terça-feira, janeiro 07, 2014

ESPERANDO PELO ROCKET MAN

O verão de 2014 já é o verão do Elton John, cujo show dia 22 de fevereiro agita os fãs baianos. Ingressos à venda a partir de hoje desde ontem – on line e na Fonte Nova

Eltão.
Há cerca de um ano, o cantor Alex Góes se viu numa sinuca de bico.

Reuniu um numeroso grupo de músicos, selecionou 28 hits de Elton John e começou a ensaiar  –  bancando tudo –, para o que seria um grande show em tributo ao astro inglês, que agora se apresenta em Salvador no dia 22 de fevereiro.

“Já estávamos com metade do repertório ensaiado e eu ainda não tinha conseguido vender nem um show sequer. Nenhuma casa noturna, nenhum bar acreditou na ideia”, diz Alex.

“Entrei em contato com todas as casas de Salvador. Falei que era bacana e tal, mas ninguém comprou a ideia. Tive de abortar o tributo, por que achavam que  Salvador não tinha público para uma banda cover do Elton John. Agora eu comemoro, por que sei que eles erraram feio”, diverte-se o músico.

Com quase duas décadas de carreira independente dedicada à música pop, Alex tem em Elton John seu maior ídolo, o ideal de compositor pop perfeito.

“A influência dele no meu trabalho é total e muito natural. Ele é uma das pessoas que cito sempre, até nos meus releases. Meu instrumento é piano e teclado. Sou muito apaixonado”, diz.

Como morou nos Estados Unidos por boa parte de sua vida, Alex já teve a oportunidade de assistir a dois shows do Rocket Man por lá. “Vi em 1988, em Los Angeles e alguns anos depois, no início dos anos 1990, em Denver (capital do estado do Colorado)”, conta.

Alex Góes quis ter uma banda cover do Elton, mas...
Como já faz tanto tempo, ele não lembra detalhes, só que foi “bom demais”.

Para este, na Arena Itaipava Fonte Nova, ele planeja garantir logo seu ingresso: “Não creio que vá se esgotar, mas vou comprar   logo”.

Ele conta que esteve em um camarote no show de Ivete Sangalo em dezembro, mas que não gostou da visibilidade de lá.

“Do camarote, você fica muito afastado. Preferia ter assistido do gramado. Então acho que vai valer mais a pena ir para a pista no show do Elton John. É um show mais família, vai ser tranquilo”, aposta.



Nem Michael, nem Madonna

Irmão do guitarrista e patrono do blues baiano Álvaro Assmar, o analista de sistemas Adelmo Assmar é outro fã com presença garantida na Fonte.

“O som do Elton marca pelo grande instrumentista, cantor compositor que ele é. Você tem que apreciar quem sabe cantar e tocar tão bem. E ele sempre se apresenta com uma banda impecável”, diz Adelmo.

Ele também fala por experiência própria, já que assistiu ao show do ídolo em São Paulo: “Foi  no Estádio de Atletismo do Ibirapuera, em  meados da década de 90. A única coisa que não gostei foi que ele não tocou Skyline Pigeon e Goodbye Yellow Brick Road”, lembra.

“Em compensação, ele fechou a apresentação com Pinball Wizard. Foi maravilhoso”, elogia.

Ele conta que já tem amigos até de outras cidades se organizado para comparecer do dia 22 de fevereiro: “Tem amigos meus se movimentado para vir em caravanas de fora do estado. E só no condomínio em que eu  moro, já vi umas dez pessoas se organizando. A expectativa é a melhor possivel. Estarei à frente do palco”, garante.

Quem também já viu, recomenda e estará lá de novo é o comerciante Wilson Issa, 46, que esteve no show do ano passado em São Paulo.

“Sempre fui ligado em música e gosto de tocar piano, então Elton para mim, é referência”, conta.

Superfã do Rocket Man, ele quase se mandou para Nova Iorque só para assisti-lo. “Todo os anos ele se apresenta no Madison Square Garden. Mas aí anunciaram o show de em São Paulo, no Joquei Clube”.

Mapa da Fonte Nova para o show de EJ. Sinal de tempos ridículos: a pista é lá atrás.
“Foi muito emocionante. Aqui vale repetir a dose, que deve vir na mesma intensidade”, acredita Wilson.

Para ele, Elton pratica uma “combinação perfeita  de melodia e harmonia, músicas e letras perfeitas. Michael Jackson era genial também e  não dá para ir contra Madonna, mas pra mim Elton John é o maior nome da música pop”, conclui.

Elton John: Follow the Yellow Brick Road / 22 de fevereiro /  Itaipava Arena Fonte Nova / Camarote: R$ 750 / Cadeira Premium A: R$ 580 / Premium B: R$ 420 / Premium C: R$ 320 / Pista: R$ 100 / Cadeira Anel 1 Leste: R$ 240 / Anel 1 Oeste: R$ 240 / Anel 1 Norte: R$ 120 / Anel 2 Leste: R$ 200 /  Anel 2 Oeste: R$ 200 / Anel 2 Norte: R$ 120 / Anel 3: R$ 60 / Horário: Abertura dos portões às 20 horas. Início do show às 22 horas

Vendas: na bilheteria Sul da arena (próximo ao Dique do Tororó) das 10 às 17 horas e pelo site www.bilheteriavirtual.com.br

3 comentários:

Márcio A Martinez disse...

Que seja o grande começo de algo pra mudar aos poucos a cara de fim de mundo bárbaro que isso aqui tem...

Lá no trabalho, nenhum comentário sobre esse evento, mesmo de um bando de axezeiros que se acham "pop" e que dizem "Ah, eu gosto é de ouvir tudo, não sou radical" (arrgh!)... Ô vontade de fazer aquela rima!

Esse bando chega fica em polvorosa com umas promoções tipo "sarau do Bráu" que oferecem lá, deslumbrados e desesperados pra que eu me cadastre também, sabendo que não curto só eu pra passar o convite pra algum deles(elas). esperem deitados...

Venha com tudo Tia Elton que a gente tá fervendo!!!

osvaldo silveira jr. disse...

Qual a surpresa Marcio? Vc esqueceu que tivemos shows de Beyonce (Beyonce!), 50 Cent e Black Eyed Peas aqui? O que mudou de forma consistente? Fora quase ter quebrado a poderosa produtora de Ivete Sangalo não mudou quase nada. Configuram ações isoladas. Em alguns momentos Salvador vai abrigar shows internacionais,alguns até com bom publico como acredito que Elton John terá, mas daí SSA entrar no tal circuito internacional de shows vai ainda uma longa longa estrada no meu modo de ver. Tem todo um contexto economico e cultural nisso. Ah, pra quem acha que Elton John ta caro,e esta, da uma olhada nos preços cobrado por alguns camarotes de festas no verão baiano( não estou falando de nem do carnaval), ou até mesmo cobrado no Sarau do Brown. A produtora do show de Elton John ficaria euforica se tivesse a mesma receptividade em cobrar os altos preços dos ingressos.

Márcio A Martinez disse...

Concordo meu Bramídeo amigo! Só note que eu disse "aos poucos"... tudo bem, vou mudar: Beeeeeemmm aos poucos, é verdade... rsrs...

Realmente não dá pra se esperar muito da corja daqui não...