domingo, setembro 01, 2013

LUCIANO SOUZA, LENDA DA GUITARRA JAZZ ROCK BRASILEIRA, FAZ SHOW HOJE PARA LANÇAR 2º CD

Há músicos que são ídolos populares. E há músicos que são ídolos de outros músicos.

O guitarrista baiano Luciano Souza, o Luguita (foto: Nancy Viegas), que pertence à esta segunda categoria, lança seu segundo álbum solo com show amanhã hoje, no Teatro do Sesi.

Intitulado Olhando o Acordar da Esperança, o CD é uma nova coleção de dez temas instrumentais de Luciano e foi viabilizado com  apoio financeiro da Secretaria de Cultura da Bahia, contemplado através de Edital de Demandas Espontâneas.

Na ativa desde meados dos anos 1960, Luciano começou na música aos sete anos, na banda Os Príncipes do Yé Yé Yé, na qual já tocavam também Pepeu Gomes (no baixo!) e seu irmão Jorginho Gomes (bateria).

Desde então, integrou Os Minos, um dos poucos grupos da jovem guarda baiana a gravar em São Paulo (dois compactos de 7 polegadas). “Os Minos tocavam na TV Excelsior (SP). Fizemos sucesso, gravamos. Foi um tempo bom”, lembra Luciano.

Nos anos 1970, tocou na lendária banda paulista O Som Nosso de Cada Dia. Nos anos 80, integrou a banda de Baby & Pepeu.

Depois, caiu no ostracismo – do qual foi resgatado há coisa de cinco anos, pelo jornalista e produtor cultural Zezão Castro.

Lançou seu primeiro CD solo (Virtuose) em 2008 e, agora, aos 54 anos, solta este segundo álbum, no qual procura atingir  uma nova geração de público.

Ambos os discos foram produzidos por Tadeu Mascarenhas (Radiola, Manoela Rodrigues).

“Olha, este disco novo foi uma faca de dois gumes pra mim. É que eu gravei tudo nele: guitarra, baixo e bateria. E agora estou passando para os músicos que tocam comigo no show. Eles tão pegando, mas é mais difícil”, conta Luciano.

“Mas gostei muito do resultado final. O Virtuose é  mais free jazz, os temas ficam meio no ar.  Este agora está mais coeso, mais calcado no samba, no baião . Tá mais colado uma coisa na outra do que naquele primeiro”, diz.

Planos de gravar Smetak

No palco, Luciano se apresenta acompanhado de Kiko Souza (flauta e sax), André Luba (baixo) e Mizael Paixão (bateria).

Como convidados, duas outras lendas da música: o baterista Dom Lula Nascimento e o baixista Didi Gomes (ex-Novos Baianos, outro irmão de Pepeu). “Eles vão dar canja comigo, vai ser muito legal”, diz.

Empolgado com a sobrevida artística, o guitarrista já planeja sua terceira investida solo: “Já estou pensando em um CD novo, agora orquestrado, com violinos, violoncelos e tal”, avisa.

“E quero gravar trabalhos de (Walter) Smetak também, com um violinista fera, para fazer os microtons. Neguinho não vai compreender porra nenhuma, né?”, diverte-se Luciano.

O suíço-baiano Smetak (1913 -1984)é uma influência e um antigo ídolo para ele: “Um puta músico que ninguém compreendeu direito até hoje. Quando neguinho da orquestra errava, ele dava com o violão na cabeça dos músicos”, ri Luciano.

Luciano Souza /  Show de lançamento Olhando o Acordar da Esperança / domingo, 19h30 / Teatro do SESI Rio Vermelho / R$ 10 (Ingresso vale um CD)

Olhando o Acordar da Esperança / Luciano Souza /  Independente / Prod..: Zezão Castro e Antonio Nykiel (executiva) e Tadeu Mascarenhas (fonográfica) / R$ 10

4 comentários:

Franchico disse...

G.Ê.N.I.O.

www.spin.com/articles/bill-murray-i-will-always-love-you-david-letterman-whitney-houston-video/

Franchico disse...

RIP David Frost.

Quem viu o espetacular filme Frost / Nixon sabe de quem se trata. Mas o cara foi muito mais do que isto. Saibam:

http://www.bleedingcool.com/2013/09/01/sir-david-frost-passes-aged-74/

Franchico disse...

Garth Ennis, o melhor escritor do Justiceiro em todos os tempos, vai voltar ao personagem:

http://omelete.uol.com.br/justiceiro/quadrinhos/justiceiro-garth-ennis-vai-voltar-escrever-hq

U.HÚ!

Ernesto Ribeiro disse...


...e a Melhor História em Quadrinhos de Todos os Tempos talvez seja aquela que é a melhor do Justiceiro:

RAIZES (de dentes)

O minimalismo extremo: apenas 11 páginas e toda a estória é mostrada em apenas UM enquadramento: do ponto de vista de dentro da boca do chefão mafioso durante uma consulta no dentista.

Precisa dizer quem aparece pra fazer o check-up?

DE MATAR DE RIR.

O doutor Frank Castle EXTRAI todas as informações sem que o paciente precise falar nada: apenas faz um som qualquer como "sim... aí!" enquanto o homem da caveira passeia o dedo sobre um mapa de Nova York, fazendo as perguntas sobre ONDE é a fonte de armas militares da quadrilha, ONDE ele mantém escondido o irmão assassino...

...enquanto vai provocando uma devastação bucal.

não fica um dente sequer.

...e o grand finale com a pistola automática prateada introduzida na boca com as gengivas descarnadas, fecha com chave de ouro, na frase clássica de todo consultório odontológico:

"Pode cuspir."

HAHAHAHAHAHAHA

GENIAL. MINIMALISTA. BRUTAL. PUNK.

OBRA-PRIMA MÁXIMA.

Claro que quem escreveu essa maravilha foi Garth Ennis.

E quem teve a honra de desenhar foi o Joe Quesada em pessoa.