domingo, julho 15, 2018

JUNTOS E SEPARADOS

Edu Lobo, Dori Caymmi e Marcos Valle releem obras uns dos outros em belo álbum conjunto. Cada um na sua, gravaram pérolas dos repertórios alheios

Edu, Marcos e Dori na foto de Clara Nascimento
Membros do primeiro escalão da MPB e setentões, Edu Lobo, Dori Caymmi e Marcos Valle são homens de outro tempo, de outro século.

Essa característica meio que marca  seu primeiro (e belo) álbum conjunto, Edu Dori & Marcos.

Amigos de longa data – há mais de 50 anos – os três cantores / compositores até já chegaram a formar um trio lá nos anos 1960, mas de rápida duração e sem registro fonográfico.

Antes tarde do que nunca, o álbum lançado agora pela Biscoito Fino é bem-vindo.

O reencontro musical foi em 2016, quando Marcos Valle fez dois shows (Rio e SP) em parceria com a cantora norte-americana Stacey Kent.

“Aí o Marcos nos convidou para participar. Acontece que a Sônia,  irmã do Edu (Lobo)  trabalha com a Kati Almeida Braga, da Biscoito Fino. A Kati se interessou em fazer o disco e cá estamos nós”, conta Dori Caymmi por telefone, do Rio.

Com suas vozes intactas, cada membro do trio gravou quatro músicas cada, com duas regras valendo.

Primeira: cada um grava composições dos outros dois.

Segunda regra: não houve encontros no estúdio entre os três. Cada um arranjou, produziu e  gravou suas músicas escolhidas do próprio jeito, sem qualquer interferência dos outros dois.

“A deia é que ninguém ia tomar conhecimento do trabalho do outro. Então o disco traz a visão de cada um a respeito das músicas do outro. E chegamos à conclusão de que seria assim mesmo. Cada um decidiu seu repertório, seu arranjador e seus músicos”, detalha o filho do meio de Dorival.

O repertório, escolhido a dedo, evita lugares-comuns e é primoroso. Edu canta pérolas como Na Ribeira Deste Rio (poema de Fernando Pessoa musicado por Dori) e Viola Enluarada (dos irmãos Marcos e Paulo Sérgio Valle).

Dori bota seu vozeirão a serviço de  Bloco do Eu Sozinho (Marcos Valle e Ruy Guerra) e Na Ilha de Lia No Barco de Rosa (de Edu Lobo e Chico Buarque).

E Marcos Valle vai de Canto Triste (de Edu e Vinícius) e Alegre Menina (de Dori, com letra de Jorge Amado).

Nos arranjos, ênfase nas cordas, sopros e percussão sutil. O resultado são doze faixas que escorrem calmas como as águas  de um regato, massageando ouvidos e coração.

“Não sou de música animada, então procurei gravar as composições mais tranquilas do Edu e do Marcos, como  Na Ilha de Lia No Barco de Rosa e Dos Navegantes (ambas de Edu)”, conta Dori.

“Em algumas delas cabia umas cordas. Por mim, faria com uma  formação enorme (de músicos), mas não tinha dinheiro pra isso, então  fiz com um quarteto  de cordas nas músicas do Edu e outro de  sopros nas do Marcos”, detalha.

Interação, não!

Apesar do resultado inegavelmente bonito, o método “cada um na sua” adotado pelo trio resultou também em uma certa frieza – algo que não passou despercebido pela crítica.

“A  imprensa em geral achou que deveríamos ter interagido. Eu acho essa palavra – interação – um lixo. Achei que a liberdade de fazer o que pensa da música do outro era mais importante”, afirma Dori.

“O disco ficou legal e nós não interagimos talvez por que eu não gosto da palavra. Eu não interajo”, acrescenta o músico, caindo na risada.

A possibilidade de incluir pelo menos uma faixa cantada pelos três juntos chegou a ser aventada, mas, infelizmente, não avançou.

“Chegamos a cogitar, mas aí era complicado. Que música vamos cantar? Se for do Edu, preocupa Marcos e Dori. E daí por diante”, conta.

“Aí para ser de outra pessoa tinha a ideia de ser uma do Tom (Jobim), que era nosso mentor, mas isso morgou logo, não vingou. Então não levamos adiante essa coisa de interagir”, crava Dori.

Se não se encontraram no estúdio, que tal então um encontro ao vivo – de preferência no palco do Teatro Castro Alves, em Salvador?

“(Uma possível série de shows) Ainda esta em discussão, o pessoal está procurando fazer. O Edu já disse que não quer fazer show em lugar com mesa pra nego beber e comer croquete. Nosso som é coisa para teatro. Sentar e apreciar em silêncio”, conclui.

Edu, Dori e Marcos / Edu Lobo, Dori Caymmi e Marcos Valle / Biscoito Fino / R$ 34,50

6 comentários:

rodrigo sputter disse...

comentei no blog e dessa vez foi...mas foi em outro computador...será que o netbook dos anos 50 q tenho em casa tá barreado???

Rodrigo Sputter disse...

tenha medo:

https://br.noticias.yahoo.com/bolsonaro-lidera-disputa-presidencial-mesmo-em-cenario-com-lula-mostra-pesquisa-131303769.html

o último a sair apague a luz

rodrigo sputter disse...

rapaz, quando comento no meu netbook do século 19 num vai, quando comento de outro vai...vai entender...cara...pqp...eu sou um imbecil, mas quando vejo isso, penso que nem sou tudo isso que penso...esse mundo tá perdido...

https://www.metropoles.com/colunas-blogs/tipo-assim/julio-cocielo-abriu-a-tampa-do-esgoto-postado-no-youtube


vou ver até se meu passado me condena:

https://www.metropoles.com/vida-e-estilo/celebridades/apos-atacar-julio-cocielo-posts-homofobicos-de-gagliasso-vem-a-tona

segura o saco de vomito:

https://www.youtube.com/watch?v=M7vR8eILofg

https://www.youtube.com/watch?v=N2oIyF1N6bQ

e os cara ganham dinheiro com essas merdas ainda...vou parar de fazer arte...

rodrigo sputter disse...

https://www.metropoles.com/brasil/blogueiro-compara-jaden-smith-a-flanelinha-e-e-acusado-de-racismo

e a coisa fica pior...

rodrigo sputter disse...

https://www.youtube.com/watch?v=cpP0q_8ie7A

maldita insonia...me faz ver merda...claro que nao vejo nem um minuto...mas num sei se é piada ou "verdade"...se o cara é idiota, maluco, insano...ou acredita nesta paranóia toda...

Franchico disse...

Ridículo demais esse cara,velho. Chega a ser caricato. Fosse só isso, até tudo bem. Mas é esse tipo de cuzao fdp que tem feito pais deixarem de vacinar seus filhos, com suas fake news paranoicas ditas em tom solene. Se poupe e me poupe de mais este lixo. E por favor, não compartilhe isso com mais ninguém....