terça-feira, fevereiro 15, 2011

ROOTSY HIP

Isabel Machado e Daniel Wilberger, casal de baianos residente em Mobile, Alabama, documenta hip hop underground local e se tornam celebridades locais

Todo mundo já viu uma história mais ou menos parecida com esta em um filme: estrangeiros chegam em cidade pequena e são, em um primeiro momento, recebidos com certa indiferença. Os estrangeiros fazem amizade com os losers do lugar. Estrangeiros e losers se unem para fazer alguma coisa bacana juntos que chama a atenção da comunidade – e acabam por se tornar heróis locais.

A diferença é que, desta vez, não se trata de filme, e sim, de uma história real, vivida por um casal de soteropolitanos: a historiadora e cineasta Isabel Machado e o designer e professor Daniel Wildberger. Ela é irmã do cineasta Sérgio Machado (Quincas Berro D’Água). E ele, membro da família de imigrantes suíços radicados na Bahia.

Casados há cerca de dez anos, se conheceram no underground roqueiro de Salvador, quando ele tocava guitarra na banda Dinky-Dau e ela frequentava os shows.

Desde 2004, vivem nos Estados Unidos. Inicialmente moraram na gélida Iowa City. “Passamos 4 anos lá para Bel concluir mestrado em cinema. Passei um ano procurando trabalho”, conta Daniel.

Foi lá que ele vivenciou o emprego mais estressante de sua vida, dirigindo um ônibus escolar cheio de crianças, em pleno inverno. “O bicho deslizava no gelo o tempo todo”, ri.

Depois que Isabel concluiu seus estudos, Daniel, que acabou fazendo ele mesmo seu próprio mestrado em design, acabou arrumando trabalho de professor assistente na University of South Alabama, localizada na aprazível cidade de Mobile.

“A gente se identificou logo com o lugar. Tem praia, uma cultura negra forte na música e na culinária, um clima melhor e fica perto de Memphis e Nova Orleans”, diz.

Nerd core

Devidamente instalados, Isabel se viu na situação inversa viveu no Iowa. Ele tinha o que fazer, mas ela, não. Depois de constatar que não arrumaria emprego na TV local sem um curso técnico, tratou de se matricular logo em um.

Uma das tarefas era preparar uma reportagem sobre algum assunto local. “Não conhecia ninguém. Começamos a procurar no Google o que a cidade tinha”, lembra Isabel.

Logo ela se deparou com o MySpace de uma inusitada dupla de rappers locais. “O lance deles é nerd core, ou seja, os caras falam de Star Wars, séries de TV e histórias em quadrinhos. Fomos em um show, tinha três pessoas na plateia, mais e eu e Daniel. Pensamos: ‘pô, os caras são brancos, fazendo rap no Alabama. Estranho’. Aí resolvi entrevista-los. Entrei em contato, com um deles, o Justin MC”, relata Isabel.

E foi Justin quem deu a ideia: em vez de falar só do trabalho deles, por que não mostrar a cena do hip hop underground de Mobile?

De início, Isabel não levou muita fé: “Eu disse, ‘não me levem a mal, mas isso aqui é o movimento hip hop de Mobile e vocês são brancos?’ Eles ficaram super desconfortáveis. Por que existe a galera do hip hop negro de Mobile. Só que eles são completamente mainstream, só falam de bunda, carrões etc. E eles ainda sofrem com o estigma dos rappers brancos, de ser aquela coisa meio caricata, né?”, ri.

De qualquer jeito, Isabel, com a ajuda do maridão, responsável pela edição, concluiu o vídeo para o curso e presenteou seus entrevistados com uma versão ampliada e melhorada.

Poderia ter acabado aí. Só que no meio do caminho, havia um festival de cinema. “Naquela mesma semana, anunciaram as inscrições para o South Alabama Film Festival, que estava selecionando filmes com temática local. O problema é que o deadline era apertadíssimo e não deu para aproveitar quase nada do filme escolar”.

Logo, o casal começou a preparar uma versão para o festival. “Eu ficava ligando para os organizadores, pedindo mais prazo. Cheguei a mandar só os quarenta minutos iniciais”, lembra.

Qual não foi sua surpresa quando um belo dia o telefone toca e era o pessoal do festival, dizendo que não só haviam adorado a versão preliminar do documentário, como ele já estava selecionado e mais: seria o filme de abertura do evento, ocorrido em novembro de 2009.

“Logo depois me liga um dos rappers do filme, o Afterschock, dizendo que estava sendo despejado. Lá vamos nós, pegar mais essa cena para incluir no documentário”, conta Bel.

Resumo dos fatos: Rootsy Hip, o documentário dirigido por Isabel e editado por Daniel, não ficou pronto a tempo. “Pensei: vai passar assim e depois eu reedito. No dia da estreia, a gente lá com várias mordomias de estrela do festival, tapete vermelho e tudo. E eu: ‘como assim?’”, ri.

O filme foi um sucesso local, com o público se levantando e cantando as músicas dentro da sala. “O dono do cinema deixou o filme em cartaz durante meses e ainda queria que a gente fizesse uma versão sing-a-long, com aquela bolinha pulando sobre as letras. Teve até sessões com os caras tocando antes do filme. Eu brinco com Daniel dizendo que viramos minicelebridades locais. Agora somos a galera do Rootsy Hip. Até dois dias antes de viajarmos para o Brasil, eu ainda dava entrevista”, jura.

No momento, Isabel se dedica a um novo documentário com temática local, desta vez sobre o gumbo, prato típico da culinária sulista afroamericana, em parceria com o cineasta Gideon Carson Kennedy.

Já Daniel prepara uma graphic novel de western, ambientada na Guerra da Secessão. Taí um casal que ainda vai dar muito o que falar, seja na América do Norte ou do Sul.

Todas as fotos / all photos by Michael Dumas / South Alabama Film Festival



Saiba mais:

www.danielwildberger.com

http://modmobilian.com/2010/10/11/rootsy-hip-creators-isabel-machado-and-daniel-wildberger-on-tmms/

32 comentários:

teclas pretas disse...

legal, quero ver o doc.

chicón, vazou o beady eye. é ok, bem feito, pode-se ouvir no carro numa viagem. aproveita um filão ainda inexplorado: lennon solo. liam né bobo, não. mas sei lá...mais do mesmo.

a capa é excelente!

GLAUBER

Franchico disse...

A novela do filme de Preacher continua....

http://www.omelete.com.br/cinema/preacher-adaptacao-ao-cinema-pode-contratar-novo-diretor/

osvaldo disse...

Parabens a Bel e a Daniel.Dupla talentosa.Logico que queremos ver o doc., mas a propria historia deles relatada na reportagem é muito interessante, espero ouvir mais relatos em breve. E enquanto isso aquela doença chamada rock'n'roll ataca de novo. O novo P.J Harvey, "Let England Shake "é sensacional. Polly Jean fuckin'ruleia. Para quem esta esperando uma nova garota no rock,seus problemas se acabaram. ja ouviu Anna Calvi? Então escute. E minha nova banda favorita,o Drive-By Truckers lançam Go Go Boots. Minha banda favorita de Post - Rock, o Mogwai, tambem lançou disco novo. Tambem Bright Eyes. O ano ta começando a ficar bom.

osvaldo disse...

Mapeando territorios em terrenos inospitos.Hoje tem Taz no bar Ulisses no Santo Antonio. Sexta tem nuvem de djs na Praia dos Livros no largo do Porto da Barra.

Franchico disse...

Os amigos e demais interessados em assistir ao doc de Bel e Daniels é só me procurarem, que eu providencio cópias. Só cabe um aviso: não tem legenda (nem em português e nem em inglês) - e o sotaque sulista do pessoal do Alabama não é brinquedo, não! Mas quem tem alguma noção de inglês dá para assistir, claro!

Franchico disse...

Recebido por email:


"Fui assaltado no sábado na pituba e encontrei o carro no costa azul no domingo!

Roubaram:

Pratos: c/ bag
- hihat zildjan avedis
- ride zildjan k
- crash 16 Wuhan fastcrash tradicional
-crash 19 Wuhan s
- crash 17 Wuhan s
-splash 8 zildjan
-splash 12 groove
- 2 estantes rmv pretas
- fone abafador vic firth
- pedal dw (o estensor e o segundo pedal) c/ bag.- cachimbo tama
- cachimbo pearl

Se puder me ajudar encaminhando esse email pros colegas bateras e estúdios de ssa, agradeço muito!

Ass: Vitor Brasileiro"

Franchico disse...

Finalmente vou ter vontade de assistir um Almodovar novo.

http://www.omelete.com.br/cinema/la-piel-que-habito-terror-de-pedro-almodovar-tem-seu-primeiro-poster/

Num tenho saco praqueles dramalhoes bregas!

Franchico disse...

Rache o bico com a linha evolutiva indie, segundo Mr. Barça.

http://andrebarcinski.folha.blog.uol.com.br/arch2011-02-13_2011-02-19.html#2011_02-15_00_41_51-147808734-0

Franchico disse...

Já pensou em passear numa limusine branca dirigida por Lemmy?

http://www.youtube.com/watch?v=ebJ2brErERQ&feature=player_embedded

Dave Grohl já. Só não reclame de possíveis atrasos e / ou desvios perigosos no meio do caminho.....

Anônimo disse...

repito...turbonegro da noruega (já terminou) foi o último suspiro do rock grito primal...sensacional...adoro esses caras...
cláudio moreira

vejam:
http://www.youtube.com/watch?v=m05jUsWIsJE&feature=fvsr

cebola disse...

Seeeeeensacional essa do Barça! A última "categoria" é, de longe, a melhor de todas!! Transamba!!! Seeeeeeensacional!!;)

cebola disse...

NINGUÈM sai de casa nesta quinta dia 17. O canal MAX (78 na sky) passa às 22 hrs o doc OIL CITY CONFIDENCIAL, de que falo a mais de uma ano. Sobre os absurdamente fantabulosos pub rockers Dr. Feelgood!!!! Esqueçam ver isso no cinema. Não rolará por aqui nunquinha da silva. Todos ao MAX então!

Franchico disse...

Porra, que merda! Meu plano da Embratel não contempla os canais Max / HBO! Dançei!

Cebola, o Barça só esqueceu da categoria "indie de bigode"! Ô racinha ridícula! Há décadas, uma das regras que norteiam minha formação enquanto ser pensante é: "nunca acredite numa pessoa de bigode". Seja homem ou mulher de origem lusitana. (Com o devido perdão das adoráveis seguidoras d'além mar deste humilde blog...)

teclas pretas disse...

putz, eu uso bigodes! pooo, chicón, pode confiar em mim, rapá...

G.

Franchico disse...

Ô! Foi mal, Glauber! Apesar do bigode, eu confio em vc! Até por que vc não é indie! ;-)

teclas pretas disse...

sou indiegente, hahahahaha

G.

Anônimo disse...

http://www.youtube.com/watch?v=JnakOGHB7oQ
inventividade fora do hype loshermanonista do rock brasileiro
Mustang direto do hell de janeura na canção Orion...
cláudio moreira

Anônimo disse...

e para fechar a tampa:turbonegro ao vivo...sem palavras!
http://www.youtube.com/watch?v=KNHHZ_dZn6Y&feature=related´
cláudio moreira

marciorocks disse...

Direto da Redação da allmusic.com:

February 16th, 2011 | 1:48 pm | Matt Collar

Big Star's Third/Sister LoversA concert is in the works by a bevy of artists to perform '70s cult rock icon Big Star's infamously troubled final album Third/Sister Lovers. Included in the live show are such artists as Norman Blake of Teenage Fanclub, Mitch Easter of Let's Active, Ira Kaplan of Yo La Tengo, and others. The concert, which will feature the album's entire tracklist as well as other Big Star and Chris Bell songs, is set to take place March 26th at Baruch College's Mason Hall in New York City.

Anônimo disse...

kkk transamba é a cara de Roney Jorge. phodástico

Franchico disse...

O maior sucesso do Carnaval baiano 2011 já foi gestado e ganhou as ruas. É um belo apelo de caráter sexo-ecológico. É uma canção singela, de grande sensibilidade e a sutileza tipicas do baiano. Chama-se - rufem os tambores - Amasse a latinha com o cu.

http://www.oinfernosaoosoutros.com/2011/02/o-hit-ecologico-do-carnaval-em-favor-da.html

A Bahia é linda, meu rei. Tô ligado, tô ligado, tô ligado, tô ligado, tô ligado, tô ligado, tô ligado.........

(Ops, peraí, acho que meu cérebro caiu no chão ali...)

Anônimo disse...

transamba é ronei?! pode até ser, mas ele é um cara talentoso...a síndrome los hermanos no rock brasileiro já acho mais marcante para o bem e mal nessa geração pop muical dos anos 00...só vejo clones, filhotes e decalques por aí...evidentemente, sem a inventividade da banda..acho o fenômeno um exemplo de modismo às avessas de efeito prolongado...
cláudio moreira

osvaldo disse...

quando se pensava que a chamada musica baiana ja tinha chegado ao fundo do poço em termos de bizarrice , eis que surge amasse a latinha com o cu!!! realmente...na bahia ya ya, mais bizzaro ainda é clipe que acompanha la no blog que chicão linkou.depois tem gente que fica ofendida quando pessoas de outros lugares se referem aos baianos de forma depreciativa.

marciorocks disse...

Eu vi!!!
Achei Lindo...

cebola disse...

Camaradas...vocês ainda caem nessa!? Taí a...errr, "música", citada no rock loco! Aí eles venceram de novo?

Franchico disse...

É aindignação, Cebola! Tem horas que não dá p/ segurar....

Franchico disse...

Porra, será que esse doc chega por aqui? A VH1 Brasil bem que poderia exibir isso, já que exibiu lá fora, né?

http://www.omelete.com.br/musica/lemmy-assista-ao-making-do-documentario-sobre-o-vocalista-do-motorhead/

Anônimo disse...

Senhores em molejo....o correto é "amasse a latunha com a bunda"...com o cu vcs fazem outra coisa....lindaaa!

Franchico disse...

Amanhã, terça 22 de fevereiro, leiam entrevistão de página inteira com o grande Sérgio Dias (Mutantes), no periódico da Tankred Snows Avenue.

Amanhã tb, JURO, tem post novo por aqui.

Sério mermo!

marciorocks disse...

Chico, amanhã também, JURE que você vai estar no TUESDAY AUTONOMOUS ZONE, seu relapso...

Franchico disse...

...

cebola disse...

!