sexta-feira, julho 11, 2008

ROCK WERCHTER 2008: FOTOS E RELATO POR GREICE SCHNEIDER

Nossa companheira e rockloquista honorária Greice Schneider, atualmente residente na Bélgica, também estava lá no Rock Werchter Festival 2008 com Bramis, Messias, Cris e Josh. E nos enviou um link para seu cantinho no Flickr onde postou suas fotos do evento. Vejam três abaixo e depois confiram mais, lá mesmo, no Flickr:

http://www.flickr.com/photos/diga-xis/sets/72157605967963465/

Nossos heróis Osvaldo Braminha Silveira e Messias Sunga de Crochê Bandeira curtem um chuvisco entre um show e outro, enquanto se ambientam no local...

No stand da Coca-Cola, mulheres louras, altas e voluptuosas faziam massagem nos cansados festivos para a alegria dos marmanjos de todas as idades...

No verão belga, os doidões voam para Werchter. Mesmo que o tempo não esteja lá essas coisas...

FALA, GREICE!

Não deu pra tirar fotos dos shows porque o palco ficava longe e a gente não podia entrar com câmeras decentes. mas no site do festival tem várias fotos e videos bem bacanas.

O que mais me impressionou no werchter foi a organização de tudo. nunca esperamos mais de 8 minutos por um dos ônibus do festival (e geralmente dava pra ir sentado). Cogitei ir acampar por lá (as festinhas no camping são astral), mas era tão fácil e tranquilo voltar pra Leuven, que nem me dei ao trabalho.

A cerveja e rango não tinham preços astronômicos, comparados com outros festivais. E além da trash food, dava pra fazer o saudável e comer frutas e saladas, ou fazer o esnobe e comer escargot com vinho francês. Quem não tivesse grana pra beber, podia catar 20 copos descartaveis e trocar por uma cerveja. Banheiros e barracas praticamente sem fila.

Mesmo com 80 mil pessoas, deu pra ver o show do Radiohead praticamente da frente do palco sem confusão. Não vi uma briga. Crowd surfing era proibido por motivos de segurança. Os seguranças, aliás, eram os maiores figuras. Além de tirar as pessoas do aperto quando alguém passava mal ou queria sair, eles também tomavam conta das nossas mochilas e cantavam junto nos shows.

Ah, e o som da maioria dos shows estava incrível (a exceção foi do REM) e os telões de transmissao dos shows são gigantes e com uma resolução altíssima.

E o lugar é lindo, verdinho, arborizado. Cinco estrelas pro Rock Werchter.

4 comentários:

Franchico disse...

Se bem que, olhando uma segunda vez, essa loura alta voluptuosa tá parecendo mesmo é um traveco...

Greice disse...

risos. parece mesmo.
não deu pra tirar fotos dos shows porque o palco ficava longe e a gente não podia entrar com câmeras decentes. mas no site do festival tem várias fotos e videos bem bacanas.

o que mais me impressionou no werchter foi a organização de tudo. nunca esperamos mais de 8 minutos por um dos ônibus do festival (e geralmente dava pra ir sentado). Cogitei ir acampar por lá (as festinhas no camping são astral), mas era tão fácil e tranquilo voltar pra Leuven, que nem me dei ao trabalho.

A cerveja e rango não tinham preços astronômicos, comparados com outros festivais. E além da trash food, dava pra fazer o saudável e comer frutas e saladas, ou fazer o esnobe e comer escargot com vinho francês. Quem não tivesse grana pra beber, podia catar 20 copos descartaveis e trocar por uma cerveja. Banheiros e barracas praticamente sem fila.

Mesmo com 80 mil pessoas, deu pra ver o show do Radiohead praticamente da frente do palco sem confusão. Não vi uma briga. Crowd surfing era proibido por motivos de segurança. Os seguranças, aliás, eram os maiores figuras. Além de tirar as pessoas do aperto quando alguém passava mal ou queria sair, eles também tomavam conta das nossas mochilas e cantavam junto nos shows.

Ah, e o som da maioria dos shows estava incrível (a exceção foi do REM) e os telões de transmissao dos shows são gigantes e com uma resolução altíssima.

E o lugar é lindo, verdinho, arborizado. Cinco estrelas pro Rock Werchter.

osvaldo disse...

salve graceland, ainda tinha um festival chamado it's not only rock'n'roll baby! de musica e artes plasticas. algumas atrações: Alan Vega, Antony (Antony and the Johnsons), ianca Casady (CocoRosie), Brian Eno, Chicks on speed, David Byrne, Devendra Banhart, Fischerspooner, Laurie Anderson, Lou Reed, Miss Kittin, Nick Zinner (Yeah Yeah Yeah's), Patti Smith, Pete Doherty, The Kills, The Residents and Yoko Ono,no mesmo sitio no fim de semana seguinte e quem tinha a pulseira do festival tinha acesso gratuito. fora os outros festivais e turnes anunciados por cartazes espalhados por todo o festival. da vontade sim de ficar uma bela temporada. inveja graceland.

osvaldo disse...

o festival it's not only rock'n'roll baby, pelo que entendi é intinerante, estava em bruxellas e ia para werchter, e varios dos artistas citados como lou reed e laurie anderson, não fazem shows, estão presentes através de pinturas ou instalações artisticas. se estiver errado me corrija greice.