quarta-feira, abril 17, 2013

SODOM: THRASH METAL ALEMÃO ORIGINAL, SEXTA-FEIRA EM SALVADOR

Abalos sísmicos  poderão ser sentidos na Cidade Baixa na noite desta sexta-feira. Mas não há motivos para alarme.

O fenômeno será resultado da passagem do power trio alemão Sodom, que estará se apresentando no Cais Dourado.

Quem ainda não conhece, mas se liga em som pesado, vale a dica: a oportunidade é de ouro.

O Sodom, ao lado dos contemporâneos Kreator e Destruction, forma uma espécie de “triunvirato sagrado” do thrash metal alemão. Juntas, as três  criaram os fundamentos dos estilos thrash, death e speed.

“Quando eu era moleque nos anos 1980, tinha quatro músicas que até pela simplicidade, o cara que queria aprender a tocar thrash metal, tinha que dominar”, conta Vladimir Sena, o Lord Vlad, da Malefactor.

“Paranoid do Black Sabbath, Troops of Doom do Sepultura, Nightmare do Sarcófago e Outbreak of Evil, do Sodom”, enumera Vlad.



O músico baiano não só é um dos produtores responsáveis pela vinda dos gringos, mas também abrirá a noite com sua banda, que está prestes a lançar um novo CD, Anvil of Crom.

Não é o primeiro show internacional que Vlad traz a Salvador. No dia 25 de  janeiro último, a já citada Destruction se apresentou em uma casa de forró (!), em Patamares.

“Me associei com duas produtoras de  Recife e uma daqui, a Black Order. Ma já trabalhava com produção na época da Maniac (loja / reduto do heavy metal local, já extinta)”, conta.

“Aí,  ele (João Carlos, proprietário da Maniac) começou a fazer shows de médio porte.  Fui pegando know how. Fiz o Destruction, deu certo. Agora pintou a oportunidade de trazer o Sodom, que é do mesmo empresário”, relata Vlad.

Fuga das minas de carvão

Desta vez, Vlad espera um pouco mais de atenção para o evento. “O Destruction deu 800 pessoas,  é um clássico. Mas  nem a TVE foi lá”, reclama.

“Essas bandas alemãs são fundamentais para o que veio a se tornar o death, o thrash, o black metal desde os anos 1980.  De lá, chegou aos Estados Unidos e à América Latina, influenciando todo mundo: Sepultura, Headhunter, Krisium e minha banda também”, cita Vlad.

“É uma escola mais próxima do Motörhead, com um som mais veloz, sem baladinha nem vocais limpos. Não é  melodioso como o Metallica”, defende.

Original de Gelsenkirchen (do estado da Renânia do Norte-Vestfália), cidade cuja base da economia é o minério de carvão, o Sodom foi fundado em 1981.

Sua formação atual é Tom Angelripper Such (baixo e vocais), Bernd Bernemann Kost (guitarra) e Markus Makka Freiwald (bateria).

Angelripper é o único membro original. Consta que teria fundado a banda justamente para tentar escapar do destino comum a todos os jovens de origem pobre da sua cidade, que era arrebentar as costas nas minas de carvão.

Desde então, o trio já teve diversas formações e gravou 14 álbuns cheios. In the Sign of Evil (1984), Persecution Mania (1987) e Agent Orange (1989) são considerados clássicos.

Epitome of Torture (2013), o mais recente, sai  dez dias após o show em Salvador. “Estamos produzindo com dinheiro do bolso. Temos outros shows internacionais em vista, mas  por enquanto não podemos divulgar nomes. Estamos fazendo para movimentar a cena, por que o lucro é ínfimo”, conclui Vlad.

Além do trio alemão, a noite terá a banda local Malefactor e Decomposed God, de Recife (PE), banda contemporânea da Malefactor e que também se apresenta em Salvador pela primeira vez.

Sodom, Malefactor e Decomposed God / sexta-feira (19), 20 horas / Cais Dourado (Avenida Jequitaia, 102, Comércio) / 2º Lote: R$ 80, 3º Lote: R$ 90, camarote: R$ 100 / Vendas: Foxtrot e Ticketbrasil / 16 anos


13 comentários:

Franchico disse...

Alan Moore prepara para breve a continuação do fodástico Neonomicon (já lançado no Brasil a preço módico pela Panini):

http://www.bleedingcool.com/2013/04/16/alan-moores-new-comic-providence-its-actually-a-little-bit-like-watchmen/

rodrigo sputter disse...

Neonomicon eu não li, mas baixei...não me bata Chico, sem $$ mesmo-heehhehe

mas nem tinha ouvido falar até onde me lembro...

Cara, sonhei hj que tu lançava um livro por uma editora indepentende, mas charmosa, sobre a evolução do cinema de glauber rocha, ou algo do tipo-ehheheheh

Numa feira de livros...e tu presenteava a mim com um exemplar, seu eu nem ao menos pedir...a namo tb ficava trocando uma idéia contigo sobre o livro, mas até aparecer uma cantora ou escritora bonita e famosa e vc ficar hipnotizado por ela e "esquecer" a gente...eu entendi...tu tava focado no papo...hehehehe

Gostaria de ter $$$ pra apoiar a vinda do Sodom pra cá...pq é esse tipo de show que falo a respeito de bandas que a fonta nova não vai trazer, não vai ajudar a trazer, caso faça shows grandes internacionais...o underground, creio eu, não será beneficiado com shows de bandas como Sodom...a não ser que alguém que é fan traga...

Tinha um cara que tocou no Sodom, ou foi engenheiro de som, que gravou a 1a demo dos billies...stephen alguma coisa...não sei se mora aqui ainda...ouvi dizer que morreu...vc tem alguma notícia Chico?

Franchico disse...

Mas rapaz, tá querendo complicar minha vida? Ainda bem que foi sonho!

E seu eu algum dia for lançar um livro, certamente não será sobre Glauber. Nada contra, na verdade sou fã do homem, só acho que há gente mais capacitada do que eu para esse tipo de coisa.

Tinha esse alemão mesmo por aqui, fez som pra deus & o mundo nos anos 90. Não sei de seu destino, sequer o conheci pessoalmente, mas era bem conhecido no meio do rock e dos músicos. Leão que sempre me falava dele. Chegava a imita-lo falando português, com sotaque forte de gringo. Espero que não esteja morto...

rodrigo sputter disse...

tb achei curioso o livro...pq não é muito sua cara o tema...

mas o encanto do sonho acho que foi + platônico e intelectual-heheh

stephen steven, algo assim...tem gringo loco que prefere Salvador...e num são poucos-heehhhe

rodrigo sputter disse...

Rapá Salvador é lixo mesmo...

Essa banda gringa vai tocar em Simões Filho e não vai tocar aqui, a galera de lá tem + atitude que as da capital:

http://www.youtube.com/watch?v=PYUJkg2SiZA

E olha que o som nem é muito minha praia, mas ia agradar muita gente aqui!

Franchico disse...

Oxente, painho, diga isso não! Salvador é bom demais......

Franchico disse...

RApaz, que Mulher Maravilha escrota é essa?

http://www.bleedingcool.com/2013/04/17/the-real-wtf-moment-in-todays-wonder-woman-19/

rodrigo sputter disse...

e tem amigo nosso que diz que tá mió...

mas peguei pesado...o Sodom vem pra k, já é uma coisa boa nesta cidade...

Franchico disse...

COVARDIA TOTAL. AGREDIRAM NOSSO BROTHER THIAGO FERNANDES.

http://www.sjsp.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=4204:jornalista-e-agredido-ao-tentar-receber-pagamento-de-um-frila

Franchico disse...

Thiago é um dos sujeitos mais pacatos que eu conheço, incapaz de matar uma mosca. É incompreensível e inaceitável que alguém que se diz profissional e responda por uma empresa EM SÃO PAULO (OH!!) tente resolver uma questão de trabalho na base da porrada. Mas este é o mundo em que vivemos, em que a violência e a marginalidade parecem se aproximar cada vez mais de nossas vidas, estão cada vez mais entranhadas em nossa sociedade, como uma armadilha se fechando cada vez mais rápido a nossa volta.

(Mas na moral, se fosse comigo esse cara ia morrer desmembrado, por que eu ia voltar lá com um machado).

Franchico disse...

O grupo português Deolinda - topei com eles no http://newalbumreleases.net/54098/deolinda-mundo-pequenino-2013/ e dei uma pesquisada - cometeu o hino de uma geração com a canção Parva Que Sou.

A letra é GENIAL. Equivalente ao Inútil do Ultraje a Rigor - sério.

Ouça aqui:

http://blitz.sapo.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=bz.stories/70732

Olha que letra:

Parva que Sou, Deolinda - letra

Sou da geração sem remuneração
E não me incomoda esta condição
Que parva que eu sou
Porque isto está mal e vai continuar
Já é uma sorte eu poder estagiar
Que parva que eu sou
E fico a pensar
Que mundo tão parvo
Onde para ser escravo é preciso estudar

Sou da geração "casinha dos pais"
Se já tenho tudo, pra quê querer mais?
Que parva que eu sou
Filhos, maridos, estou sempre a adiar
E ainda me falta o carro pagar
Que parva que eu sou
E fico a pensar
Que mundo tão parvo
Onde para ser escravo é preciso estudar

Sou da geração "vou queixar-me pra quê?"
Há alguém bem pior do que eu na TV
Que parva que eu sou
Sou da geração "eu já não posso mais!"
Que esta situação dura há tempo demais
E parva não sou
E fico a pensar,
Que mundo tão parvo
Onde para ser escravo é preciso estudar

Ler mais: http://blitz.sapo.pt/deolinda-ouca-aqui-a-versao-oficial-de-parva-que-sou=f70732#ixzz2QvrKRiwM

Franchico disse...

Aliás, recomendo muita essa revista portuga, Blitz. Compro quando tenho oportunidade e dá um banho nas similares brasileiras em termos de qualidade de texto. Natural, essa língua é deles mesmo, então é normal eles a dominarem com muito mais elegância do que nosotros....

rodrigo sputter disse...

CARAJO, q porra foi essa com Thiago man???

Rapá sobre a letra, achei meio "idiota" essa parte de morar com os pais...moro pq quero...conheço amigo que mora só, com amigos e os caras sacaneiam com ele, num paga, suja tudo...prefiro morar com meus pais e ajuda-los na grana e na arrumação da casa...

E ODEIO esse papo de que casar e ter filhos é coisa de adulto...o que vejo casal casando e separando e tendo filho e a criança sofrendo não tá no gibi...