sexta-feira, dezembro 27, 2013

FUNDADORA DA CENA FEIRENSE, CLUBE DE PATIFES LANÇA ÓTIMO ACÚSTICO E TOCA EM SSA DIA 12

Clube de Patifes. Foto: André do Carmo
Vista nesta coluna pela última vez há quase quatro anos, a banda feirense Clube de Patifes é uma espécie de instituição  local, em torno da qual quase todas as outras bandas da cena surgem e se desenvolvem.

Com 15 anos de estrada, o trio lançou recentemente um belo álbum acústico no qual reinterpreta faixas dos seus dois discos de estúdio: Do Palco ao Balcão (2001) e Com um Pouco Mais de Alma (2010), mais inéditas.

Muito bacana, acessível e bem produzido, o Acústico Clube de Patifes está disponível para download gratuito no site do banda.

“O CD físico chega em fevereiro”, avisa Pablicio Jorge, o  Pablues, cantor e líder.

O álbum marca este momento frutífero para a banda e e a cena, e para comemorar, os Patifes fizeram um  show chiquérrimo no Museu de Arte Contemporânea (MAC) de Feira de Santana, em 30 de novembro.
 
“Foi emocionante”, conta Pablues. “A galera ficou extasiada e  depois do show foi uma festa danada com a gente”, diz.

A essa altura, a banda já soltou também o clipe da faixa Vela, dirigido por Eduardo Quintela.

“E já estamos preparando nosso quarto disco, que vai se chamar  Casa de Marimbondos e sai ainda em 2014, com produção de andré t., se tudo der certo”, adianta Pablues.

“A questão profissional da coisa está rolando. Fazemos merchandising, vendemos camisa, bottom, adesivo, o CD vem aí. Estamos querendo chegar com força no mercado musical, independente de ser rock, pop ou blues. Aonde der para tocar, vamos chegar e fazer bonito”, garante o músico.

Em Salvador no dia 12

Com participações de Fábio Cascadura (Buscando o Sol), Julio Caldas (Vela), Rafael Luz (banjo, Mulher de Repente) e Rogério Ferrer (acordeon, teclados), entre outros, o Acústico também marca essa virada dos Patifes, em busca de dialogar com um público mais amplo.

“O estilo é importante para se posicionar no mercado, mas quando você ganha maturidade, é mais importante tentar agradar ao público”, acredita.

“Aqui não tem mais menino de interior que faz um sonzinho. Não. A galera de cenas como Feira, Camaçari e Cruz da Almas está profissa e pode assumir qualquer palco Brasil afora”, reivindica Pablues.

“No dia 12 de janeiro estaremos aí em Salvador para tocar com Cascadura no Pelourinho. Apareçam”, convida.

Ouça, baixe: www.clubedepatifes.com.br


2 comentários:

Franchico disse...

Frank Miller, o grande mala dos quadrinhos - mais do que Alan Moore, já que, pelo menos, o barbudão continua genial. Já Miller assumiu de vez suas tendências rednecks (que já estavam lá desde O Cavaleiro das Trevas, mas éramos muito crianças nos anos 80 para perceber) e abriu mão da sua genialidade. Por isso, adoro quando sacaneiam com ele assim:

http://www.bleedingcool.com/2013/12/26/parodying-frank-millers-cover-to-detective-comics-27/

Franchico disse...

O primeiro melhor disco de 2014:

http://newalbumreleases.net/61621/drive-by-truckers-english-oceans-2014/