sábado, setembro 10, 2016

MICRO-RESENHAS DE ANTEONTEM É O QUE TEMOS PARA HOJE

Stoner do sertão

A banda feirense Novelta estreia com bom EP de seis faixas praticando stoner rock com tudo o que se espera do gênero: riffs graves e levadas velozes. Soam melhor ao se concentrar na canção, como em Santa Poeira e Ancorado. Novelta / Quintais Abertos / Brechó - Big Bross / Baixe: www.novelta.com.br 







Vamos por partes

Na Nova York de 1895, Carver Young, um jovem detetive de polícia, se empenha na caçada a um serial killer que está apavorando a cidade – e acaba por se revelar um velho conhecido dos jornais ingleses. Aventura policial e investigação no estilo steampunk (retrofuturista). Jack, o Estripador em Nova York / Stefan Petrucha / Vestígio / 288 p. / R$ 34,90







Anatomia de uma ditadura

Finalmente, um estudo sério sobre a revolução socialista norte-coreana, o chamado socialismo Zuche, cujas origens remontam à antiguidade. Só que nem toda a seriedade acadêmica do planeta  justifica um ditador que mata o próprio povo de fome e manda fuzilar ministros que dormem durante seus discursos. A Revolução Coreana / H. H. Melchionna, A. D. Pereira e P. F. Visentini / Editora Unesp / 200 p. / R$ 25






Romano poeta

Um dos grandes intelectuais brasileiros vivos, Sant’Anna reúne aqui poemas de seus três livros mais recentes: Vestígios (2005), O homem e sua sombra (2006) e Sísifo desce a montanha (2011). Oscilando de tom entre o épico e o íntimo, oferece ao leitor a obra de um grande artista maduro. Poesia Reunida, Vol. 3: 2005-2011/ Affonso Romano de Sant’Anna / L&PM/ 240 p. / R$ 19,90







Todo mundo, galera: D-d-d-dance with the devil!!!

Sensacional estreia em álbum cheio da banda local Lo Han, que pratica rock estilo clássico linha Deep Purple e Whitesnake. Sim, é difícil não soar como mais do mesmo nessa seara, mas os meninos se saíram com uma dignidade (e peso) impressionantes. Lo Han / Get High / Star Blues / R$ 20







Força na peruca

No décimo álbum de sua carreira, a irlandesa Sinead O’Connor manda ver bonito em uma coleção de doze canções pop rock – com ênfase no rock, baseadas em riffs bacanas de guitarra e no seu cantar meio falado, como na empolgante The Voice of My Doctor. Sinead O’Connor / I’m Not Bossy, I’m the Boss / Lab 344 / R$ 29,90






Divindades mínimas

O autor de fantasia e satirista inglês Terry Pratchett, morto no início do ano, ambientava todas as suas obras em um universo próprio: o Discworld, um mundo achatado equilibrado sobre as costas de quatro elefantes. Em Pequenos Deuses, uma sátira sobre  religiões instituídas. Intrigante e divertido. Pequenos deuses / Terry Pratchett / Bertrand Brasil / 308 p. / R$ 38







O espírito punk de Washington

Clássico da historiografia do movimento punk, Dance of Days é a narrativa definitiva da fértil cena de Washington DC, de bandas como Bad Brains, Bikini Kill, Fugazi e Black Flag. Além das bandas, mostra o comprometimento social pelo ativismo. Exemplar. Dance of Days: duas décadas de punk na capital dos EUA / Mark Andersen e Mark Jenkins / Ideal / 520 p. / R$ 59,90






Tchékov viaja...

Primeira narrativa longa de Tchékov (1860-1904), A Estepe, de 1888, conta a jornada de um menino viajando pelas estepes russas com destino a cidade onde irá estudar. Pelo caminho,  encontra nobres e plebeus, cossacos, mujiques e judeus. Um retrato sutil da sociedade czarista. A Estepe (História de uma viagem) / Anton Tchekhov / Penguin - Cia. Das Letras / 144 p. / R$ 24,90







Rock triste cearense

O duo cearense Banana Scrait (Andrea Agda, cantora e o multi-instrumentista Daniel Arruda) é tipo o Dois Em Um de Fortaleza: música suave, de acento bossa indie folk. Ficam melhores quanto mais tristes, como em Walk e All About You. Bonito. Banana Scrait / Voo / Independente / R$ 10







Judas antes da traição

Clássico de 1984, relançado em edição tripla de luxo: LP original no disco 1 e show completo nos discos 2 e 3. Último momento de brilho antes de derrapar no comercialismo, traz os hits Love Bites, Jawbreaker e Freewheel Burning. Judas Priest / Defenders of the Faith / Sony Music / R$ 49,90







Darth Vader e seus filhinhos

Surfando na onda Star Wars, que retorna com filme inédito no fim do ano, a Aleph lançou os livros de humor Darth Vader e Filho e A Princesinha de Vader, de Jeffrey Brown, que mostram o dia a dia agitado da família Skywalker. Darth Vader e Filho e A Princesinha de Vader / Jeffrey Brown / Aleph / 64 pgs. / R$ 29,90 cada







Quem vem lá?

Em 2016, cientistas detectam um corpo celeste desconhecido se aproximando da Terra. Estados Unidos e a coalizão Rússia-Índia-Brasil iniciam corrida espacial para investigar. Primeiro volume (de 4) desta saga de FC escrita a quatro mãos por Cassutt e Goyer, roteirista da trilogia do Batman de Christopher Nolan. Sombra do paraíso / David S. Goyer e Michael Cassutt / Aleph / 456 p. / R$ 39,90






Toc toc. Quem é?

Autor de O menino do pijama listrado, John Boyne cria aqui uma homenagem às clássicas histórias de fantasmas. Na trama,  professora em má situação financeira se emprega de governanta em uma mansão afastada onde vivem duas crianças. Logo, coisas estranhas começam a acontecer. A casa assombrada / John Boyne / Companhia das Letras/ 296 p./ R$ 39,90/ E-book: R$ 27,90






Quem morre, quem vive, quem se fode

Um dos grandes autores britânicos vivos, Martin Amis (do demolidor Lionel Asbo) volta sua verve ao campo de Auschwitz. No setor de triagem, onde  judeus eram selecionados para trabalhar ou morrer, ele cria uma narrativa em três vozes sobre a famosa “banalidade do mal” delineada por Hannah Arendt. Zona de interesse / Martin Amis / Companhia das Letras / 392 p. / R$ 54,90 / E-book: R$ 37,90






Reggae master local

Revelado na comunidade da Rocinha (Pelô), o reggaeman Alumínio finalmente solta o CD físico de Eu Sou o Barro. O esquema é reggae roots de responsa. O chacundum fica a cargo de uma banda de feras. Ouça na paz de Jah. Alumínio / Eu Sou o Barro / Independente / R$ 25 / Vendas: Pérola Negra







Zumbis brasucas

No terceiro volume da série de zumbis brasileira  As Crônicas dos Mortos, o autor Rodrigo de Oliveira dá uma guinada na trama com o surgimento de uma mulher com dons extraordinários que, após ser infectada, se torna uma espécie de Anticristo. Muita ação, vísceras e suspense. Senhora Dos Mortos / Rodrigo Oliveira / Faro Editorial/ 280 p./ R$ 34,90 / E-book: R$ 19,90







Gene só pensa em money money money

Além do rock, o som que Gene Simmons, o linguarudo do Kiss, mais ama na vida é o tilintar das caixas registradoras. Neste livro, o israelense de nascença, filho de húngaros sobreviventes dos campos de extermínio, lista “treze princípios para chegar no topo. No topo de uma montanha de dinheiro”. Acredita quem quer. Eu, S.A. / Gene Simmons / Fábrica 231 / 256 p. / R$ 29,50 / E-book: R$ 19






A primeira vez ninguém esquece

Nesta coletânea de HQs eróticas, a  escritora francesa Sibylline imagina (ou relata?) diversas primeiras vezes: o primeiro suíngue, o primeiro consolo, o primeiro encontro lésbico etc. Cada conto tem um desenhista diferente, emprestando dinamismo à narrativa sensual. Desenhos explícitos, não é para menores. Primeiras vezes / Sibylline e vários artistas / Nemo/ 112 p. / R$ 39,90






Ataulfo hipster

Lançado em vinil, este LP da banda mineira instrumental Dibigode é tributo a Ataulfo Alves em pegada jazzy  / afro beat / samba bossa. Gravado em Minneapolis (EUA), tem participação de Dona Jandira em Na Cadência do Samba. Arranjos apurados. Dibigode / Garnizé / Natura - Vynil Land / R$ 65







Cantando pelo nariz

Sangue novo do (bom) rock inglês, Jake Bugg mostra neste DVD ao vivo que chegou para ficar em uma performance cheia de energia. A voz anasalada é estranha de início, mas depois acostuma. Participações de Johnny Marr e Michael Kiwanuka. Jake Bugg / Live At The Royal Albert Hall / Universal Music / R$ 35,90







Fazendo rir desde o Língua de Trapo

Cronista de veículos tão díspares como O Estado de S. Paulo, Caros Amigos e Playboy, Carlos Castelo demonstra nesta coletânea o humor nonsense e afiado que já fazia a alegria dos fãs de sua banda, Língua de Trapo. Entre os destaques, O suicídio do bicho-grilo e Eduardo e Mônica: Muitos Anos Depois. Clássicos de Mim Mesmo / Carlos Castelo / Matrix / 232 p. / R$ 43







Ascenção & queda

Steven Adler, o sorridente baterista original do Guns ‘n’ Roses, conta aqui sua versão do início da banda, desde a fundação, passando pela gravação dos dois primeiros discos, até sua derrocada pelo vício em heroína e subsequente demissão. Divertido –  para os fãs. Meu apetite por destruição: Sexo, Drogas e Guns N’ Roses / Steven Adler e L. J. Spagnola / Ideal/ 304 p./ R$ 44,90






Calma gente, o cadáver nem esfriou

Excelente HQ francesa que recria os momentos imediatamente antes e depois da morte do sanguinário ditador Josef Stalin (1878-1953). Com um certo humor sutil, os autores recriam o clima de paranoia da União Soviética e a luta pela sucessão  entre Nikita Kruchev e Lavrenti Béria. A Morte de Stálin: Uma História Soviética Real / Fabien Nury, Thierry Robin / Três Estrelas/ 152 p./ R$ 49,90

6 comentários:

Victor A. disse...

Curioso pra ler esse Dance of Days. Com a reunião dos Misfits, acabei vendo uma entrevista do Jerry Only pra MTV Brasil nos 90 em que ele diz que o punk americano diferia do britânico principalmente por essa questão social (que não havia nos americanos), então o punk americano seria mais "inventivo" (tsc) por não ter questões sociais. Daí lembrei do Dead Kennedys que são meio contemporâneos dos Misfits e dessas bandas da região de Washington DC, do pessoal da Califórnia (Social Distortion, Bad Religion), que mesmo sendo uma "segunda onda" do punk americano, todas tinham questões sociais por tema.

Franchico disse...

Victor, punk sem questão social vira emo. Jerry Only viajou. Normal, são as dogras....

Adelvan disse...

Valeu, me interessei por esse livro sobre a Coréia do norte - essa esfinge. Concordo contigo que pode até explicar, mas nunca justificar. O regime coreano é bizarro demais - mas, se me permite, recomendaria cautela quanto a essas noticias sensacionalistas tão disseminadas no ocidente. Na verdade ninguém sabe o que REALMENTE acontece por lá, a meu ver.

Sobre "A Morte de Stalin", escrevi no meu blog: http://escarronapalm.blogspot.com.br/2015/06/a-morte-de-stalin.html

Franchico disse...

Menino Adelvan, sempre um prazer ve-lo por aqui!

Sim, tem que dar um desconto pro que a mídia ocidental divulga, claro.

Mas a verdade é essa: ninguém sabe direito o que acontece na Coreia da Norte, fora alguns poucos relatos de jornalistas e artistas enviados a Pyongyang.

Vamos torcer para que algum dia esse regime bizarro caia e o país se abra para o mundo - antes que aquele moleque de cabelo ridículo meta o dedo no botão vermelho, por que aí as consequências serão imprevisíveis...

Franchico disse...

A propósito, ótima resenha!

Adelvan disse...

Valeu Chico. Vindo de ti, é um baita elogio. Em tempo: já li e recomendo dois livros sobre a Coreia do Norte: "Viva o Grande líder", do brasileiro Marcelo Abreu - relato de uma viagem dele pra lá, disfarçado como turista - e "Pyogiang" de Guy Delisle - relato em quasrinhos do tempo em que ele passou trabalhando na industria cinematografica de lá.