sexta-feira, setembro 14, 2007

SUANDO A CAMISA HAVAIANA

Capitão Parafina & Os Haoles lançam CD que bate a maior onda


Separe sua melhor camisa florida, seu bermudão mais berrante e deixe seu pranchão a postos, pois hoje o mar estará propício a altos tubos e manobras radicais. A trilha sonora já está garantida com o CD do Capitão Parafina e Os Haoles, tranqüilamente uma das melhores novidades do rock baiano dos últimos tempos.


O power trio, formado pelo próprio Capitão (guitarra e vocais) e Os Haoles Topa (bateria) e C.H. (baixo), lança hoje, com um show gratuito na Saraiva Megastore (Shopping Salvador), seu primeiro disco. Frutos do Mar, o CD, é um refrescante sopro de brisa marinha, criatividade e despretensão (no melhor sentido da palavra) no sempre subestimado e desprezado cenário rockeiro local. Leve, acessível e muito bem produzido por Tadeu Mascarenhas, o CD é uma delícia praieira do início ao fim, alternando faixas instrumentais com outras vocais.


As músicas são curtas, diretas, dançantes, bem humoradas - por vezes até românticas - e exalam uma aparente simplicidade que dotam o trabalho de uma pegada pop inequívoca, tornando-o plenamente acessível ao grande público - como diversas outras bandas do rock local já o são, fato que o empresariado local finge não ver.


5 anos de praia - Formada em 2002 pelo Capitão e Topa, a CP&H surgiu como surgem 99% das boas bandas de rock, seja aqui ou no Havaí: "Fizemos a banda pra farrear, pra gente se divertir mesmo, sem qualquer pretensão", conta o band leader.


O primeiro show foi no final daquele mesmo ano, na festa de reveillon na casa de praia de um amigo. "A repercussão foi tão boa, que começamos a fazer vários shows por aí. Aí a coisa começou a ficar séria", lembra o Capitão.


Séria, mas não chata. O Capitão começou a se esmerar em compor músicas próprias, inspirado nas suas influências de bandas como João Penca & Seus Miquinhos Amestrados, Ultraje a Rigor, Os Ostras, e é claro, Beach Boys e os patronos da surf music local, os Retrofoguetes, com quem hoje compartilham o mesmo baixista, C.H.


A partir daí, a trajetória da banda pode ser resumida naquela frase batida, mas que quase ninguém aplica: "não sabendo que era impossível, foi lá e fez". Em vez de ficar reclamando da falta de espaço para tocar, o grupo tocou em todos os lugares possíveis: do Nhô Caldos à boate Fashion Club, além de Belo Horizonte e Aracaju.


"A gente não tinha essa, ligava pras produtoras queixando mesmo. Já tocamos em lugares em que bandas com muito mais tempo de estrada que a gente nunca tocou", revela o Capitão do rock.



12 tubos auditivos alucinantes


Dentro de uma concha de aparente despretensão e simplicidade, esconde-se uma pérola musical muito bem resolvida - na concepção, execução e produção. Assim pode ser descrita a estréia do Capitão Parafina & Os Haoles.


A produção de Tadeu Mascarenhas, uma das peças fundamentais no processo de profissionalização do rock local, junto aos seus colegas andré t e Jera Cravo, tem tudo a ver com isso, chegando até mesmo a sofisticação de encaixar no som simples e direto da banda instrumentos como escaleta, trumpete, trombone, sax tenor, sax barítono, piano, violoncelo e calimba.


Despretensão? Pois sim.


O resultado que sai das caixas de som é um CD redondinho, em que é simplesmente impossível pular qualquer uma das 12 faixas, pois todas são igualmente boas - e melhor ainda, diferentes entre si.


Não há aquelas músicas supérfluas que só servem para preencher o disco, algo tão comum no rock contemporâneo, onde as bandas hypadas - pela crítica sulista e seu patético séquito virtual de vaquinhas de presépio - apresentam um ou dois hits e o resto só enche lingüiça e a paciência dos ouvintes.


Aqui, não. Mesmo ensolarado, o disco é uma obra coesa - todas as faixas fazem sentido. É um passeio pelo dia-a-dia praieiro e a imaginação fértil desses garotos de praia.Há o romantismo deslavado de Um Amor Como o Seu, o swing pesado à la Rocket From The Crypt de Fugindo Desesperadamente de Um Helicóptero Malvado Na Densa Selva Sombria e Úmida Com Muitos Perigos (ufa!), o pop sofisticado de Ode à Califórnia, o tributo inconsciente aos Retrofoguetes de Comer Caranguejo é Delicioso, Mas Arranha a Virilha e o desarranjo intestinal de Surf Bosta. São 12 belas ondas, e todas elas rendem grandes tubos. Na dúvida, pegue todas.


Frutos do Mar
Capitão Parafina & Os Haoles
R$ 17, 90
www.palcomp3.com.br/capitaoparafina
www.capitaoparafina.com.br/

7 comentários:

osvaldo disse...

fim de semana fueda.começa ai com os parafina , despues Koyotes no Rock Sandwich, no sabado mais uma faço um set no icba , na feira hype, que tb tera um duelo fuderoso da dupla de dois jan x boris, despues tem os mizeravao no world bar(com direito a niver de adriana,yara,carol,leao e cassia)e ainda no mesmo dia na zauber retrofoguetes e cascadura.acho que vou pra igreja.

miwky disse...

salvador, uma das cenas de rock mais paradas do país.

sim, já li isso.

cebola disse...

pra completar, domingo, nós, da Berlinda, junto com Apu, e mais participações especialíssimas, terminaremos as gravações de nosso ep. Vozes, coros e outros temperos. Nas guitarras já tivemos o prazer de contar com participações do próprio Apu, mais Candido( Cascadura )e da lendária Fender Strato vermelha de mestre Emerson Borel. É, acho que o Rock de Salvador tá rolando. E, olhem só que curioso, as bandas estão trabalhando!!

cebola disse...

Pra maiores detalhes, letras, etc. visitem lá: www.fotolog.com/bandaberlinda

Franchico disse...

Assassinaram com um tiro na cabeça um dos colaboradores do site Fanboy, do qual participo com resenhas mensais da revista Marvel Max.

José Francisco de Assis Junior, o Shiko, só tinha 21 anos e tomou um tiro na cabeça durante um assalto a uma lan house em Porto Velho, Rondônia, onde morava, na madrugada de 13 para 14 de setembro.

Aqui a notícia do Fanboy:
http://www.fanboy.com.br/modules.php?name=News&file=article&sid=736&mode=&order=0&thold=0

E aqui a notícia do assalto, em um jornal de Rondônia:

http://www.correiopopular.com.br/cppolicia.htm#Assaltantes atiram na cabeça da vítima

Não o conhecia pessoalmente, mas estava acostumado a ler suas resenhas bem humoradas e bem escritas no site. Uma vez ele brincou comigo, dizendo que tinha muitos Chicos no Fanboy.

Sinto muito que alguém tão jovem e que provavelmente tinha tanto em comum comigo tenha morrido de forma tão escrota e violenta.

R.I.P.
Shiko.

Franchico disse...

O negócio é cruzar os dedos, que uma hora essa série de Preacher na HBO vai rolar - e rolar bonito...

http://www.omelete.com.br/teve/100008001/Brian_De_Palma_e_David_Cronenberg_podem_dirigir_episodio_piloto_de_Preacher.aspx

marcos rodrigues disse...

Theatro de Séraphin e The Budas

Dia 22, Sabado, 15h30
Rock'n'Sandwich (Rio Vermelho, em frente à McDonalds).

Entrada franca (até o limite da reduzida capacidade do espaço).