terça-feira, maio 18, 2010

HARD ROCK LINHA COBRA BRANCA



O rock ortodoxo, aquele que usa calças justas de couro e tem sua base no rhythm & blues pesadão de bandas como Led Zeppelin, Deep Purple e Whitesnake, parece estar em alta na Bahia. Além da temporada de Paulinho Oliveira aos sábados no Teatro Sitorne, nesta sexta-feira a banda IV de Marte (em foto de Victor Kaupatez) lança seu primeiro álbum no Irish Pub.

Liderada pelos irmãos Cristiano (vocais) e Marcos Brandão (guitarra), a IV de Marte conta ainda com Arodir (baixo) e Cristiano Silva (bateria). O CD auto-intitulado, gravado e produzido por eles mesmos no Estúdio Jazz Café, traz ainda a participação do tecladista Gilberto Cabral fazendo as vezes de Jon Lord (tecladista do Deep Purple).

“Somos uma banda de rock ‘n‘ roll clássico, só que moderno, por estarmos na era digital. Temos bastante influência dos anos 70, é verdade. Mas nossa proposta é mostrar nossa verdade mesmo“, define Marcos.

“Como eram quatro membros na banda e o pessoal sempre perguntava de onde somos, a gente brincava, dizendo que éramos de outro planeta“, ri Marcos. Foi daí que, de Mato Seco (antigo nome da banda), eles se tornaram os IV de Marte. “Mas na verdade, somos do bairro do Cabula“, conta.

Bom e velho rock ‘n‘ roll

Na ativa desde 2001, os irmãos Brandão já tiveram várias formações diferentes e tocaram em vários locais da cidade.

“Já fizemos show com Cascadura, Dead Fish, tocamos no Motofest, no Palco do Rock, no Pelourinho, nos bares do Rio Vermelho, na Barra. E quer saber? Nesse momento, não tem nenhuma outra banda fazendo o som que a gente faz“, garante o guitarrista.

Com um vocalista de gogó poderoso, bons riffs e algumas levadas dançantes, a IV de Marte deve agradar bastante aos fãs do bom e velho rock ‘n‘ roll.

O CD demonstra uma banda de bom potencial, mas que, em estúdio, se ressentiu da falta de um produtor mais capacitado. É de se pensar o que essas figuras poderiam render nas mãos de profissionais como Tadeu Mascarenhas ou andré t.

Lançamento do Cd da IV de Marte / participação das bandas Faro & Os Vagabundos Iluminados e Voltrox / Dubliner‘s Irish Pub (Porto da Barra) / Sexta, 21 de maio, a partir das 19 horas / R$ 10

Ouça: http://www.myspace.com/ivdemarte


NUETAS

Capitão a bordo

Retirada da cena há quase um ano, a banda de surf music e rock ‘n‘ roll Capitão Parafina & Os Haoles retorna aos palcos da cidade nesta sexta-feira, no Groove Bar, ao lado do louquíssimo Vandex, que lança seu primeiro CD solo. Um dos shows mais divertidos da cidade, o Capitão Parafina é também uma das bandas prediletas desta coluna. Salve, Capitão! É bom tê-lo a bordo novamente. Sexta, 22 horas, R$ 20 na lista do Groove no Orkut.

Nucleador na área

Esta é para os fortes. Também nesta sexta-feira, só que em Simões Filho, as bandas Nucleador (de Sergipe), Mácula e Homem Meteoro prometem detonar os tímpanos da rapaziada que comparecer no Denis Bar (final de linha da Pitanguinha Velha, perto do CEFET). Hardcore na veia, sem frescura. A partir das 19 horas, por R$ 5.

22 comentários:

Anônimo disse...

como fazer para comprar??????

Franchico disse...

Das duas, uma:

ou vc vai no show e compra lá

ou entra em contato: marcosjazcafe@hotmail.com

Buena suerte!

cebola disse...

Esc is BACK!

Franchico disse...

Tirem as crianças da sala!

Anônimo disse...

na verdade, são bandas simples como essa aí (se não me engano vi esse vocalista numa banda cover de purple no campus da ufba há 3 anos) que dão aquela vontade de ir a um show, tomar todas e, enfim, se entreter com os amigos...apesar de gostar do rock pra lá de cabeça de um messias (amigo e guru), o que nos leva mesmo a viver, morrer e renascer (ops!) num mesmo segundo é um bom hard rock selvagem (longe de concessões comerciais e apegado à inventividade)....espero que seja o caso, será?!
claro que eu estou falando por mim...
cláudio moreira

Mirdad disse...

E sexta agora (21) tem o caro Nei Bahia na Educadora FM 107,5, às 18h, apresentando um Especial das Seis do grande bluesman texano Johnny Winter. Imperdível!

marciorocks disse...

Por que o anonimato CEBOLA? Sei que não é só Forastieri que não gosta de DIO... (no post anterior)
Afinal, gosto é que nem c*... rsrsrs...

Luiz F. disse...

http://welcometothejungles.blogspot.com/
Novo blog de Rock (queen, guns, Dio,show do Roger no Brasil e muito mais pra curtirem)
vlw Luiz
http://welcometothejungles.blogspot.com/

claudio disse...

quem quiser conhecer mais sobre a novíssima banda faro e os vagabundos iluminados tem uma entrevista na martelo...
acredito que talento se capta de início longe de modismo que infesta até a cena alternativa...grande faro!!!!!!
http://www.omartelo.com/omartelo16/entrevista1.html
cláudio moreira

claudio disse...

van halen tocando rainbow...esse é o rock pesado no seu melhor!
http://whiplash.net/materias/news_863/108039-dio.html
e os moderninhos de plantão chamam isso de cafonice...coitados!!!
cláudio moreira

Franchico disse...

Ei, isso vai ser bom, hein?

http://www.omelete.com.br/musica/martin-scorsese-finaliza-documentario-sobre-george-harrison/

teclas pretas disse...

VAI. falar nisso, esse disco de harrison, "living in the material world", é excelente!

http://www.youtube.com/watch?v=5vXZPztcGaY

GLAUBER

marciorocks disse...

Gostei do Van Halen tocando DIO, Cráudio, e ainda tem uma porção de matérias de músicos famosos homenageando ele nesse mesmo link do Whiplash. Emocionante...

Em relação ao documentário de Scorcese, é uma pena, mas acho que pra variar nós, pobres mortais daqui, jamais o assistiremos no cinema. Tá bom, compro o dvd mesmo...

gabriel disse...

solos com pentatônica: um dos pilares do rock and roll. boa banda.

cebola disse...

Não, não fui eu quem botou esse anonimo de Forasta. Conheci o texto POR CAUSA deste anonimo. Pronto. Agora virou o caçador de anonimos indefesos, foi?

Faro disse...

Seria pretensão da minha parte em falar bem do som de minha banda e confirmar tudo o que claudio falou? acho que não.

Esperamos todos vcs lá, vc verão a furia de um rock cru da banda faro e os vagabundos iluminados e o hard rock de primeira qualidade da IV DE MARTE, TODOS OS ELEMENTOS contidos nessas bandas que sempre fizeram a cabeça da galera. confiram ai myspace.com/bandafvi.
Claudio seu sacana tô lhe esperando lá.

teclas pretas disse...

quem aqui viu CRAZY HEART com jeff bridges? fora a atuação impecável, o cara canta! ói que beleza, BRAND NEW ANGEL:

http://www.youtube.com/watch?v=pi4Oi3ovu5w&feature=PlayList&p=76CC3705C0CAC7CB&playnext_from=PL&playnext=1&index=29

essa, queria ter feito...
GLAUBER

Franchico disse...

O jornalista aqui quase virou notícia ontem. Estava no caminho de casa (não o bar), no ônibus, sentado ao lado de uma senhora de meia idade que estava à janela. Por volta das 17 horas, o ônibus, de número 3596, da empresa BTU, para no ponto, bem no meio da AV. Paulo VI. De onde estava, vi o motorista fazendo sinal de negativo para alguém do lado de fora. Nem me toquei. Mais alguns segundos e o ônibus começa a se movimentar. A partir daqui, tudo ocorreu naquela fração de segundo que parece se estender no tempo, com várias ações em sequencia: a senhora do meu lado se moveu bruscamente, no sentido de se abaixar. No que ela se abaixou, vi pela janela alguém na rua fazendo menção de arremessar alguma coisa contra o ônibus - bem em nossa direção. Instintivamente, me movi também, me abaixando e quase caindo do assento. Só ouvi um estrondo. Senti pequenos fragmentos - não sei de que - batendo no meu rosto. Quando me levantei, assustado, passando a mão por todo meu rosto e cabeça para ver se tinha sangue, me deparei com um paralelepípedo do tamanho de um telefone (não o celular, um fixo), pousado no assento onde um segundo antes estava sentado. O vagabundo que teve a carona recusada resolveu se vingar, agredindo aleatoriamente qualquer pessoa que estivesse dentro do ônibus. Nossa sorte - minha e da senhora que estava na janela - é que o animal é tão inútil que nem para atirar pedra ele serve. O pedregulho bateu no ferro, na base da janela e foi pousar no meu assento. A senhora poderia ter morrido. Eu poderia ter morrido - ou poderíamos ter ficado inválidos, ou cegos. A pedra poderia ter atingido um idoso, um bebê, uma mãe (ou pai) de família. As consequencias poderiam ter sido inúmeras - e todas trágicas. Nesse momento, ainda meio chocado pela agressão brutal e gratuita (eu poderia estar no HGE agora), não me envergonho em confessar que tive vontade de mandar parar o ônibus, descer com a pedra na mão e incitar o linchamento do vagabundo. Não me envergonho em explicitar esse sentimento demasiado humano - o rancor - e confessar que desejo, do fundo do meu coração, uma morte lenta e dolorosa debaixo das rodas de um caminhão para esse bicho selvagem em forma de gente. Felizmente, antes que pudesse ter qualquer reação, o motorista, que não se abalou nem um pouco com tudo o que aconteceu, arrancou e foi embora. Não vi o rosto do meu agressor. Salvador se tornou uma selva repleta de feras prontas a atacar qualquer momento. A pergunta que fica é: me torno uma fera também? Compro uma arma para me defender? Me mudo desse lixo de cidade? Para onde? Existe lugar seguro? Sabemos que não. Ou me conformo e aguardo pacientemente minha vez de ser assaltado, agredido e morto? Até quando para chamarem minha senha? Hoje em dia, parece questão de tempo até sermos todos atingidos pela violência desenfreada que tomou conta desse provinciazinha de última categoria. Desculpem pelo longo depoimento - aos que tiveram interesse e paciência de ler até aqui.

Franchico disse...

Prest'enção, meu povo:


Projeto Conexão Vivo na Sala do Coro abre edital para artistas da Bahia


Artistas baianos já podem se inscrever para o edital Conexão Vivo na Sala do Coro, projeto regional de música que integra a plataforma nacional do programa Conexão Vivo 2010. Os selecionados farão parte de uma série de shows na Sala do Coro do Teatro Castro Alves (TCA), de julho a novembro deste ano. As inscrições podem ser feitas pelo site

www.conexaovivo.com.br

marciorocks disse...

Mas que merda, Chicaço! Isso, infelizmente, é obra do acaso mesmo... veja meu exemplo: pego ônibus desde guri, desde a era da VIBEMSA, IPITANGA, entre outros, continuo fazendo uso deste medonho e ultrapassadíssimo meio de transporte de nossa alegre, risonha, festiva e atrasadíssima cidade, já passei por muita bocada, incluindo Valéria/Palestina pra levar currículo e veja só... nunca, mas nunca mesmo, nem menção de uma bolinha de gude foi atentada contra o meu coletivo...

marciorocks disse...

Bem, realmente estranhei logo você escrevendo anônimo... não é do seu feitio a covardia...
Mas eu achei isso por causa daquele link que vc me enviou no chat do gmail, lembra? Whatever, sorry, forget about...

Mirdad disse...

Velho, santo ferro, lá ele! Hj à noite é bom brindar em sua homenagem. Agora, não tenha vergonha não. Rancor é o q nos alimenta. Esse FDP tinha q se fuder mesmo. Agora, não se desespere; todos já sabemos q a senha já está nas mãos de quem deve desde q fomos paridos nessa bosta de manifestação terrena.
Fico feliz pelo ferro (lá ele). Vc é um cara necessário por aqui, por diversas contribuições, desde profissionais até risadísticas numa balada Kiss. O foda é q a minoria q morre não faz falta alguma.
Abs forte, meu amigo. O importante é não paranoizar as coisas.