quinta-feira, dezembro 03, 2015

NOVAS E VELHAS TENDÊNCIAS DO ROCK NO BIG BANDS FESTIVAL

Começa hoje: sétimo festival Big Bands segue apostando na independência absoluta do produtor Rogério Big Bross Brito

O homem-banda O Lendário Chucrobillyman (PR). Foto Paulo Rick
O produtor Rogério Big Bross Brito conseguiu de novo. Sem edital, apoio ou patrocínio, ele realiza entre hoje e sábado a sétima edição do seu festival de rock, o Big Bands.

O método Big Bross de agitar festivais praticamente sem dinheiro é o mesmo das outras vezes: do it yourself, colaboração, dedicação.

“Neste exato momento estou terminando uns cartazes numerados e camisetas que vamos vender para ajudar nos custos”, conta.

“É  parecido com o ano passado, só não fiz crowdfunding esse ano. O custo total do festival é de R$ 8 mil. Isso por que as  bandas da capital e do interior toparam tocar sem cachê, só com ajuda de custo”, conta Rogério.

Já as três atrações de fora da Bahia – o duo paulista Test, o homem-banda paranaense Lendário Chucrobillyman e a banda pernambucana Vamoz – concordaram em se apresentar por um cachê simbólico, “quase uma piada”, conta.

De resto é a colaboração dos amigos e militantes da cena, que ajudam o produtor até pegando músico em aeroporto e levando para o hotel.

“Os ultimos dois meses eu trabalhei feito louco para viabilizar o festival. Peguei o cachê da palestra que dei na Feira da Música (em Fortaleza) e paguei o cachê de uma das bandas. Aprendemos a lição: nunca dê um passo  maior que a perna”, afirma.

Os três dias de som – todos no Dubliner’s Irish Pub – são bem definidos.

O primeiro é o mais eclético, com o pós- punk gótico da Modus operandi e o indie clássico da Vamoz, mais o DJ Bruno Aziz.

A segunda noite é do rockabilly e surf rock, com a novata Ivan Motosserra, a conhecida Les Royales e o Chucrobillyman.

O brutal duo death-grind Test (SP) e sua Kombi. Foto Samuel Esteves
O sábado começa cedo (17 horas) e é o dia mais pesado e com mais bandas (oito): Erasy (Feira de Santana), Aphorism, Test, Ironbound, Limbo (essas duas de Alagoinhas), Antiporcos, Novelta (Feira de Santana) e HAO.

“O Big Bands foi feito pra ter a minha cara, mesmo”, afirma Rogério.

“E outra: os públicos mais fiéis da cidade são do metal e do punk. O Torture Squad, de São Paulo, tocou domingo e entupiu”, diz.

Para o produtor, o festival segue cumprindo sua missão, que é botar para tocar prioritariamente bandas de rock da capital, do interior e do Brasil – que, de preferência, nunca tenham vindo a cidade.

“Das três de fora, só a Vamoz já tocou aqui, e mesmo assim, há muito anos. Já o Test, que está bombado no meio do metal extremo e lançando tendência com letras em português, já tocou em tudo que é festival pelo país”, conclui.

De volta de Feira e de Fortaleza, onde conferiu in loco a movimentação independente no Nordeste e no interior da Bahia, Big afirma que vê sim, luz no fim do túnel.

"O Feira Noise teve duas mil pessoas por dia, com atrações como Cascadura, Vespas Mandarinas e tal. Sem bandas mega hype ou sucessos falidos de de outrora, como CPM 22 ou Raimundos. O Feira Noise brocou! E brocou com uma programação muito doida, ou seja, há luz no fim do túne, ou melhor, ou há rock no fim do túnel! A verdade é que a cena do interior é que tá bombando seriamente. A galera é muito engajada, muito envolvida", relata.

O indie tradicional da ótima Vamoz (PE) hoje no BB. Foto Theo Gouveia
Sintonizado no movimento, Big diz que o Big Bands seguirá voltado ao segmento mais roqueiro, deixando as bandas e artistas de perfil mais eclético com quem entende: "Há algum tempo, até a virada dos anos 90 para 2000, eu abraçava tudo. Em 94, trouxemos o Mundo Livre SA pela primeira vez à cidade, por que se não o fizéssemos, não tinha quem fizesse. Hoje essa parada tá mais bem dividida, o Radioca tomou essa programação para eles, então eu tenho que voltar o Big Bands é para o rock mesmo, que é minha parada, meu segmento, e que andou meio abandonado. Fora o Palco do Rock, você não tem um festival voltado para o rock, menos ainda o ano todo, como o Big Bands", considera.

"Tivemos o Warm Up do Big Bands por um mês inteiro em julho, só com bandas da trinca Big Bross-Brechó-São Rock. Tivemos Wander Wildner rodando pelo interior. O Big Bands tá acontecendo desde julho e com pequenas ações o ano todo, para em dezembro concretizar com o festival", lembra.

Coincidência ou não, Big Bands acontece na mesma semana em que a Cascadura se despede do público - mas parece que esse macaco velho não tá comendo nada dessa conversa: "Bicho, a Cascadura concluiu um ciclo, o que eles já fizeram tá bom demais, deixa o cara (Fábio) tirar umas ferias", diz.

"E depois essas paradas de 'acabou a banda'... Ele tá indo pro Canadá e daqui a pouco volta, aí faz um show pra matar a saudade... A Cascadura é a banda que todo mundo acha legal, né? Nando Reis e Caetano falaram bem paca, mas nenhum deles gravou! Nunca teve a chance de entrar na trilha de Malhação. Vou sentir falta. Fábio é meu amigo, meu irmão. Mas eu nem vou nesse show. Pra mim não acabou,  não. Ele não vai aguentar ficar longe do palco", aposta Big

"Por outro lado, bandas como Headhunter DC e Mistifyer continuam. A Mistifyer vai tocar ano que vem no maior festival de black metal do mundo, nos Estados Unidos (o Maryland Deathfest, em Baltimore), com Testament, Venom, Exciter e o caralho. (Nota: O Test, que toca sábado aqui, também vai). A expectativa por eles lá é tanta, que o contratante pediu exclusividade, é mole? E o melhor de tudo é que eles estão pouco se cagando se aqui as pessoas sabem disso ou não. Para eles, o que vale é que os fãs deles saibam", conclui.

Festival Big Bands 2015 / Amanhã, sexta-feira (22 horas) e sábado (17 horas) / Dubliner’s Irish Pub / R$ 10 (Amanhã) e R$ 20 (sexta e sábado) / Programação: www.bigbands.com.br

24 comentários:

Franchico disse...

Rapaz, eu só vou dizer um negócio: se Dilma cair, em 2018, EU VOTO EM LULA!

Sim, isso é uma ameaça.

Merda por merda, prefiro a merda em que eu votei e que está lá legitimamente (até prova em contrário).

Franchico disse...

Quer dizer... isso se ele não acabar preso daqui até lá!

Duh!

Franchico disse...

E trailer novo do Bats vs. Supes?

http://omelete.uol.com.br/filmes/noticia/batman-vs-superman-a-origem-da-justica-ganha-novo-trailer-completo/

Arrepiante! Que venha logo!

Franchico disse...

As dez melhores histórias de Alan Moore que vc provavelmente nunca leu:

http://comicsalliance.com/ten-best-alan-moore-rarities-obscure-stories/

Das dez, acho que só li a do Spirit, mas nem lembro direito, preciso checar se tenho mesmo essa lá em casa....

rodrigo sputter disse...

chico, vi o filme novo do diretor de "6o sentido", bacana viu...vi com a patroa...gostei da "linguagem" e dá uns bons sustos...

Pra mim as maiores bandas de Salvador, quiça do NE (só pra ficar na nossa região), são Headhunter e Mystfier...sem superfaturar edital...pagar pau pra artista famoso...o resto...é resto...com raras exceções...mas dessas bandas mais antigas...eles são TRUE MESMO!!!
A myst tem 21.243 curtidas no face...é mole???

Nei Bahia disse...

Infelizmente mais cedo ou mais tarde iria acontecer:


http://musica.uol.com.br/noticias/redacao/2015/12/04/roqueiro-scott-weiland-e-encontrado-morto-em-onibus-durante-turne.htm

Victor A. disse...

O Twelve Bar Blues, solo do Weiland, é um discaço. E achava o STP uma banda ok, até vê-los numa performance ao vivo. Daí passei a respeitar, mandavam bem demais em cima do palco.

Franchico disse...

Gostava do STP também, boa banda. Não era a oitava maravilha, mas os caras tinham boa mão para hits.

Não cheguei a ouvir solo. Já o Velvet Revolver eu não curti muito não. Soava a só mais uma tentativa de requentar o cadáver estético do Guns 'n'Roses...

O Omelete listou 11 músicas legais dele, com e sem o STP.

http://omelete.uol.com.br/musica/artigo/scott-weiland-11-musicas-marcantes-da-carreira-do-cantor/

Minha preferida é Interstate Love Song. Melhor música do STP na minha opinião.

Enfim, RIP...

Franchico disse...

Resultados do edital Bahia do Natura Musical para 2016:

http://www.conteudopublicacoes.com.br/naturamusical2016/ba.html

Adianto: "O legado musical baiano assentado na herança africana ganha relevância com a recuperação do acervo do sambista Ederaldo Gentil e o reconhecimento de manifestações surgidas na metade do século XX com o Afrobook, a ser editado pelo Pracatum. No território das apostas, a renovação surge pelas vozes de Tiganá Santana, Giovani Cidreira e do I.F.Á Afrobeat".

Franchico disse...

RIP Tutuca.

https://br.celebridades.yahoo.com/post/134519688835/aos-83-anos-morre-o-comediante-tutuca

"Ah, se ela me desse bola"...!

Franchico disse...

Por essas e outras que dou cada vez menos opinião sobre o que quer que seja:

https://br.noticias.yahoo.com/blogs/super-incr%C3%ADvel/brasil-est%C3%A1-em-terceiro-lugar-no--index--dos-pa%C3%ADses-mais-ignorantes-do-mundo-155529933.html

Não discuto com ignorantes!

"Venha meu tesouro, não se misture com essa gentalha", é o que eu sempre digo a mim mesmo!

Rodrigo Sputter disse...

Ai sim..."recuperar" a memória do Gentil é mais do que obrigação!!
Agora, foda...o cara deprê..."sem $$$", provavelmente louco pra cantar, compor, num sei se conseguiria...pois "entendo" quando se "perde o tesão", é foda...

Fico SUPERFELIZ por Giovani Cidreira, cara da zorra, do bem, músico ULTRA talentoso, compositor de mão cheia...e um cara que mora na quebrada, durango de $$$ (Quem num é?), um artista de verdade, que deveria viver do que faz melhor...vamos ver se rola pra ele agora viver disso...ou pelo menos ter uma melhor visibilidade...dessa "nova" geração, creio que seja o melhor que faz uma música baiana de qualidade, com várias referências do samba ao rock.

Franchico disse...

Sputter, a quem vc está se referindo? Se for ao Ederaldo, sinto informar que o homem é morto desde 2012....

Ernesto Ribeiro disse...

Nunca gostei daquele quadro de humor sem graça e sem inteligência daquele clone do Oscarito.


Brasil, medalha de bronze em ignorância.


Ouro na burrice, estupidez, falsidade, futilidade, intolerância, preconceito, violência, autodestruição, incompetência, mesquinhez, breguice, cafonália, mau gosto, mau caratismo...


Me chamem de impatriótico eu de elitista, mas o meu lema sempre foi esse:


Quanto mais eu conheço o povo brasileiro, mais eu o desprezo.

Rodrigo Sputter disse...

Uma pena a morte do cara...lutar contra um vício é foda...ou conviver com ele...principalmente quando faz mal pra vc...qq um faz...mas tem uns que são piores...Chico, no link sobre o Brasil que vc mandou, tem uma parte que não entendi direito, juro que não li direito tb, pq esse tema tem me deixado puto, o q as pessoas andam falando e pensando sobre seu próprio país...mas ali tá dizendo q não é apenas 1% q tem a maior $$ no mundo? que é esse um por cento tem apenas um terço da riqueza...é isso???
ouvi dizer q 1% da população do mundo, ou nos eua, detém a riqueza com elas.

rodrigo sputter disse...

Eu sei que o Gentil tá morto há tempos...eu ia escrever e esqueci, achei até estranho vc falar isso e vi q no meu comentário não tava isso, goiabice...mas é isso...soube q ele tava deprê...não queria dar entrevista...eu vi uma vez q ele apareceu de costas e tudo, pra tv...minha mãe conheceu-o...ele é tio ou padrinho de Luisão tb...enfim...que a obra desse grande compositor num seja esquecida...e aqui num é desculpinha de quem não sabia e quer pagar de antenado...infelizmente sabia sim.

Franchico disse...

"Existe contracultura há basicamente tanto tempo quanto há... cultura".

Alan Moore dá uma aula sobre contracultura na Universidade de Northampton:

http://www.bleedingcool.com/2015/12/03/and-finally-when-alan-moore-and-friends-talked-counter-culture-for-a-day/

E aqui:

http://www.northampton-news-hp.co.uk/Alan-Moore-Scroobius-Pip-Robin-Ince-talk-counter/story-28286013-detail/story.html

Agradeceria muito se alguém melhor em inglês do que eu - e também mais bondoso - legendasse esse vídeo....

Franchico disse...

Tronquilo, Sputter!

A propósito, Luisão é sobrinho de Ederaldo e o projeto contemplado pela Natura é dele mesmo.

rodrigo sputter disse...

Enfim meu velho...o homem se foi...mas a sua música tem q ficar...afinal tem muita qualidade...mas é isso...santo de casa num faz milagre...

cara fiquei triste por isso:

http://dimitriganzelevitch.blogspot.com.br/2015/12/a-tarde-triste.html

Franchico disse...

É, o passaralho deu um voo rasante aqui na redação essa semana e levou muitos - e bons - com ele.

Eu continuo aqui - para o bem e para o mal.

Não sei se rio ou se choro.

Na dúvida, dou uma longa risada maligrina:

BWAH! AH! AH! AH! AH! AH! AH! Aaaaaaaah....!

Nhé.

Franchico disse...

Em tempo: Obviamente, este é um riso é de histeria, de alguém prestes a enlouquecer. Só esclarecendo.

rodrigo sputter disse...

claro...vc é do bem man...é humano como qq um de nós...mas não miseravi como milhões de outros por aí...fui no som ontem...discotequei...foi bala...Ivan Motosserra como já imaginava: FODA...Chucrobilly muito foda tb...e les royales...já sabemos...toca fogo até o dia raiar!!!

Franchico disse...

Pô, queria ter ido, mas tinha que estar aqui no batente hj cedo....

Rodrigo Sputter disse...

quem era Chico...no more virotes...heheee...eu nunca curti virotes...

vc já leu?

http://quadrikomics.blogspot.com.br/2015/11/nick-fury-vs-shield.html

não lembro...