sexta-feira, maio 11, 2012

ELETRONIKA CHEGA HOJE À CIDADE: EMICIDA, JAMES PANTS, WADO E KASSIN SÃOS OS DESTAQUES

Tendência cada vez mais forte entre festivais, a itinerância traz mais um – de grife – para Salvador: é o mineiro Eletronika - Festival de Novas Tendências, que acontece em Belo Horizonte desde 1999 e rola hoje e amanhã no reformado casarão do Cine Teatro Solar Boa Vista (Engenho Velho de Brotas).

Ao contrário do que o nome possa sugerir, o Eletronika não se resume a uma sequência de DJs se revezando em pick-ups – embora eles também marquem presença na grade de atrações e, diga-se de passagem, são DJs  de altíssimo nível.

Bem diversificado, o festival traz nomes bem badalados nos circuitos moderninhos do Brasil e até fora dele, como os norte-americanos James Pants e Cut Chemist, o carioca Kassin (que recebe o convidado Arto Lindsay), o rapper paulista Emicida (que traz seu projeto Os Três Temores), o catarinense-alagoano Wado (com André Abujamra) e o capixaba SILVA.

Desta forma,  o Eletronika cumpre o que promete seu subtítulo, que anuncia um  “Festival de Novas Tendências” – característica que está no seu DNA, que pode ser rastreado desde o ano de 1994.


Naquele ano, aconteceu em Belo Horizonte o festival BHRIF (BH Rock Independente Fest), que levou à capital mineira nomes como Fugazi, Dorsal Atlântica, Anathema e outros. “O Eletronika surgiu como minha tentativa de reeditar o BHRIF”, conta o idealizador Aluizer Malab.

“Mas o Eletronika nasceu com um olhar mais para a frente, no caso, voltado à cena eletrônica, mas não só: para o futuro, como um festival de novas tendências, mais aberto”, relata.

Nada de área VIP

Depois de mais de dez edições, com direito a marcar presença em São Paulo, Rio de Janeiro, Belém e Barcelona (no tradicional Sónar) o Eletronika chega a capital baiana, através do programa Vivo arte.mov e viabilizado pelo FazCultura (Governo da Bahia), além do apoio da Red Bull Music Academy.

“Acredito que Salvador, aonde já morei por um período, tem um público ávido por outras propostas artísticas”, apostou e acertou, Aluizer: os ingressos para o sábado esgotaram.

Ele conta que, mais do que artistas badalados, o critério de seleção da grade de atrações é “buscar artistas de boa performance, preferencialmente, não tão conhecidos do grande público. Também é importante  dialogar com a nova música brasileira”, acrescenta Aluizer.

Um dos nomes mais elogiados dessa nova música brasileira, Wado, que se apresenta hoje, esteve em Salvador há poucos meses: “O público de Salvador é legal demais, muito caloroso. Esse último show no Portela Café teve todo mundo cantando junto, o maior barato”, entusiasma-se.

“Agora em um festival, a expectativa é ainda melhor. Até por que  estarei na mesma noite com o Kassin, que é um amigo, e o André Abujamra dividindo o palco comigo em algumas músicas”, comemora.

Outro show imperdível é do James Pants, DJ e multi-instrumentista badaladíssimo nos circuitos cosmopolitas mundo afora. “Acho que sempre me imaginei indo ao Brasil algum dia, mas não esperava que fosse em Salvador. Mas ouvi boas coisas daí. Mal posso esperar. Gostaria de conseguir alguns besouros gigantes para minha coleção também”, disse ele, via email.

Pants ficou satisfeito de saber que o show seria em um teatro: “Áreas VIP são a escória da humanidade”, disparou.

Leia entrevista completa que fiz com James Pants aqui.

Eletronika - Festival de Novas Tendências / Hoje e amanhã, 21 horas / Cine Teatro Solar Boa Vista (Engenho Velho de Brotas) / R$ 20 e R$ 10 / à vanda nos Balcões Ticketmix / Ingressos para amanhã esgotados


Atrações:

Dia 11: DJ 440, SILVA, Wado (com participação de André Abujamra) e Kassin (com participação de Arto Lindsay).
 

Dia 12: DJ 440, James Pants, Cut Chemist e o show “Os Três Temores”, com os rappers Emicida, Projota e Rashid.

Site oficial: www.festivaleletronika.com.br
Twitter: @eletronika
Facebook: /festivaleletronika

7 comentários:

Franchico disse...

RIP Tony de Zuñiga.

http://www.bleedingcool.com/2012/05/11/tony-dezuiga-cocreator-of-jonah-hex-passes/

Co-criador de Jonah Hex, um cowboy que nunca foi o mocinho...

(Também com aquela cara semi-destruída - sem falar no mau-humor do cão -, fica difícil, né?)

Franchico disse...

Conheçam o MAB - Música de Agora na Bahia, projeto do pessoal da OCA (Oficina de Composição Agora).

http://musicadeagoranabahia.wordpress.com/

Serão nada menos que 38 eventos entre concertos, projeções (veja o que é isso lá), intervenções urbanas, concertos-relâmpago em escolas públicas, uma pá de atividades de agora de maio, até dezembro.

A OCA é Paulo Rios, Alex Pochat, Alexandre Espinheira, Guilherme Bertissolo... uma galera gente boa.

Sim, eu estou assessorando. Sabe como é, preciso fechar as contas no fim do mês. E o projeto é massa. Fim de papo.

osvaldo disse...

R.I.P. Donald "Duck" Dunn

glauber guimarães disse...

chicão, mandei email, meu velho!
GLAUBER

Franchico disse...

Brama, um link pro Duck Dunn:

http://andrebarcinski.blogfolha.uol.com.br/2012/05/15/tributo-a-um-genio-das-quatro-cordas/

Franchico disse...

Eu vi, Glauberino, desculpe a demora em responder, tô bem doido por aqui. Já já nos falamos e botamos essa orquestra nas (boas) bocas....

glauber guimarães disse...

fico no aguardo, chicón.
G.