do Absurdo da Cena dos travestis descritos por Lou Reed, quando a peça PORK foi a Londres.


Fato. Comprovado. Indiscutível.


Os registros da própria imprensa da época comprovam isso.


Mais? Música Techno (do alemão Kraftwerk, que ele já ouvia em 76.) Ele só popularizou isso pela língua inglesa.


Só falta dizer que foi tia Bowie que inventou o Psychobilly antes dos Cramps e inventou o Grunge com Thin Machine em 1989 antes dos Melvins em 1985.


Certas coisas só brasileiro engole mesmo...