segunda-feira, julho 23, 2007

OS ORGASMOS CEREBRAIS DO SR. MOORE

Atire a primeira pedra o garoto que nunca foi apaixonado pela Branca de Neve. Ou a menina que nunca suspirou pelo Príncipe Encantado. Os contos de fadas que embalam a infância na cultura ocidental, defendem alguns, não passam de metáforas suavizadas - e distorcidas ao longo dos séculos - para um certo imaginário de despertar sexual. Não a toa, o Lobo Mau queria comer a Chapeuzinho Vermelho, o nariz do Pinóquio crescia quando ele mentia e a Bela Adormecida foi despertada para a vida pelo beijo de um belo rapaz.



Sob esta ótica, não causa tanto espanto a abordagem erótico-pornográfica utilizada pelo escritor inglês Alan Moore em sua obra Lost Girls, sobre três personagens clássicas da literatura infantil anglo-saxônica, cujo primeiro volume (de três) acaba de ser lançado no Brasil pela Devir Livraria. A polêmica HQ flagra Dorothy, de O Mágico de Oz (de L. Frank Baum e W.W. Denslow), Alice, de Alice no País das Maravilhas e Através do Espelho (de Lewis Carroll) e Wendy, de Peter Pan (de J. M. Barrie) nas mais diversas e exóticas situações - e posições.


Lost Girls é um antigo projeto de Moore e sua esposa, a artista Melinda Gebbie, que assina os desenhos do livro iniciado em 1989 com a intenção expressa do autor de, em suas próprias palavras, "colocar a pornografia e o erotismo em local digno dentro da cultura contemporânea". Fichinha para quem, desde o início dos anos 80, tem sido um dos grandes responsáveis por garantir um lugar nobre na cultura contemporânea para outra forma proscrita de arte - as próprias HQs - ao assinar obras geniais do porte de Watchmen (atualmente em pleno processo de adaptação para o cinema), V de Vingança, Do Inferno, A Liga dos Cavalheiros Extraordinários e Monstro do Pântano - para ficar só nas mais populares.


Neste primeiro volume, acompanhamos as três protagonistas já adultas chegando a um hotel na Áustria em 1916, época da 1ª Guerra Mundial, o que gera um grande plano de fundo, um clima de "viva agora, amanhã sabe-se lá". Por meio de uma série de encontros fortuitos e pequenas conversas no restaurante do hotel, as três acabam se conhecendo e se reconhecendo entre si, através das suas extraordinárias experiências em comum. Ainda que estas experiências não sejam exatamente aquelas vistas nos desenhos animados clássicos da Disney ou lidas nas obras originais em si.


Na visão de Moore para as personagens, Alice sofreu abuso sexual na infância por um amigo de seu pai - corroborando as suspeitas de pedofilia que até hoje pairam sobre o vulto de Lewis Carrol, que adorava fotografar menininhas. Na HQ, bêbada pelo vinho oferecido pelo velho safado, Alice teve um delírio sexo-etílico durante o ato praticado defronte ao espelho de sua casa, mergulhando, através dele, para uma outra realidade. Já Peter Pan era um moleque safado que zanzava pelo Hyde Park de Londres e iniciou sexualmente Wendy - e também seus irmãos Miguel e João. Daí o vôo dos Garotos Perdidos na obra original, uma metáfora para a descoberta do sexo. O que aliás, como Alice nota em certa passagem, bate perfeitamente com a então recente noção freudiana de que o sonho de voar nada mais é do que uma referência ao desejo sexual. Quanto à Dorothy, a caipira do Kansas, esta descobriu o prazer lúbrico ao se ver encurralada em casa por um tornado. Se for para morrer, que seja com um sorriso nos lábios. Em O Mágico de Oz, é um tornado que leva a pequena Dorothy para o país de Oz.


Se em suas obras anteriores Moore nos mostrou que os quadrinhos podiam ser muito mais do que uma diversão ligeira e pueril, em Lost Girls ele faz o mesmo não só pelos quadrinhos eróticos, mas pela própria pornografia em si, demonstrando-a apta a receber roteiros consistentes, coalhados com as mais diversas referências que, aliás, ele sempre distribuiu com generosidade pelos seus quadrinhos. Parece que em Lost Girls, Moore quer elevar a arte dos quadrinhos eróticos ao nível da melhor literatura do gênero, de autores como D.H. Lawrence e Anaïs Nïn. Resta esperar que a obra seja lançada em sua totalidade, já que restam dois volumes, para que os leitores brasileiros descubram se o autor atingiu o seu intento.


ATRAVÉS DO ESPELHO - Nada é gratuito em Lost Girls. O roteiro não é, como nas obras de outros mestres do erotismo nas HQs como Manara e Crepax, uma mera desculpa para mostrar em seqüência cenas e mais cenas de sexo sem que haja muita ligação entre elas. Em Lost Girls, a história segue uma bem amarrada progressão dramática que faz o leitor realmente se interessar pelo destino das personagens naquele cenário de ruptura da sociedade européia - no caso, a 1ª Guerra.


Outra característica notável do autor - não só na obra em questão, mas em todas as suas HQs - é conceder igual importância para forma e conteúdo, o que aqui originou a primeira história (supostamente) pornográfica que prende pela narrativa e não pelas apenas pela excitação sexual. Moore tem uma capacidade inaudita de explorar ao máximo as possibilidades narrativas e gráficas da mídia, leiautando páginas como se fossem quadros, que tanto podem ser apreciados individualmente, quanto causam maravilhamento quando observados (mais até do que "lidos") em seqüência. Ele mesmo já se auto-definiu como um formalista, alguém que explora, expande e estica tanto quanto possível a forma.


Um exemplo é a seqüência de abertura, onde a "câmera" focaliza apenas o espelho de Alice, e através dele, acompanhamos a jornada da personagem, desde seu exílio na África do Sul até sua volta à Europa. Sua reaproximação com o espelho - e o mundo da fantasia sexual - é plenamente simbolizada através daquelas 8 páginas, onde no início ela mal aparece. No final do capítulo, seu retorno é selado com um beijo em si mesma – através do vidro do espelho.


NÃO PARE AGORA - Em todas as entrevistas que deu para falar de Lost Girls, Moore sempre enfatizou que se tratava de pornografia mesmo, cenas explícitas e coisa e tal. Um exagero proposital do autor para causar um auê e chamar a atenção da mídia. Serviu tanto para engordar as vendas dos livros, que afinal, saíram por uma editora pequena, independente (Top Shelf) e também para ele lançar seu debate sobre pornografia na sociedade britânica - existe um longo e incrível ensaio de sua autoria abordando a questão na revista on line Arthur, facilmente localizável na internet em formato pdf.


A verdade é que Lost Girls pode ser tudo, menos pornografia. E olha que tem sexo de tudo que é categoria e nas mais variadas posições ao longo de seus três volumes. Só no primeiro, há lesbianismo, adoração dos pés, voyerismo, exibicionismo, incesto, sexo infantil e pedofilia. Moore explicou em entrevista recente que sua intenção e de Gebbie era abordar o sexo em todas a suas facetas, formas e cores, das mais gloriosas às mais sórdidas. E eles conseguem.


Só que é tudo mostrado com muita delicadeza - de uma forma que, apesar de sempre parecer plasticamente muito bonita, é incapaz de causar o efeito básico da boa pornografia: excitação sexual genuína. A narrativa é tão persuasiva, elegante e sofisticada, que o que importa é continuar lendo e acompanhando a história, sem se deixar “distrair” pelo sexo ali praticado.


Dirigida pelos famosos roteiros obsessivamente detalhados - e as orientações sempre a mão - do maridão, Melinda Gebbie se utilizou das melhores referências e influências da arte da época em que se passa a história, como ilustradores pornográficos obscuros da era vitoriana e a art noveau do início do século XX. As cores são esplendidamente aplicadas, da forma mais careta possível nestes tempos cibernéticos: com guache, à mão. Não dá para sair mais bonito do que isso com photoshop.


O resultado é lindo de se ver. Mas isso é arte - artes plásticas, para ser mais exato. Não é sacanagem da boa, como os quadrinhos de Milo Manara, Giovana Casotto ou mesmo os catecismos do brasileiro Carlos Zéfiro.


Como pornografia, Lost Girls é incapaz de provocar uma ereção que seja - mesmo no mais doentio dos tarados - ainda que como arte seja um tesão. Ou, pelo menos, mais um orgasmo cerebral do senhor Moore.


Lost Girls - Livro Um: Meninas Crescidas. Formato: 21,0 cm X 28,0cm. 112 páginas. Capa dura (entendi o código!). R$ 65,00.

Matéria publicada no Caderno 2 do jornal A Tarde de 22 de julho de 2007.

16 comentários:

osvaldo disse...

parabens chicao,excelente materia, informativa, despertou minha curiosidade.

Franchico disse...

Valeu, Bramis! E esse podcast, meu bom?

O artigo de Alan Moore sobre pornografia pode ser baixado no endereço http://www.arthurmag.com/store/index.php?ID=31

O site Omelete, que deu a dica, traduziu dois trechinhos de dar água na boca:

Recapitulando, então: culturas sexualmente progressistas nos deram a matemática, a literatura, a filosofia, a civilização e todo o resto, enquanto culturas sexualmente reprimidas nos deram a Idade Média e o Holocausto. Não que eu queira exagerar nos meus argumentos, é claro.

A fantasia sexual é de graça para qualquer pessoa que ainda tenha um resquício de imaginação, mas o vídeo ou DVD pornô nos vende um substituto sem vida e sem brilho para algo que poderíamos ter criado nós mesmos, com satisfação bem maior. Isto, para as autoridades, deve ser a situação ideal da pornografia: ela deve ser livre, para girar a economia e gerar impostos, mas vista com maus olhos e vergonha, para que você não tenha outro Allen Ginsberg dizendo que isso é arte, ou direitos civis, um movimento, política, ou qualquer outra coisa que soe perigosa.

A notícia pode ser lida aqui:
http://www.omelete.com.br/game/21190/Leia_artigo_de_Alan_Moore_sobre_pornografia.aspx

marcos rodrigues disse...

Oi Chico,

Licença para um informe. Dois singles extraídos do EP da Theatro de Séraphin estão disponíveis para audição no MySpace.

'Doralice' e 'Sombras Chinesas' são músicas da primeira safra da Theatro e circulam por ai em versões piratas e outras nem tanto, ainda na versão do 'disco perdido' da banda.

As versões que estão no MySpace, por sua vez, são inéditas, ja' com as guitarras de Cézar Vieira e o auxílio luxuoso do piano de Fernando Cardel, da Koyotes.

http://myspace.com/theatrodeseraphin

Franchico disse...

Marcão, tá classe A o som! César é guitar hero! O som da guitarra tá fodástico.

Franchico disse...

Esse Angeli é um psycho. 20 anos depois de matar Rê Bordosa, ele agora assassinou friamente Meiaoito.

http://blogdosquadrinhos.blog.uol.com.br/

Call 911!!

Franchico disse...

Rapaz, não vou dormir hoje. Setaro colocou uma foto de Sandro (Satã) de ressaca no blog dele, que é a coisa mais assustadora e horripilante que eu vi nos últimos 35 anos. É próprio cramuião!

http://www.setarosblog.blogspot.com/

Franchico disse...

Lista das 100 melhores covers de todos os tempos, pelo jornal NY Post. Notícia do Omelete:
http://www.omelete.com.br/musi/100006922/Jornal_elege_as_melhores_covers_da_historia_do_pop_e_do_rock.aspx

O mais curioso de todos é exatamente o número 100: Star Wars Theme, de John Williams, por Bill Murray.

?????????????

A LISTA:
1. "Stairway to heaven" - Dolly Parton (Led Zeppelin)
2. "Baby got back" - Jonathan Coulton (Sir Mix-A-Lot)
3. "Hazy shade of winter" - the Bangles (Simon and Garfunkel)
4. "Nothing compares 2 U" - Sinead O'Connor (Prince)
5. "Showroom dummies" - Señor Coconut & His Orchestra (Kraftwerk)
6. "Smooth criminal" - Alien Ant Farm (Michael Jackson)
7. "Personal Jesus" - Johnny Cash (Depeche Mode)
8. "Against all odds" - the Postal Service (Phil Collins)
9. "Easy (like sunday morning)" - Faith No More (the Commodores)
10. "Tainted love" - Soft Cell (Gloria Jones)
11. "Tainted love" - Marilyn Manson (Gloria Jones)
12. "Under pressure" - My Chemical Romance and the Used (Queen and David Bowie)
13. "Mah na mah na" - Cake (Piero Umiliani)
14. "Wicked game" - H.I.M. (Chris Isaak)
15. "Please, please, please let me get what I want" - Muse (the Smiths)
16. "Blue monday" - Orgy (New Order)
17. "Satisfaction" - Devo (the Rolling Stones)
18. "I want candy" - Good Charlotte (the Strangeloves)
19. "How soon is now?" - Love Spit Love (the Smiths)
20. "Smells like teen spirit" - Paul Anka (Nirvana)
21. "Walk" - Avenged Sevenfold (Pantera)
22. "Let down" - Radiodread (Radiohead)
23. "Crazy train" - Bullet for My Valentine (Ozzy Osbourne)
24. "All along the watchtower" - Jimi Hendrix (Bob Dylan)
25. "Helpless" - k.d. lang (Neil Young)
26. "Louie Louie" - the Kingsmen (Richard Berry)
27. "Alabama song (Whiskey Bar)" - The Doors (Weill/Brecht)
28. "Wonderwall" - Ryan Adams (Oasis)
29. "Take me to the river" - Talking Heads (Al Green)
30. "Walk this way" - Run DMC (Aerosmith)
31. "Me and Bobby McGee" - Janis Joplin (Kris Kristofferson)
32. "Gloria" - Patti Smith (Van Morrison's Them)
33. "I fought the law" - the Clash (Bobby Fuller Four)
34. "Star-spangled banner" - Jimi Hendrix (Francis Scott Key)
35. "Only love can break your heart" - Saint Etienne (Neil Young)
36. "Bring tha noize" - Anthrax (Public Enemy)
37. "Satisfaction" - Cat Power (Rolling Stones)
38. "You're no good" - Linda Ronstadt (Betty Everett)
39. "Another brick in the wall Parts 1, 2, 3," - Korn (Pink Floyd)
40. "Hallelujah" - Jeff Buckley (Leonard Cohen)
41. "My way" - Sid Vicious (Frank Sinatra)
42. "Always on my mind" - Pet Shop Boys (Brenda Lee)
43. "Oh, Pretty woman" - Van Halen (Roy Orbison)
44. ". . . Baby one more time" - Travis (Britney Spears)
45. "Boys of summer" - the Ataris (Don Henley)
46. "Eight miles high" - Roxy Music (the Byrds)
47. "Superstar" - Sonic Youth (the Carpenters)
48. "John the revelator" - Depeche Mode (Spiritual)
49. "My favorite things" - John Coltrane (Mary Martin)
50. "If you leave" - Nada Surf (OMD)
51. "Everybody's talking" - Harry Nilsson (Fred Neil)
52. "Respect" - Aretha Franklin (Otis Redding)
53. "Crazy Mary" - Pearl Jam (Victoria Williams)
54. "Working class hero" - Green Day (John Lennon)
55. "Comfortably numb" - Scissor Sisters (Pink Floyd)
56. "Jolene" - the White Stripes (Dolly Parton)
57. "Darling Nikki" - Foo Fighters (Prince)
58. "Spider-Man" - the Ramones (for 1967 TV cartoon series)
59. "I Will always love you" - Whitney Houston (Dolly Parton)
60. "It was a very good year" - William Shatner (Frank Sinatra)
61. "Sweet child o' mine" - Luna (Guns N' Roses)
62. "Landslide" - Dixie Chicks (Fleetwood Mac)
63. "King of the road" - R.E.M. (Roger Miller)
64. "Nobody does it better" - Radiohead (Carly Simon)
65. "(What's so funny 'bout) peace, love & understanding" - Elvis Costello and the Attractions (Nick Lowe)
66. "Stop your sobbing" - the Pretenders (the Kinks)
67. "I shall be released" - The Band (Bob Dylan)
68 . "Chelsea hotel" - Lloyd Cole (Leonard Cohen)
69. "Proud Mary" - Ike and Tina Turner (Creedence Clearwater Revival)
70. "Just" - Mark Ronson with Alex Greenwald (Radiohead)
71. "Jimmy loves MaryAnn" - Josie Cotton (Looking Glass)
72. "Lucy in the sky with diamonds" - Elton John (The Beatles)
73. "Venus" - Bananarama (Shocking Blue)
74. "Jackie Blue" - Smashing Pumpkins (Ozark Mountain Daredevils)
75. "Love hurts" - Nazareth (the Everly Brothers)
76. "Blinded by the light" - Manfred Mann's Earth Band (Bruce Springsteen)
77. "Baker street" - Foo Fighters (Gerry Rafferty)
78 "Ain't that a shame" - Cheap Trick (Fats Domino)
79. "By the time I get to Phoenix" - Isaac Hayes (Glen Campbell)
80. "Dear Prudence" - Siouxsie and the Banshees (The Beatles)
81. "Twist and shout" - The Beatles (the Isley Brothers)
82. "Helter Skelter" - U2 (The Beatles)
83. "Imagine" - A Perfect Circle (John Lennon)
84. "Eleanor Rigby" - Thrice (The Beatles)
85 "Live and let die" - Guns N' Roses (Wings)
86. "With a little help from my friends" - Joe Cocker (The Beatles)
87. "Hurt" - Johnny Cash (Nine Inch Nails)
88. "Enjoy the silence" - Lacuna Coil (Depeche Mode)
89. "I will survive" - Cake (Gloria Gaynor)
90. "Rock the casbah" - Rachid Taha (the Clash)
91. "Sex (I'm a)" - Peaches (Berlin)
92. "Caldonia" - Mos Def (Cab Calloway)
93. "Wasted" - Camper Van Beethoven (Black Flag)
94. "Low rider" - Drunken Boat (War)
95. "Turn, turn, turn" - the Byrds (Pete Seeger)
96. "Don't give up" - Willie Nelson & Sinead O'Connor (Peter Gabriel & Kate Bush)
97. "Glamorous life" - the Fever (Sheila E.)
98. "Stairway to heaven" - Rodrigo y Gabriela (Led Zeppelin)
99. "Since U been gone" - Ted Leo (Kelly Clarkson)
100. "Star wars theme" - Bill Murray (John Williams)

Franchico disse...

Aí, Bramis! A gente não tá fazendo, mas o Clube do Rock tá...

Olá, Tudo Bem??

Nós, da ACCRBA (Associação Cultural Clube do Rock da Bahia), entidade ativa há 14 anos, vimos através deste solicitar a gentileza de divulgar mais uma das nossas empreitadas. Trata-se da RÁDIO / PODCAST, que já está na sua segunda edição. Para ouvir, é só acessar nosso site no www.accrba.com.br e clicar no menu.

Há muito, as bandas reclamam e buscam espaços para tocar suas músicas. Sabemos que este é só mais um passo em busca da difusão de muitos trabalhos das bandas de Rock emergentes. Esta 2ª edição já vem mobilizando uma boa audiência. A renovação de cada programa é quinzenal. A proposta é tocar as bandas independentes da Bahia mesclando com as de todo Brasil, junto a muita informação e cunho social. Confiram as bandas da 2ª Edição: Metropolis, Desrroche, Ricardo Primata (Ritmia), Órbita Zero, Eletrotech Jazz Band, Pastel de Miolos, Replicantes, Meteora, Nomin, Aqueronte, Jolly Joker (PA), Delinquentes (PA), Playground (SP), Maldita (RJ), Levant (CE). O estilo destas bandas são muito diversificados, partindo do Doom / Death Metal, Hardcore até o Pop Rock.

Cultivamos um acervo de mais de 600 Cd's de diferentes bandas de diversos estilos vindos de todo Brasil. Com a RÁDIO / PODCAST, poderemos somar mais correspondendo ao público e bandas. O "serviço" é gratuito, e não trabalhamos com preferências de estilos. Os materiais com boa qualidade enviados à ACCRBA para inscrição no PALCO DO ROCK ou ao longo do ano serão utilizados na RÁDIO / PODCAST. Caso alguma banda que não tenha enviado material tenha interesse em participar, pode mandar pra o seguinte endereço: Ruas Dias Gomes, n.02, Sala 04, Piatã, Salvador, Bahia. Cep 41650-310

Agradecemos a atenção.

SITE: www.accrba.com.br
FOTOLOG: www.fotolog.com/accrba
ORKUT: www.orkut.com/Community.aspx?cmm=5760159
MSN: accrba@hotmail.com
SKYPE: accrba

Abraços,
Sandra de Cássia e Gabriel Amorim
Presidência ACCRBA

Nei Bahia disse...

Chicão, isso é sério, Podcast conjunto urgente, aqui é casa ou em qualquer batlocal, antes que a caravana passe.....


Pode me ligar pra confirmar, estou de molho em casa!!!

cebola disse...

opa, quero ir nesse tb, viadinhos queridos.

marcos rodrigues disse...

Se ainda havia algum impedimento pra sepultar o rótulo 'indie', tem-se mais dois bons motivos. Sonic Youth e Wilco, venderam para a Starbucks e a Volkswagen, respectivamente, os direitos autorais de algumas de suas músicas para uso em publicidade. Hora mesmo de parte do rock parar de bancar ser a palmatória do mundo. Além do mais, o 'frapuccino' da Starbucks é muito bom....calma, companheiros...

http://www.elmundo.es/elmundo/rockandblog.html?a=517c30d7e0b26770bf7e792978a9296e&t=1185440871

cebola disse...

óia, primeiro Mr. Mccartney, agora sonic youth. Pelo menos até agora a starbucks tá botando pra fuder. Quanto à suposta "pureza" indie, esse discurso já não estava morto e enterrado? Ou alguém aí ainda acreditava??

marcos rodrigues disse...

Deveria né? Mas pelo texto no blog do El Mundo acho que o colunista ainda tem la' as duvidas dele.

Franchico disse...

Quando, Nei Bahia?

Franchico disse...

Esses gaúchos são todos uns porras-loucas....

Pessoal!

Olha que afudê que foi o flashrock!
Escrevi um textinho ajudem a divulgar! Mandem pros amigos do rockk!!!!

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>


Imagina estar saindo de uma festa, depois de ter tomados umas e
outras, azarado as gatinhas, aprontado todas...Aí no meio do caminho,
na frente de um monte de casas e embaixo de uma parada de ônibus tem
uma banda tocando rock com volume muito alto. Uma barulheira, cheio de
gente em volta, os vizinhos acordados. Homens, mulheres, crianças
curtindo rock!!! E isso que já se passavam das 4 da manhã! Ao mesmo
tempo em que a banda tocava, outros caras grafitavam o anúncio da
parada de ônibus.

Isso foi o Flashrock. Uma galera em volta sem saber direito o que tava
se passando acabou assistindo essa subversão no meio da madrugada pra
comemorar o dia do rock. Recebi um vídeo contando o que era o tal
Flashrock (o link tá abaixo). Objetivo: fazer um som, deixar a marca
no lugar e filmar tudo antes que a polícia chegue e acabe com tudo.
Deixar a marca do rock n' roll e da atitude rock pela cidade.

Aí vai o vídeo do que foi o Flashrock, a banda é a Ultramen. É uma
banda bem legal lá do Sul.

link: http://www.youtube.com/watch?v=unPfs-bdP_I


Ah! Destaque pra um cara vestido de Alce no vídeo! O cara com um
sinalizador na mão e parece que a qualquer momento vai pegar fogo!

junto com o release e o link do vídeo da ultramen, coloca tbm as fotos
e os links abaixo.
http://flashrock.wordpress.com
vídeo explicação flashrock - http://www.youtube.com/watch?v=D0-LcLjggs8

Franchico disse...

Atrasadinho. Mas dane-se. Taí, gostei:

www.myspace.com/1990sband