domingo, maio 04, 2014

RIP JANJÃO DE ARATUÍPE

Humilde obituário, publicado ontem no Caderno 2+ do jornal A Tarde, (ironicamente) no mesmo espaço que abrigava a coluna de lançamentos em DVD de João.

Fosse a vida menos imprevisível e mais justa, este espaço estaria abrigando hoje mais uma coluna de lançamentos em DVD do jornalista e crítico de cinema do Caderno 2+, João Carlos Sampaio.

Infelizmente, ele morreu no início da manhã de ontem (sexta, 2 de maio).

João estava em Recife, cobrindo o festival de cinema CinePE, como fazia há muitos anos. Por volta das 4h30 da manhã, começou a passar mal no seu quarto de hotel.

“Ele então ligou para um amigo, o Carlinhos, do Canal Brasil, que o acudiu e me acionou. Chamei meu motorista, que os levou imediatamente para o Real Hospital Português”, conta Alfredo Bertini, organizador do Festival CinePE.

Alfredo correu de sua casa para o Hospital. “Me acordaram às 5h15. Cheguei no RHP às 5h55 e Carlinhos me recebeu chorando. O horário de registro de óbito foi às 6 da manhã”, diz.

“O que me informaram foi que ele teve uma parada cardiorrespiratória a 500 metros do hospital. A equipe de emergência tentou de tudo: massagem, choque (desfibrilador), injeção de adrenalina”, conta.

Após entrar em contato com conhecidos do jornalista, sua família, que mora em Aratuípe (220 quilômetros de Salvador), foi informada.

“O irmão dele, Antônio, estava em Fortaleza e chega em Recife às 16 horas. Estamos vendo se conseguimos embarca-lo para Salvador ainda hoje”, conta Alfredo.

Seu último contato com João foi na noite de quinta-feira. “Falei: ‘João, quero conversar com você. Vamos almoçar amanhã’, e ele concordou. É que eu vou fazer meu primeiro filme e ele ia fazer um papel, um bicheiro”.

Expressão da baianidade

Amigo de longa data de João, Alfredo conta que o baiano chegou a ser curador do seu festival um ano. “Tínhamos uma relação muito próxima, estamos todos muito abalados”, diz.

Em Salvador, a consternação é geral entre amigos, colegas e leitores. “João era um apaixonado por cinema. Pensava em cinema de dia, de tarde e de noite”, diz o cineasta Cláudio Marques.

“Mais do que um amigo, perdi um grande companheiro do cinema. Para o cinema baiano, sua perda abre um buraco, uma ferida exposta”.

“Só penso nele com alegria e agradeço a sorte de ter tido essa pessoa maravilhosa, sorridente e brincalhona entre nós”, diz.

O também crítico de cinema e ex-editor do Caderno 2+ Adalberto Meireles lembra que João uma vez lhe disse que tinha pressão alta. “Mas não sei se tomava remédios para controlar”, diz.

“João representava a força da crítica baiana dos anos 1990 para cá. Antes tínhamos André Setaro e o José Augusto Berbert. João deu um passo adiante e passou a representar a crítica baiana nacionalmente, em todos os festivais. Que grande perda”, afirma Adalberto.

Além do amor ao cinema, seu espírito leve era sua maior característica. Todos os seus amigos lembrarão do seu sorriso fácil pelo resto da vida, incluindo os colegas de fora da Bahia.

“Sempre alegre, feliz, matreiro, de uma inteligência refinada, uma ironia sem agressividade. Minha mulher disse tudo: nunca vi o João triste”, escreveu Luiz Zanin, do Estado de S. Paulo.

Outro crítico do mesmo jornal, Luiz Carlos Merten, notou que João era “a própria expressão da baianidade. Simpático, bonachão, chegou a ser ator no curta MPB – A História Que não Foi Contada, de André Morais”, escreveu em seu blog.

Natural de Aratuípe, João veio morar em Salvador nos anos 1980.

Estudou no Colégio Maristas e cursou Jornalismo na Facom - Ufba, formando-se no ano de 1991.

Passou pelo extinto jornal Bahia Hoje e chegou ao jornal A TARDE em 1995.

Além de atuar como crítico e fazer amplas coberturas em todos os festivais que pôde comparecer, foi membro fundador da Abraccine - Associação Brasileira de Críticos de Cinema.

“João era um cara que estimulava a realização de filmes na Bahia. Ia aos sets fotografar e conversar. A vida dele era o cinema, com toda a picardia e bom humor que marcava nossos encontros”, conta o cineasta baiano Lula Oliveira.

Em fevereiro, Janjão de Aratuípe, como era conhecido entre amigos, escreveu em seu Facebook: “Saudade daquela sensação de ‘tenho certeza que estou vivendo um instante de felicidade plena e absoluta’. Epifania? É o nome? (...) É sempre o primeiro beijo de Deus, mesmo da segunda vez. Se tiver uma terceira, já posso morrer tranquilo. Acho que vivemos por isso, né? Epifanias!”.

João será enterrado hoje em Aratuípe, às 10 da manhã.

19 comentários:

Franchico disse...

Um dos textos mais difíceis da minha humilde carreira.

Acho que levei de três a quatro horas para concluir, quando meu tempo normal para um texto desse tamanho é algo entre 30/45 minutos a uma hora, no máximo.

Não foi mole não.

Alguns links:

http://cadernodecinema.com.br/blog/o-cinema-baiano-chora/

http://setarosblog.blogspot.com.br/2014/05/joao-carlos-sampaio.html

http://atarde.uol.com.br/cultura/noticias/joao-carlos-sampaio-sera-sepultado-em-aratuipe-neste-domingo-1588669

http://atarde.uol.com.br/cultura/noticias/cineastas-lamentam-morte-de-joao-carlos-sampaio-1588576

http://www.correio24horas.com.br/detalhe/noticia/festival-de-recife-lamenta-morte-de-jornalista-baiano/?cHash=8a23800182ba75b5b245775856622588

http://blogs.estadao.com.br/luiz-zanin/joao-carlos-sampaio-o-critico-feliz/

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2014/05/1448776-critico-de-cinema-baiano-joao-carlos-sampaio-morre-nesta-sexta-no-recife.shtml

http://g1.globo.com/bahia/noticia/2014/05/jornalista-e-critico-de-cinema-joao-carlos-sampaio-morre-aos-44-anos.html

http://movioladigital.blogspot.com.br/2014/05/joao-carlos-sampaio-interpretador-de.html

http://blogs.estadao.com.br/luiz-carlos-merten/tristeza/

Márcio A Martinez disse...

E o fez brilhantemente Chico, mais uma vez...

O cara merece esse tempo que você dispensou, sua passagem não ficou em vão na vida jornalística da Bahia, com certeza...

Franchico disse...

Com certeza, Márcio. Ele merece o tempo que for necessário.

Paulo Sales disse...

Foi um choque pra mim também, Poetinha. João tinha a minha idade e durante uns 7 anos nos encontrávamos semanalmente nas cabines de imprensa. Apesar de concorrentes, tínhamos uma relação legal, amistosa. É duro, dá uma sensação imensa de vulnerabilidade. E acho que você deu conta do recado de mostrar a importância de João para o jornalismo cultural baiano.
Um abraço.

Franchico disse...

"Vamos gente, vamos ocupar a cidade! Salvador é linda".

http://atarde.uol.com.br/bahia/salvador/noticias/professora-e-morta-em-tentativa-de-assalto-na-vila-laura-1588832

Franchico disse...

Valeu, Paulinho! Sempre bom te ver por aqui, meu velho.

Galera, vejam que massa o blog de Paulinho:

http://paradiseduluoz.blogspot.com.br/

andremendesmusica disse...

parabéns pelo texto,chico.emocionante.

Ernesto Ribeiro disse...

Porra!


Com tanto crítico de cinema ruim e mentiroso por aí merecendo morrer, e quem morre é o Sampaio!


E ainda por cima, aos 44 anos.


Quem eu gostaria de ver comendo capim pela raiz é o filho da puta do Pedro Andrade do Manhattan Connection, o vagabundo cara-de-pau Thales de Menezes da Folha de S. Paulo e o vigarista comuna da Rede Globo, Rubens Ewald Filho.


M$%&@!


Ernesto Ribeiro disse...

Ironia final:

Ele sabia TUDO sobre o cinema arte mais intelectual, decifrava os maiores filmes-cabeça.

Mas a última crítica do João Carlos Sampaio foi sobre O Espetacular Homem-Aranha 2 : A Ameaça de Electro.


Pelo menos ele encerrou a carreira no auge e em grande estilo, falando a verdade para o maior público.


Lá se foi um dos derradeiros reviewers da Sétima Arte que realmente honrava a profissão. Um dos únicos que mereciam meu respeito e nossa credibilidade.


Descanse nessa poltrona aí na sala de exibição da Eternidade, colega.


Vou assistir esse filmaço em 3D com o maior combo de pipoca e refri, em sua homenagem.

Ernesto Ribeiro disse...

Agora que você se foi
Assistirei com pesar
A mediocridade triunfar
Nas colunas dos jornais



Manchando a tela de prata
As mentiras predominando
A vaidade desfilando
Em egos descomunais



Um talento tão mais raro
Orgulho do mestre Setaro
Expert em Cinema Arte
Na hora inesperada ele parte



Nos deixando boquiabertos
A tela subindo os créditos
Em silêncio sepulcral
Foi-se um amigo leal



Nas trevas dessa sala
Ficamos todos sem fala
A dor grande, a voz pequena
Sem aviso nem despedida


O mestre saiu de cena


Mirdad disse...

Belo texto, Chico, para uma perda irreparável. Foda. Luz para João. Deixei umas linhas para ele: http://elmirdad.blogspot.com.br/2014/05/adeus-joao-carlos-sampaio.html
Abraço!

Rodrigo Sputter disse...

Chico, tem como pedir de volta alguns amigos que se foram???
é nosso direito!!!
Belas palabras...as de Ernesto tb...e olha que pra se ter elogios do Homi é coisa pra POUCAS pessoas...e Joca era uma dessas.

Franchico disse...

Está no ar o site / tributo ao nosso querido Peu Sousa, que nos deixou há exato um ano.

http://peusousa.com.br/

E vamos rezar para daqui a um ano não estarmos mais lamentando a perda de ninguém além desses dois.

Chega né? Pelo menos durante algum (bom) tempo, já que é inevitável....

Franchico disse...

Sputter, se algum dia eu descobrir, te aviso - e de quebra, ficamos trilionários.... ;-)

Franchico disse...

Para aliviar, algumas buenas nuevas da Panini:

http://omelete.uol.com.br/marvel-comics/quadrinhos/panini-anuncia-miracleman-vilania-eterna-e-outros-lancamentos-na-fest-comix

MI-RA-CLE-MAN, PORRRRRA!

Finalmente vamos ler aquele material GENIAL em cores, impressão e papel decente.

Só espero que não lancem naquelas edições capa dura a preços proibitivos. Pelo menos, não de primeira....

Franchico disse...

Mañana, terça 6, post nuevo.

Rodrigo Sputter disse...

Chico, tem que mandar o endereço de uma galera do senado pra D. Morte, pra ela ficar longe de Salvador...dando saque nesse site do Peu, 1 ano?
já?
foda isso viu.
esses estudos dele são bem legais...
fico pensando na querida Sora Maia...perdeu Peu e menos de 1 ano depois o Joca...pensamentos positivos pra ela que amamos tanto!

Em relação ao Miracleman, adorei os 1os números, depois cheguei no número 11 ou 13 e comecei a achar um pouco chato e parei...sao 25 eu acho...

Rodrigo Sputter disse...

Chico, me desculpe colocar isso, num momento como esse, mas cara, depois da morte de um cara como Joca, me deparo com um lance desses, é de querer se picar desse mundo:

http://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2014/05/mulher-espancada-apos-boatos-em-rede-social-morre-em-guaruja-sp.html


Ernesto, tu viu isso?

Meu Deus, que mundo é esse...e eu ainda me surpreendo, mas caramba, as pessoas tem o quê no meio de suas cabeças?

Fofocas e celebridades...caramba...

Ernesto Ribeiro disse...

Vi essa merda, sim.


Nesse país esgoto, só tem excrementos por cima.


Entendeu agora porque eu fico longe de redes sociais?


E porquê que DESPREZO o povo brasileiro?


E desejo o FIM de TODAS as religiões?


Começando por essa bosta monoteísta que há 2000 anos deformou como lepra a Civilização Ocidental?


Mais um motivo para não termos filhos nesse país-inferno, habitado por cristãos que caçam bruxas até em páginas do Faceboquete.


Quando eu digo que sou ateu, e algum imbecil me pergunta "de onde você tira a sua moralidade, senão de Deus?" eu respondo: "De meus instintos. Basta ver o que vocês cristãos fazem com as outras pessoas, por ordens de seu deus de merda, de onde vocês tiram a sua imoralidade, e daí eu faço bem o oposto."



Se uma multidão me cercar, eu abro caminho a dentadas. Nas gargantas, só pra começar.


Eu gostaria mesmo de poder andar armado para me defender dos brasileiros covardes. Mas considerando que desde criança eu sempre tive o talento de usar absolutamente qualquer coisa como uma arma — até as paredes e o chão — são os outros que devem morrer de medo de MIM.



Marcelo Nova — Coração Satânico

http://www.youtube.com/watch?v=RpVcOfwGNzY