sábado, março 29, 2008

JOGOS DE MEMÓRIA

Chega ao Brasil Violent Cases, primeiro trabalho da dupla Neil Gaiman e Dave McKean

Na década de 1980, alguns escritores e artistas britânicos se empenharam na dura tarefa de convencer o resto do mundo de que histórias em quadrinhos eram uma forma válida, séria e até mesmo sofisticada de expressão artística.

Dois dos principais nomes desse movimento eram Neil Gaiman e Dave McKean, que mais tarde, se notabilizaram como os idealizadores da incensada série Sandman. Só que antes disso, em 1987, eles lançaram o álbum Violent Cases, que só agora, 21 anos depois, chega ao Brasil.

Apresentado em uma belíssima edição em capa dura e formato grande da HQM Editora, Violent Cases mostra, no traço virtuoso do artista plástico Dave McKean, o próprio Neil Gaiman contando para o leitor um episódio de sua infância na cidade inglesa de Portsmouth.

Após ter seu braço deslocado pelo pai - em um gesto meio desastrado, meio agressivo, mesmo - o menino Gaiman é levado para o médico osteopata. Este revela ao paciente ter sido médico de ninguém menos que Al Capone, o famoso chefe gangster da Chicago de 1930.

"O que é um gangster?", perguntou Gaiman ao pai, na volta para casa. "Não lembro o que meu pai disse. Só lembro da empolgação com que essa informação entrou na minha vida. Gangsteres usavam chapéus... e dirigiam carros grandes. Gangsteres tinham metralhadoras... que eles usavam em casos violentos. Gangsteres costumavam brigar com a polícia", escreve o autor.

Foi o bastante para capturar a imaginação do futuro escritor, que, sempre que era levado pelo pai para ver o médico, ouvia deste as histórias daquele tempo e lugar, míticos por natureza.

De posse desse fiapo de história, Gaiman e McKean tecem um belo e intrincado estudo narrativo sobre a memória, sobre como realidade e fantasia podem se misturar formando um véu, através do qual, se enxergam infinitas possibilidades.

Se em Sandman, Gaiman voltava sua atenção para a forma como o sonho é parte da vida -mesmo quando se está acordado - e como eles interferem na criação de mitos e arquétipos universais, em Violent Cases, auxiliado pela arte surreal de McKean, ele passeia pelas alamedas de sua memória infantil, remetendo aos estímulos sensoriais responsáveis por disparar lembranças: o cheiro de um biscoito, a textura de uma roupa nova sobre a pele, a percepção do seu próprio pai como um gigante.

Longe de ser sua melhor obra (posto de Sandman, disparado), Violent Cases é, ainda assim, um delicioso petisco para seus muitos admiradores brasileiros.

Violent cases
Neil Gaiman e Dave McKean
HQM Editora
R$ 39,90
www.hqmaniacs.uol.com.br

10 comentários:

myrna disse...

Muito legal seu blog!
Parabéns.
Beijos

Franchico disse...

Muito obrigado, Myrna. Seu blog tb é bem... Loco! Volte sempre!

Franciel disse...

Xiscória,
depois de um acolorado debate nesta manhã chuvosa, a egrégia e augusta Assembléia Legislativa aprovou, no âmbito das comissões técnicas, um projeto de lei tornando o 28 de Junho Dia do Rock na Bahia.

Agora, vai. Isso era tudo que o estado tava precisando.

osvaldo disse...

como diria marrentinho carioca, fala serio... quem será que propôs este projeto de lei?

Franchico disse...

Diz que a comemoração será com um mega-show no Farol da Barra, com participações de Elis O Terrível, Thildo Gama, Mil Milhas e aparição especial de Durval Lelys, que cantará Another Brick on The Wall, para delírio do povão.

Franchico disse...

"Hey! Tchitcher!", e coisa e tal...

Franchico disse...

Morrissey, xenófobo?

http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u388730.shtml

Franchico disse...

Arctic Monkeys coverizam Strokes e Amy W.

http://musicasocial.blogspot.com/

Franchico disse...

Zakk Wylde se deu mal ontem, perdeu uma Les Paul no show de Ozzy no Rio.

Jamari dá o serviço:

http://oglobo.globo.com/blogs/jamari/

Iris de Oliveira disse...

ô delícia de dica.