terça-feira, abril 04, 2006

10 MOMENTOS GLORIOSOS DO ROCK NOS QUADRINHOS

Nota da redação - O lance é o seguinte: fiz esse textão, scaneei uma cacetada de imagens para ilustrar a matéria e, PUTA QUE PARIU, não tô conseguindo fazer o upload de nenhuma sequer. Como hoje já é quarta-feira e até agora não fiz meu post semanal, vai assim mesmo, infelizmente. O consolo é que eu tô vendo com um site especializado em quadrinhos lá de SP a possibilidade deles publicarem essa joça completa. Se rolar, beleuza, eu aviso aqui e coloco o link para lá, onde vocês poderão aprecia-la em sua completude (essa palavra existe, né?). Se não... bom, se não rolar, eu penso em outra coisa. Sem mais delongas, fiquem agora com 10 MOMENTOS GLORIOSOS DO ROCK NOS QUADRINHOS, cortesia do seu Rock Loco e seu criado, Franchico.

Confesso: pensei em intitular esta listinha como Os 10 momentos MAIS gloriosos do rock nos quadrinhos, mas depois vi que não era o caso. Primeiro que um merdinha como eu não tem moral para fechar essa questão taxativamente, pois sempre haverá controvérsias. Em segundo lugar, meus próprios critérios de escolha desautorizariam o MAIS no título da matéria. De cara, içei Robert Crumb (Fritz The Cat) e Gilbert Shelton (The Fabulous Furry Freak Brothers), papas do quadrinho underground americano, à posição de hour concour, pois achei que seria covardia incluí-los nessa lista, já que sua própria ascensão como artistas está firmemente atrelada ao rock do fim dos anos 1960 (ainda que eles provavelmente iriam querer quebrar meu nariz, se lessem tal consideração). Seria como fazer uma lista de 10 escritores mais beberrões e botar Bukowski no topo. Não dá, é óbvio demais. Outra característica dessa listinha, absolutamente pessoal e intransferível, é a repetição de certos autores. Três deles - Angeli, Grant Morrison e Jaime Hernandez - aparecem duas vezes cada na lista, reivindicando 6 das dez colocações só para eles. Ah, paciência, eu garanto que eles fizeram por merecer, como se poderá ver a seguir. Poupa-los-ei (nossa!) também da lenga lenga jornalística acadêmica, pueril e pentelha muito comum em artigos como esse, tipo "rock e quadrinhos são formas de comunicação e arte populares e que caminham mais ou menos juntas desde seus primórdios, os quadrinhos, assim como o rock, era considerado fonte de corrupção, perdição e pederastia para a juventude nos anos 50", blá, blá, blá. Então, o negócio é o seguinte: plugue sua guitarra, tire a cera dos ouvidos, limpe seus óculos e abra todo o volume do amplificador, por que essa galera faz um esporro dos diabos também. Nem que seja só na nossa cabeça. Sem ordem cronológica ou de importância, segue a listinha...

1 - "KURT COBAIN ACABA DE DAR UM TIRO NA CABEÇA". Pegue dois losers adolescentes americanos sem porra nenhuma na caixa craniana, dê-lhes pais white trash cruéis ou ausentes, um ídolo suicida e uma doze. O resultado é fácil: mais dois manés seguindo o caminho do líder do Nirvana. Até aí, tudo bem, pena que um deles, mesmo tendo metido um tirombaço nas fuças, não tenha morrido como deveria. Essa é A História de Você-Sabe-Quem, spin off (uma espécie de extensão) da genial série (em 65 números) Preacher, do irlandês psycho Garth Ennis, publicada pela Vertigo / DC nos anos 90. O Você-Sabe-Quem do título é conhecido na sua revista de origem como Cara de Cú (Arseface), e é um dos personagens mais divertidos e perturbadores da série, um grande sucesso que até hoje não foi publicado do início ao fim aqui no Brasil. A História de Você-Sabe-Quem foi publicada no Brasil em fevereiro de 1999 pela Tudo em Quadrinhos Editora. (Ops! Atualização: parece que agora vai: a Devir Editora começou a publicar a saga de Jesse Custer - The Preacher himself - agora em abril. Leia aqui).

2 - O NASCIMENTO DO ÊXTASE. O filme Trainspotting (1995) e sua temática enfocando a juventude britânica desorientada, encrenqueira e louca por um tóxico, bem como sua narrativa ágil e despojada, fizeram um estrago danado. Montes de filmes britânicos (e americanos também) pongaram naquela estética, gerando resultados quase sempre irregulares. Aqui, o fantástico escritor escocês Grant Morrison dá a sua versão para aquele momento histórico na graphic novel Como matar seu namorado (Vertigo / DC), onde vemos uma adolescente londrina absolutamente entediada com sua vidinha, embarcar numa viagem sem volta com um marginalzinho sedutor que a conquista com umas doses de vodca acompanhadas de umas pedradas nas janelas da vizinhança. Na seqüência, eles matam um suposto pretendente (e colega de classe) da jovem sem qualquer razão aparente, no melhor estilo Laranja Mecânica. Em fuga, cruzam com um auto-intitulado Grupo de Assalto Niilista, têm experiências homossexuais, assaltam lojas de bebidas, tomam ecstasy e vão muito loucos pra balada. Tudo muito saudável. O final é apoteótico e totalmente anti-moralista. Cace essa pequena obra prima nos sebos ou morra na ignorância. Como matar seu namorado foi publicada no Brasil em maio de 1999 pela Tudo em Quadrinhos Editora.

3 - "CABEÇA DE DEUS FEITA DE MÚSICA VIVA" - É Grant Morrison na cabeça de novo. Agora o negócio é sério, muitíssimo sério. Logo no primeiro número de sua espetacular e revolucionária série Os Invisíveis (lida por pouquíssimos aqui no Brasil, até por que nunca foi publicada por inteiro, como deveria), um dos personagens principais, conhecido como King Mob (Rei Turba), toma um ácido e faz um ritual para invocar o espírito de John Lennon. O resultado, no traço do artista Steve Yeowell, você vê aí nas ilustrações. Clique para ler o textinho e apreciar a arte. O momento é auto-explicatório, desnecessário falar mais. Sobre Os Invisíveis, só o que eu posso dizer, é que, apesar de entender pouquíssimo o que li até agora, achei genial e necessário. Na verdade, quem não leu é que tá boiando, mais do que quem leu e não entendeu. Sacou? Os Invisíveis nº 1 foi publicada em maio de 1998 pela Magnum Editora.

4 - LISTEN TO THE MUSIC - Angeli é o cara aqui no Brasil. Santo padroeiro dos quadrinhos de humor urbano e underground desde o início dos anos 80, quando começou a publicar suas tirinhas sob o título Chiclete com Banana (nome que foi emporcalhado aqui na Bahia pela banda homônima de axé), Angeli tem inúmeras tiras e personagens que brincam com os estereótipos do rock em suas mais variadas vertentes. Desde o punk de periferia Bob Cuspe aos refugos de Arembepe Wood & Stock, passando pelas desorientadas Luke & Tantra e pelo poser Ritchi Pareide (veja mais abaixo), Angeli pinta e borda tendo o rock n' roll e seus tipinhos como inspiração. Nessa tira específica, de uma série intitulada Listen to the music, vemos o próprio cartunista - dando uma de disc-jockey da sua Rrrrádio Chiclete - perder a cabeça com a insuportável bossa nova, com toda a sutileza que lhe é característica. Nós também odiamos bossa nova, chefe. Listen to the music foi publicada no álbum Mara Tara, Oliveira Junky e outras histórias de Angeli, da Editora Brasiliense.

5 - "YAY, HOPEY!" - Como dizia John, "to know her is to love her". Da mesma forma, é humanamente impossível conhecer as Locas do escritor e desenhista Jaime Hernandez, cujas aventuras eram publicadas na revista Love and Rockets, e não se apaixonar. As duas personagens principais, Hopey e Maggie, cujo relacionamento oscila entre o sexo e a amizade, são um retrato carinhoso das punkettes chicanas da Baixa California, local de origem do autor. Hopey toca baixo numa banda punk, os Mísseis de Outubro, e Maggie é uma mecânica de foguetes (sério!) fofinha, com problemas de peso. Prestem atenção no quadrinho central da página dessa história, ela capta perfeitamente o clima do inferninho onde os Mísseis de Outubro estão prestes a tocar. Enquanto Hopey discute com o pessoal da platéia, um repugnante crítico de rock local passa uma cantada na linda Terry, guitarrista da banda, que lhe dá uma merecida gelada. O que o mané não sabe é que Terry é apaixonada por Hopey, e vive tentando rouba-la de Maggie. Ah, o amor punk chicano...

6 - "PARECE QUE FUI ATROPELADO POR UMA CARRETA" - Por falar em amor punk, olha ele aqui de novo, junto com o mestre Hernandez. Todo garoto que foi jovem e rocker nessa vida um dia se apaixonou por uma garota meio doidinha, com a qual costumava circular pelos shows, encher a cara e curtir à beça, mas na hora H, lá vinha a frase fatídica: "Você é um cara super legal e coisa e tal, mas na verdade, eu só gosto de você como amigo". Aaahh, que meigo, é a história da minha adolescência... Atire o primeiro caco de coração aquele que nunca teve vontade de se matar (ou matar alguém) ao ouvir tal frase. Em Meu namoro com Hopey, Jaime Hernandez reconta essa velha história em quatro páginas recheadas de sensibilidade, álcool e diversão. Uma pequena obra prima que conjuga amor, quadrinhos e rock como poucos são capazes. Aproveite que eu tava com boa vontade para scanear essa bagaça e leia-a inteirinha, clicando nas páginas aí.

7 - "VOCÊS QUEREM ROCK N' ROLL??" - Essa tira estrelada por Ritchi Pareide (a primeira, no alto da página) foi uma das mais geniais da gloriosa Chiclete com Banana, revista que, como todo mundo aqui está careca de saber, foi um marco dos quadrinhos brasileiros, e por que não dizer, até mesmo do rock pátrio. Atualíssima, ela até hoje reflete a realidade de muitas bandinhas fabricadas como as que vemos pululando por aí (até na Bahia já tem, como sabemos). Só que, em vez de do topete e lenço no pescoço dos anos 80, o personagem usaria bermudas, tatuagens, piercings, boné e cavanhaque. Aproveitem e curtam as outras tiras da página, igualmente fantásticas.

8 - "MORRA DE INVEJA, GWENDOLYNE!" - Quem achava que eu ia deixar o herói supremo de todo nerd que se respeita, o Homem Aranha, de fora dessa, se deu mal. Nessa história da fase clássica de Stan Lee e John Romita, Peter Parker e sua tchurma vão na inauguração de uma boate, cujo dono contratou a espevitada e deliciosa Mary Jane (esse Stan Lee nunca me enganou, era um chincheiro safado mesmo, daí a "homenagem" no nome da personagem) como dançarina. Egresso dos quadrinhos românticos que desenhava para a própria Marvel nos anos 50, Romita desenhava homens e mulheres bonitos (beleza típica da época, claro) como ninguém e retratou o clima anos 60 dessa cena de forma irrepreensível. Parece que a qualquer momento, Austin Powers surgirá no meio da história. E fala, sério, Mary Jane de vestidinho e botinhas tá rock n' roll demais. Oh, behave!, diria o agente nada secreto, babando pela ruiva número um dos quadrinhos.

9 - "OY! PAUL WELLER! ESQUISITOOOOO!!!!" - Devo confessar que nunca entendi direito as histórias em quadrinhos da Tank Girl, personagem criada por Jamie Hewlett (que depois criaria os Gorillaz com Damon Albarn) e Alan Martin. Vivendo numa Austrália pós-apocalíptica, suas histórias eram meio que um cruzamento esquizofrênico de Mad Max com a supracitada Love and Rockets. Seu namorado era um canguru mutante, que falava pelos cotovelos e enchia a cara com a garota do tanque (não o de lavar, claro). Mesmo não entendendo muito, dava para se divertir adoidado com os argumentos sem pé nem cabeça e com os diálogos travados entre o autor (falando nos recordatórios) e sua personagem. E fala sério, esses cangurus disfarçados de mod e gritando "Paul Weller" já valem o ingresso. Por falar em ingresso, tem um filme baseado na personagem nas locadoras, mas meu conselho é: fuja. Se eu não entendia direito essas histórias, acho que a diretora do filme entendeu menos ainda.

10 - "I'M A MAN OF WEALTH AND TASTE" - Fechando com chave de ouro, o mestre supremo dos quadrinhos, bardo de Northampton, salve, salve, Alan Moore faz sua homenagem aos Rolling Stones em V de Vingança, quando o personagem V chega para detonar os cornos do padre pedófilo e corrupto e se apresenta com a frase de abertura de Simpathy for the devil. Na época em que escreveu essa série (início dos anos 80), essa música ainda não estava tão vulgarizada quanto hoje, portanto, logo que saiu, ainda levei um tempinho (mas não muito) para pescar essa referência. Repararam nos chifrinhos? É a glória, indubitavelmente. Dêem um desconto pro scanner que comeu um trecho da fala e curtam a cena clicando aí na página.

"SANGRIA FAZ ROCK MALVADO E INDEPENDENTE" - É o que diz o site da MTV, onde tem uma boa entrevista com Maurão, Apú e Pedro e você ainda pode ver - e pedir na programação - o clipe de Acerto de contas, é, aquele mesmo, dirigido por Ricardo Spencer. Clica lá, rapaz!

INDIES EM PROFUSÃO - Recebi da rockloquista honorária e fundadora deste blog, Greice Jorge Schneider, um lote de cds de bandas independentes de várias partes do Brasil, os quais prometo ir destrinchando aos poucos, pelo menos de dois em dois por aqui, a partir da semana que vem. Começarei pelos dois que mais me chamaram a atenção, pelo estilo e personalidade: Superguidis (RS) e Rádio de Outono (PE). Depois eu devolvo tudo pra Greice. Até semana que vem, então.

WOMBS IN RAGE - A materinha que fiz pro Clash City Rockers sobre a Úteros em Fúria deu o que falar. O site Bahia Rock pediu permissão e publicou lá também. Então é isso: se tem algum fio de deus aí que num leu essa bagaça ainda, pode estar fazendo aqui ou aqui.

DEZ NA FAIXA - Boas novas! Quer dizer, acho. A 104 FM parece que agora se chama A Tarde FM, e na nova programação, vem aí o Dez na Faixa, espécie de versão do caderno adolescente Dez!, do jornal A Tarde, no rádio. Nunnez, vocalista da Mirabolix, mandou um email contando que sua banda vai estrear o programa. Falaí, Nunnez: "A Mirabolix grava nesta terça-feira a estréia do programa de rádio "Dez na Faixa". Voltado para o público jovem, o programa conta com a performance de bandas locais e será transmitido pela nova rádio "A Tarde FM", produzida pelo grupo do maior jornal da Bahia. A banda irá tocar músicas do seu último lançamento, "Revés de um Si Bemol", além de contar como foi o processo de gravação do disco. O programa vai ao ar ainda em Abril."

HORA DO ROCK 03.04 - destaca o lançamento nacional do DVD Velvet Redux Live MCMXCIII, que registra a reunião do Velvet Underground em Paris em 1993, o lançamento do DVD de PJ Harvey e o som do Tindersticks, Grandaddy, Anthony and The Johnsons, Radiohead, Doves, Nico, Patti Smith, Buffalo Springfield e The Band. Para ouvir: 90,1 (Globo FM), às 21h, ou pelo site www.gfm.com.br. No horário do programa tá rolando um chat no MSN. Quem quiser participar pode me adicionar ( gabrielamra@hotmail.com), ou adicionar Miwky (miwkyta@hotmail.com).

JAZZ ROCK QUARTET - Do release: Nesta quinta-feira, dia 6 de abril, se apresenta novamente no Miss Modular, Rio Vermelho, a partir das 11 da noite. A banda é formada por um supertime de instrumentistas da cena baiana e brasileira: Didi Gomes (baixo), Luciano Souza,(guitarra) Tavinho Magalhães (guitarra/baixo) e Lula Nascimento (bateria) A noite será aberta às 10 da noite com a banda de soul rock ?TANA1?, que mistura influências de Marvin Gaye, Led Zeppelin, Tim Maia e outros com músicas próprias. O preço único é de R$ 10,00.

EDDIE (PE) EM SALVADOR - Lançamento do CD "Metropolitano" + DJs Zackarias (Paraíba), Big Bross e Messiah ONDE: Miss Modular, QUANDO: sábado, 08 de abril, a partir de 22 horas, QUANTO: R$ 15,00 (R$ 20,00 - depois de meia-noite), Vendas a partir de 30 de março: São Rock, Andarilho Urbano e Berinjela.

Banda Anacê - Quem gosta de Rock´n Roll, e cerveja bem gelada, não pode perder a temporada da banda ANAÇÊ, no bar PRIMO, ao lado do Edf Suarez Trade, todas as quintas feiras, ás 21 H. O couver é de R$4,00, Cerveja de R$2,80, e muito gelada, vale a pena conferir. Horário:21H Couver:4,00.

Show Mundo Rock - Viagem sem volta - com as bandas: Vinil 69 e Retrofoguetes. Dia: 07/04 (Sexta). Horário: 23:00. Local: Zauber (Ladeira da Misericódia - atrás da prefeitura - Centro). Ingresso: R$ 10,00.

Festa Darktronic VII - com os Dj's: Vertigo, Deniac, Devilla, Magharin, Letargico e Monaco. Estilos: Industrial, Dark Eletro, Synth/Future Pop, Darkwave, EBM, Gothic Rock e 80's. Dia: 08/04 (Sábado). Horário: 20:00. Local: Blue House (Rio Vermelho)Ingresso: R$ 8,00Vendas antecipadas:+ Smile Stamps - Centro (Tel.: 3322-1907)+ Andarilho Urbano - Shopping Iguatemi (Tel.: 3450-4533) + Crosty - Espaço Artesanato do Shop. Barra (Tel.: 3235-4505)+ São Rock Discos - Shopping Rio Vermelho (Tel.: 3248-1199). Realização: Raven Produções. http://www.ravenproducoes.cjb.net/ www.fotolog.com/darktronicwww.fanzinemorbidsoul.blogspot.com

A Sangue Frio, The losers, Lumpen, Anemia e Expurgados - Dia: 09/04 (Domingo)Horário: 15:00 Local: Espaço Insurgente (Rua do Carro, Campo Da Pólvora, Centro - Ao Lado do Fórum Ruy Barbosa)Ingresso: R$ 3,00Informações: www.estopimrecords.com.br

Ecos Falsos (SP), Theatro de Séraphin e Berlinda - 20 de abril, quinta-feira, às 22h30, no Miss Modular. http://myspace.com/theatrodeseraphin.

15 comentários:

marcos rodrigues disse...

Chico, atualizando a sua agenda, o show da Theatro de Séraphin com a Ecos Falsos vai ter abertura da Berlinda.

Aproveitando informo que a Theatro de Séraphin está em mais um endereço virtual: http://myspace.com/theatrodeseraphin .

Além dos recursos audiovisuais, presentes tb na página da Trama, no MySpace a banda tb tem um blog. Abçs.

Franchico disse...

Desabafo da assessora de imprensa do Circo Voador (RJ), no blog do Jamari, mas que serve para qualquer lugar do mundo, inclusive Salvador.

http://oglobo.globo.com/online/blogs/jamari/

Franchico disse...

Tá foda. As porras das imagens não entram no post de jeito nenhum. Tem alguma coisa errada. Amanhã eu tento de novo, por que as imagens são imprescindíveis nesse post.

Franchico disse...

Ian McCuloouch, do Echo and The Bunnymen, quebrou a cara de dois fãs no banheiro de uma casa de shows em Glasgow em outubro último e agora será julgado por isso. Agora, que diabo ele estava fazendo no banheiro com esses caras e por que razão brigou com eles lá dentro, é que ninguém sabe. Mas imagina.

http://www.dynamite.com.br/2003a/lernews.cfm?cd_noticia=15921

Resta a recomendação pro pessoal que vai pro show do Echo no dia 29 em SP: não vão ao banheiro com Ian, de jeito nenhum, pelamordedeus!

marcos rodrigues disse...

Texto mais que pertinente da assessora do Circo Voador. Big que o diga...

miwky disse...

ah, os caras devem ter assediado o ian.

P.S- ia pro banheiro fácil com ele, hein!? : )

Iris disse...

super-ultra-mega pertinente o texto da assessora lá no blog do Jam.
E esse seu post sobre as hqs tá uma dilícia. tô fazendo figa pra ver as imagens.
E o trem lá do miss modular? fecha ou não fecha? foi zuada de 1º de abril ou o quê?
: *

Franchico disse...

Brigado, Íris. Vai rolar de ver as imagens, mas só que em outro lugar. Assim que tiver no ar eu aviso aqui, bem grande pra galera curtir a matéria completa.

E ao que me consta, o querido Miss M vai pro saco, mesmo. Aproveitem esse mês de abril para se despedir da bela e confortável casa da ladeira da Paciência, por que a partir de maio, os entusiastas do rock no Red River vão ter que se arranjar com o bom e velho Calypso, mesmo. Lourdes, meu bem, bota mais água no feijão que eu tô voltando! ;-) (Isso se ele não fechar as portas de vez daqui até lá tb...)

Franchico disse...

Miwky, esse bas fond do McCulloch no banheiro pra mim só tem uma explicação, só pode ser uma coisa mesmo: TÓXICO! ;-)

miwky disse...

ô, sabidão...

foi mals, não resisti. : )

Franchico disse...

Duh!

plaf! (som do sorvete na testa)

sora disse...

Seja o que for, eu ia.


Chico, tem foto dos doidão do jazz. Quer?


beijocas


Ps - Mas deixa eu ter tempo de ler o post das HQs primeiro

Franchico disse...

Soritcha, mande bala, na hora em que vc quiser. Devo estar postando coisa nova hj (segunda) ou amanhã - para facilitar minha vida, o PC lá de casa deu pau de novo. Ê, segundona!

miwky disse...

www.burnbahiaburn.blogspot.com

ZecaCuryDamm numa entrevista lá. dêem um chegue.

Ernesto Ribeiro disse...

Austin Powers é o pior saco de bosta do cinema. Só de olhar pra cara dele já dá vontade de vomitar. É o tipo sujeitinho repugnante de sorriso de débil mental pedindo pra tomar um chute no meio do cu. Só podia mesmo terminar num videoclipe passeando de carro com Merdonna. Moral da estória: merda atrai merda na mesma proporção.