sexta-feira, abril 20, 2007

NÃO&PROLIFERAÇÃO MANTÉM ACESA CHAMA PUNK ROCK

A Não&Proliferação, que faz punk '77 legítimo, toca amanhã

Como disse o poeta, as notícias sobre sua morte foram um tanto exageradas, pois o punk rock vive na periferia. A banda Não&Proliferação mantém viva a tradição do punk '77 em show amanhã, no Galpão das Artes no bairro do São Caetano, com participação da banda convidada Confusão, mais afeita à mistura de ritmos à Chico Science.

Para quem estranhou o nome, Não&Proliferação eram duas bandas diferentes, cada uma com uma metade do nome atual. A Proliferação surgiu no longínquo ano de 1984, em plena agitação da ascensão do Camisa de Vênus, fundada pelo artista plástico Eduardo Tadeu, um dos primeiros grafiteiros surgidos naquela época.

"Eu tocava na Revolta Suburbana, que era outra banda punk, e só entrei na Proliferação em 88. Como ela só tocava de caju em caju, criei outra banda, a Não, no início dos anos 90", conta Carlos Alberto, vocalista e guitarrista.

Eduardo Tadeu faleceu em 1996 e Dinho, baixista da Não (e também da Bosta Rala), também morreu pouco depois, durante uma infame batida policial na Gamboa de Baixo (Avenida Contorno), na qual faleceu ainda Morcego, que também era da Bosta.

Somente em 2005, após alguns shows esparsos, os remanescentes das duas bandas resolveram se juntar na Não&Proliferação. "A gente sempre teve essa vontade, mas não tinha muito tempo", conta Carlos, que é técnico em Eletro-eletrônica formado pelo SENAI e trabalha numa empresa que presta serviço para a fábrica da Ford.

Carlos, mais o baixista Henrique Simões e o baterista Dielson Portella gravaram então seu primeiro CD, Mordendo e Dando Coice, em apenas seis horas da sexta-feira de Carnaval de 2006 no Estúdio Clã, da Baixa do Bonfim. O disco apresenta 12 petardos punk cheios de contestação e ironia, na linha do Camisa dos primórdios, e poderá ser adquirido no local do show por apenas R$3.

No show de amanhã, o pessoal da N&P caprichou na produção, garantindo som de qualidade e um cenário composto por obras de artistas plásticos do bairro de São Caetano, como J.C. Barreto, Devarnier, Mendes e do falecido Eduardo Tadeu. Haverá ainda uma performance da artista plástica Vânia Lima.

Não&Proliferação e Confusão Show no Galpão das Artes (Rua Mário Lisboa Sampaio s/n, São Caetano, ao lado do Bompreço) R$ 3 e R$6 (com CD da Não&Proliferação) Sábado 16h

Matéria publicada no jornal A Tarde de 20 de abril de 2007. Texto sem a edição do jornal.

8 comentários:

Franchico disse...

Esse negócio de "manter acesa a chama", além de um clichê de merda, parece coisa de chincheiro!

Coisas feitas na pressa...

Franchico disse...

Sim, e o Air vem pro Tim Festival. O link tá nos comments do texto das micro-resenhas abaixo.

Yara Vasku disse...

Já tô lá!

cebola disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
marcos rodrigues disse...

Orchestral Manouvres in the Dark
"Architecture and Morality", 18 anos depois.
http://pocketradio.podomatic.com

miwky disse...

atrações sondadas para o sua nota é um show:

orquestra imperial (acho que não rola)
retrofoguetes (ai depende da banda)
ronei jorge e os ladróes de bicicleta (idem anterior)
vinil 69 (acho que não vai rolar)

cebola disse...

depois da calmaria, vem aí tempestade sônica:
www.fotolog.com/bandaberlinda

cebola disse...

E, de volta também, de forma estraaaaanha...www.oculosdecebola.blogspot.com. Não se preocupem, rock ainda será a pauta básica mas, enquanto isso, vão lá pixar, esculhambar, rir, ignorar, qualquer coisa é válida.

Por fim, post novo tb em www.bandaberlinda.blogspot.com. No blog da berlinda agora, atualizaremos com letras, cifras, novidades, bastidores, notícias do estúdio, onde gravaremos nosso ep, e mais, muito mais.

No fotolog, como já comentado antes, atualizaremos sempre que imagens ou fatos novos o justifiquem: www.fotolog.com/bandaberlinda

Chiquério, desculpa aí essa invasão com fins escusos, depois a gente acerta a pontinha, valéuris??