terça-feira, novembro 29, 2011

GIRLS E AS GAROTAS (E A SEITA, O ROCK E...)

No mundo do rock, existem bandas que são boas por si só – e existem outras que, além de serem boas (ou ruins, vá lá), tem as histórias mais malucas.

O duo norte-americano Girls conta com ambas as características: ótimas canções (no recém-lançado  álbum Father Son Holy Ghost) e uma história pessoal (do vocalista Chris Owens) para lá de excêntrica.

Filho de dois hippies ingressos na polêmica seita apocalíptica  Children of God (fundado em 1968, hoje conhecido como Family International), Owens passou a maior parte de sua infância e adolescência vivendo em comunidades isoladas do culto, entre a Europa e a Ásia.

Aos 16 anos, o rapaz fugiu daquela maluquice e se refugiou na casa de sua irmã mais velha, no  Texas. Virou punk e se drogou até quase morrer.

Só saiu dessa graças a mão estendida de um milionário filantropo texano, Stanley Marsh III. Abrigado no Cadillac Ranch, fundação do ricaço, Owens se dedicou à música e pintura.

Inquieto, logo se mudou novamente, para São Francisco. Foi lá que, finalmente, conheceu o músico e produtor Chet “JR” White, com quem formou o duo Girls – que vem se destacando  no cenário rock internacional.

Várias referências e unidade

Segundo disco do Girls, Father, Son, Holy Ghost é, tranquilamente,  um dos lançamentos mais interessantes do ano que já termina.

Apesar de um tanto melancólico, é um álbum que retrabalha com muita personalidade diversas facetas do rock – tanto nas encarnações mais clássicas, quanto contemporâneas.

Ouvindo o disco, é possível apontar influências bem claras, que vão desde o Beach Boys (na linda faixa de abertura, Honey Bunny), até o hard rock setentista (em Die), passando por Beatles via Teenage Fanclub (em Alex), folk rock (Saying I Love You) e até um épico noise progressivo pink-floydiano comovente (Vomit).

E tudo soando com unidade – é obviamente a mesma banda em todas as faixas. Um trabalho de composição e produção de grande vigor criativo.


O ritmo cai um pouco na segunda metade do álbum, com canções mais acústicas e contemplativas, mas ainda assim, reserva boas surpresas, como a balada estilo 60’s Love Like a River e as faixas-bônus da edição brasileira, Love Life e Martina Martinez, dois números instrumentais adoráveis.

Assim como o espetacular The Black Keys, o Girls é mais uma boa banda que faz música para agora, a partir das melhores referências do passado.

Father, Son, Holy Ghost / Girls / Fantasy Trashcan - Lab 344 / R$ 24,90 / www.lab344.com.br / Twitter: @Lab_344






Girls - Honey Bunny from PIASGermany on Vimeo.

15 comentários:

Franchico disse...

Celebridade velha e desocupada dá nisso:

http://omelete.uol.com.br/star-wars/cinema/star-wars-x-star-trek-astros-das-sagas-entram-na-briga/

Franchico disse...

Recebido (lá ele) agora há pouco por email:

"CHICS, se estiver lendo esta mensagem, divulgue logo no RL, per favore, que hoje é o último TAZ do ano... As projeções de fotos serão um resumo do ano todo, segundo um dos DJs da casa, Mr. Neibahêaminhaporra...

Ah sim, não se preocupe que desta vez eu NÃO tentarei convencê-lo a ir... Só estou pedindo pra divulgar mesmo...

Valeu mannnnnnnn!!!

Márcio M"

Franchico disse...

Ora Márcio, era só mandar a mensagem como comment logo!

E realmente nunca fui, por que pra mim é foda, véio! Dia de semana, logo depois do trabalho - qundo estou quebrado, tudo o que quero é "tomar o meu banhinho au au -, longe paca do meu lar e eu sem carro. E é no horário de pico, no Centro da cidade. Realmente, pra mim não dá, por questões práticas mesmo....

Franchico disse...

É isso que acontece quando a cultura fica a cargo de megacorporações.

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/1013229-oi-futuro-cancela-mostra-da-artista-nan-goldin-no-rio.shtml

Das duas, uma: ou os curadores desse negócio não conheciam o trabalho de Nan Goldin e se guiaram pelo mero hype em torno do nome da artista ("gente, essa fotógrafa é suuuuper moderna!"), ou eles são simplesmente umas antas esquizofrênicas mesmo!

Franchico disse...

O mais ridículo de tudo é a nossa boa e velha hipocrisia brasileira nos comentários. "Tem que censurar mesmo, é pedofilia" e tal.

http://www1.folha.uol.com.br/multimidia/videocasts/1013531-oi-futuro-cancela-mostra-da-artista-nan-goldin-veja-imagens.shtml

OK, então vamos censurar todos os grupos de pagode baiano também? Que tal censurarmos o funk carioca? Criança dançando o créu é arte? E os programas sensacionalistas do meio-dia, que apresentam corpos perfurados de bala e dançarinas de pagode em closes ginecológicos? E Xuxa, quando apresentava seus programas de shortinho? Por que não era censurada também? O Brasil é repleto de coisas bizarras, altamente nocivas ao desenvolvimento de pessoas de qualquer idade, não só crianças. Mas td mundo aceita. Agora, uma fotógrafa mundialmente premiada, que tem um trabalho sério - que nem todo mundo precisa gostar, claro - é censurada. E o povão retardado, como sempre, que não enxerga a merda que come todo dia com prazer, apoia a censura! Esse país é um lixo, mesmo. LI-XO!

Franchico disse...

Pra que refazer uma coisa que já é perfeita? Pra que, meu deus?

http://omelete.uol.com.br/cinema/oldboy-produtor-promete-remake-diferente-mas-igualmente-sombrio/

Como Spike Lee vai "tornar melhor" uma cena genial como a da luta com martelos? Como? Filmando em 3D? Fazendo muitos cortes - já que a cena original quase não os tem? Como? Faz-me rir!

Franchico disse...

Quem viu, viu. Quem não viu...

http://omelete.uol.com.br/musica/sonic-youth-suspende-atividades-por-tempo-indeterminado/

Eu num vi! Melda!

Franchico disse...

RIP Ken Russell.

http://andrebarcinski.folha.blog.uol.com.br/arch2011-11-27_2011-12-03.html#2011_11-29_08_39_31-147808734-0

Márcio A Martinez disse...

Rapá, não conheço nem nunca ouvi falar de Nan Goldin, mas isso não importa, importa sim é o fato de nesta merda de país ultra atrasado retrógrado de carteirinha ainda existirem imbecis que se acham no direito de dizer o que e pra quem deve ser divulgadas certas obras...

Ora, esse tipo de mostra realmente não me interessa, talvez nunca fosse mesmo querer ir ver as imagens que acho até desnecessárias como arte, mas vá lá, deixem que as pessoas decidam isso, porra!!!

osvaldo disse...

ken russell era um cineasta muito peculiar. fez tommy nos 70, filme q todo mundo que curtia rock viu, aqui na bahia no cine nazaré!. conheço poucos filmes dele, mas altered states foi um dos filmes que mais me impressionaram. e nos ultimos anos ele meio q sumiu. vou dar uma procurada nas obras mais recente dele, pelo que li em barcinsky, russell ainda continuou fazendo coisas interessantes.

teclas pretas disse...

chicón e todo mundo,

glauberovsky orchestra 2011 [13 faixas/free download]:

http://www.megaupload.com/?d=2YNTC6EU

http://img231.imageshack.us/img231/3560/glauberovskyorchestraca.jpg

"glauberovsky orchestra" é o seguinte: sou eu no pc, aloprando geral, tocando umas músicas que gosto muito há muito tempo e tal, mudo arranjo, essas coisas. lo-lo-lo fi, sem photoshop, rsrs. uso o mic que uso pro skype, por exemplo [aquele tipo madonna, fone e mic, rsrs].

é delenharrr fazer esse negócio. gravei tom waits, beck, beatles, floyd, dylan, edu lobo, barão vermelho...gravei até uma música que meu pai fez pra mim quando eu tinha 10 anos! aah, aceito sugestões de covers a fazer, meus compadres. link alternativo, o megaupload é meio temperamental ás vezes, rsrsrs

http://www.mediafire.com/?vhykwt0d1xbo8hi

valeu!!!
GLAUBER

Kairo disse...

Girls, mais uma prova que o rock é bom e novo.

Franchico disse...

Fala, Kairo! O Girls é uma boa prova de que, contra todas modinhas e hypes bobos, ainda há bom rock sendo feito "porraí" (e "porraqui" também)! É só manter os ouvidos atentos! Abç!

Ernesto Ribeiro disse...

Você tem razão.

A brilhante crítica no site Omelete á Saga Crepúsculo é inversamente proporcional á qualidade do filme.

Me faz lembrar um comentário acertadíssimo de Alvaro Pereira Jr sobre uma revista musical britânica:

"Inglês é fogo: escreve muito bem, mesmo falando muito mal."

Ernesto Ribeiro disse...

Eu concordo com você em tudo o mais:


ODEIO BANQUEIROS.


O Banco do Brasil me roubou.
Eu tinha um crédito imenso, e em oito meses, sem aviso e na surdina, o BB cavou uma dívida artificial de 800 REAIS pra me fuder.


FILHOS DA PUTA!


E pra completar a humilhação, precisei pedir dinheiro emprestado ao mesmo banco que me roubou pra pagar a porra da dívida com a enpresa do cartão de crédito e os credores no mercado (grrrrrrr.........) e ficar devendo somente ao Banco.


PORRA! Eu queria ser zumbi pra despedaçar esses vampiros desgraçados sugando minha grana suada!


Até meu professor de Matemáfica Financeira comentou na aula:


"Cê já viu banqueiro perder dinheiro? Essa operação que eu tô ensinando NUNCA acontece na prática. O capitalismo devia acabar. Por mim, voltava a época do escambo. Cercava a Europa. E em Wall Street, nos bancos, por mim jogava uma bomba!"