sábado, novembro 24, 2012

BARDO EM QUADRINHOS NA COLEÇÃO DA NEMO

Em um mundo aonde tudo parece conspirar para anular qualquer traço de pensamento crítico, personalidade própria e alma, ler William Shakespeare chega ser um exercício de subversão.

E quanto mais jovem, melhor. Um bom atalho para introduzir o bardo inglês às crianças e jovens está na Coleção Shakespeare Em Quadrinhos (Editora Nemo).

Com três volumes já lançados há alguns meses (Romeu & Julieta, Otelo e Sonhos de Uma Noite de Verão), a coleção acaba de ganhar mais dois volumes: A Tempestade e Macbeth.

É verdade que clássicos literários convertidos em quadrinhos se tornaram um belo filão de mercado para as editoras, ávidas a serem incluídas  na cobiçada lista anual de obras a serem adquiridas pelo Programa Nacional Biblioteca nas Escolas (PNBE), do Ministério da Educação (MEC).

É verdade também que,  nem sempre, tais HQs constituem uma adaptação à altura da obra original.

Felizmente, não é caso desta coleção.

Primeiro, é preciso dar um desconto: condensar uma obra de Shakespeare em 64 páginas de  quadrinhos não é tarefa fácil.

E depois, nenhuma adaptação em HQ substitui a obra original. Elas costumam servir justamente como uma introdução resumida, uma espécie de “aperitivo”, para que o leitor se interesse pela obra, o autor etc.

O editor da coleção, o também quadrinista Wellington Srbek (autor da premiada Estórias Gerais), chama a atenção justamente para este caráter introdutório: “A principal orientação (aos roteiristas e desenhistas) é ser o mais fiel possível aos fatos narrados na obra original”, conta, em entrevista.

“Partindo disso, cada dupla de autores faz um trabalho de transposição da peça para a linguagem dos quadrinhos, tendo em mente o público final ao qual as adaptações se destinam, que são os leitores jovens”, diz.

Com uma obra tão extensa quanto essencial, a seleção de peças a serem adaptadas é, certamente, a parte mais fácil do trabalho: “Simplesmente selecionamos as obras mais importantes e mais significativas de Shakespeare”, define Srbek.

Feita a escolha das obras, parte-se para a seleção dos profissionais designados para adaptá-las: “Neste caso, como conheço diversos roteiristas e desenhistas brasileiros, foi mais uma questão de reunir duplas cujo trabalho mais se aproximasse do estilo e da temática de cada peça”, detalha o editor.

A adaptação de A Tempestade é um ótimo exemplo de como o processo aparentemente simples assumido por Wellington funcionou bem.

O roteiro ficou a cargo de Lillo Parra, com experiência de mais de dez anos no meio teatral, com os coletivos paulistas Teatro Popular União e Olho Vivo.

Já o traço delicado, fluido, de Jefferson Costa caiu como uma luva em figuras fantasiosas como o feiticeiro italiano Próspero e seu servo monstruoso, Caliban.

Já o traço sombrio (e totalmente colorido em tons terrosos) de Rafael Vasconcellos se prestou com notável leveza ao clima de traições e intrigas medievais de Macbeth. Marcela Godoy, romancista (O Primeiro Relato da Queda de Um Demônio) e roteirista do volume Romeu & Julieta, também cumpriu bem sua tarefa em Macbeth.

Claro, todos aqueles longos monólogos e diálogos típicos do velho William são aqui resumidos, mas não diminuídos.

“Na verdade, no caso da Coleção Shakespeare, os roteiristas fazem uma recriação do texto original, partindo do que o autor escreveu, mas pensando na narrativa dos quadrinhos”, esclarece Wellington, que prepara, ele mesmo, uma adaptação sem resumos de Hamlet para breve, com o desenhista Alex Shibao.

“Está em produção agora Rei Lear, com roteiro de Jozz e desenhos de Octavio Cariello. Temos também em finalização uma adaptação de Hamlet, mas esta não será para a Coleção Shakespeare, pois tem uma proposta diferente; foi uma tradução direta do texto original da peça, feita por mim, que está sendo desenhada por Alex Shibao, e é voltada para um público mais adulto”, conclui.

Macbeth / William Shakespeare,  Marcela Godoy e  Rafael Vasconcellos / Nemo/ 64 p/ R$ 39/  www.editoranemo.com.br

A Tempestade / W. Shakespeare, Lillo Parra e  Jefferson Costa / Nemo/ 64 p/ R$ 39/  www.editoranemo.com.br

6 comentários:

Franchico disse...

Grant Morrison desanca Alan Moore legal e aponta vários supostos plágios que o barbudão cometeu, roubando ideias do carecão.

http://www.bleedingcool.com/2012/11/26/fanboy-rampage-grant-morrison-vs-alan-moore-round-eight/

O que posso dizer?

DE-LI-CI-O-SO!

Quero mais!

No livro do Morrison, Superdeuses, ele até pegou leve, apesar de deixar bem claro em várias passagens que não vai com a fuça do bruxo de Northampton.

Aqui, agora, o bicho pegou. Capaz de acabar em processo.

Franchico disse...

Sem contar as fotos sensacionais. Tem uma de Moore novinho, sem barba! Nunca tinha visto o cara sem barba. E tem uma de Morrison que ele está a cara de nosso Messias Bandeira. Sério! Deem um saque.

Márcio A Martinez disse...

Porra Chico, demais!

Esse quebra pau pelo menos deve render uns trocadinhos a mais nos bolsos deles, isso sim...

Todas aquelas fotos são de Moore?!?

Franchico disse...

As de cima, sim. As de baixo, de Grant.

Franchico disse...

Lenny Kravitz será Marvin Gaye em um filme / biografia.

http://omelete.uol.com.br/musica/marvin-gaye-lenny-kravitz-vai-protagonizar-filme-sobre-vida-do-musico/

ME-DO!

Fernanda Bender disse...

Essas HQs com adaptações das peças clássicas de Shakespeare são excelentes, tenho todas. Mesmo li Sonho de Uma Noite de Verão... um capricho e muito divertida :-)