terça-feira, janeiro 04, 2011

ENQUANTO AS CHUVAS NÃO VOLTAM, A THEATRO DE SERAPHIN DÁ ÚLTIMOS RETOQUES NO PRÓXIMO DISCO

Para este blogueiro, o melhor disco do rock baiano do ano de 2008 foi o primeiro CD da banda Theatro de Seraphin: o EP Tristes Trópicos. Ponto.


Agora, com o guitarrista original Cândido Nariga Soto Jr. (ex-Cascadura, Banda de Rock) de volta, após a saída de Cezar Vieira (brincando de deus), o quarteto dá os últimos retoques no seu 1º álbum cheio, a ser lançado por volta de abril, após o verão e o Carnaval.

“Estamos esperando o sol se recolher e as chuvas começarem para lançar o disco”, anuncia Marcos Rodrigues, baixista e idealizador da banda, ao lado do extraordinário cantor e poeta Artur Ribeiro (ex-Treblinka e Cravo Negro). Completa a Theatro o baterista José W. Dantas.

Produzido por Luís Fernando Apú Tude, o novo disco da Theatro é, ao lado do próximo CD da Cascadura (ainda em fase de gravação), um dos que geram maior expectativa entre os fãs e apreciadores do rock local.

Claro que boas surpresas podem – e deveriam – surgir da garotada. É o que se espera.

Ao vivo, no take one

“É chavão dizer isso, mas é um disco maduro de uma banda madura. Algumas pessoas que já ouviram disseram que é um pop sofisticado. E mais acessível do que o anterior”, descreve.

“Gravamos ao vivo no estúdio, o que foi uma sugestão de Apú”, conta Marcos. “Ele achou que teria uma pegada melhor, mais dinâmica. Como a banda já tem seis anos, ficamos bem tranquilos para tocar ao vivo”, diz.

“E foi bem rápido, até. Gravamos ao vivo no Estúdio WR e boa parte foi no take one (de primeira)”, descreve Marcos.

Apenas alguns solos de guitarra, as vozes definitivas e instrumentistas convidados foram gravados depois, como Fernanda Monteiro, do duo Dois Em Um, que trouxe seu violoncelo para uma das faixas. Promete.

Zona Autônoma das Terças

Enquanto o sol não se recolhe, Marcos demarca território no arredores de sua vizinhança, no charmoso bairro do Santo Antônio, no evento semanal TAZ - Tuesday Autonomous Zone, que rola todas as terças-feiras.

“A ideia é que seja o ponto de encontro para quem não tem aonde ouvir muito o som que a gente ouve lá: soul music, mod rock, pós punk”, define.

“É feito por um grupo de amigos (que se revezam como DJs), mas não é clube fechado. É aberto, pode chegar”, convida.

Cada semana o evento tem um tema diferente. Na próxima terça (dia 11), o tema é Melhores de 2010. “Cada DJ vai apresentar sua seleção das dez melhores músicas do ano passado”, conclui Marcos. ‘Bora?

TAZ – Tuesday Autonomous Zone / Toda Terça-feira (a partir do dia 11), 19 horas / Bar Ulisses / Rua Direita de Santo Antônio além do Carmo, Centro Histórico / Grátis

NUETAS....

Cascadura is back!

Após um longo e tenebroso inverno, eis que a Cascadura anuncia sua volta aos palcos. A partir do dia 9, todos os domingos de janeiro, Fábio & Cia se apresentam no Largo Tereza Batista (Pelourinho) com uma banda da geração mais recente do cenário local. Anota aí: dia 9: Dubstereo. Dia 16: Vendo 147. Dia 23: Velotroz. Dia 30: Maglore. Sempre às 17 horas. A banda vem com a mesma formação que está gravando o aguardado álbum Aleluia. Em breve, muito mais informação sobre tudo isso, aqui no RL!

Fridha com Pessoas

As bandas Fridha e Pessoas Invisíveis abrem o ano de lançamentos do rock baiano em 2011. A primeira, com o EP O Verso do Gatilho (Big Bross). E a segunda, com o álbum cheio Fora do Eixo (Big Bross / Atalho Discos). No dia 13 de janeiro, ambas lançam seus discos com um grande show na Praça Pedro Archanjo (Pelourinho). Completando a night, The Honkers. Em breve, mais informações por aqui sobre tudo isso.

Formidável retorno?

A Formidável Família Musical, uma das novidades mais promissoras da música independente baiana surgidas nos últimos anos (quando apareceu com o nome Zecacurydamm), infelizmente sumiu do mapa por um tempão. Agora anuncia show com a banda Sertanília. No Tom do Sabor, dia 22 de janeiro, às 22 horas.

9 comentários:

Franchico disse...

Feliz Ano Novo, rockloquistas!

Franchico disse...

Vossas senhorias apreciam HP Lovecraft?

Então, leiam isto:

http://caderno2mais.atarde.com.br/?p=2281

(É material meu, mesmo).

Franchico disse...

Luciano Matos posta o resultado da votação entre jornalistas e produtores locais dos Melhores de 2011:

http://www.nemo.com.br/elcabong/?p=5685

Quase nada do que eu votei chegou em primeiro. Só Messias (Melhor Disco baiano)e o show do Dinosaur Jr. na Concha (Melhor show na Bahia). Normal, não se trata de uma competição.

Mas o que mais me doeu foi ver que ninguém parece ter ouvido aquele que é, de fato, O MELHOR DISCO DE 2010 e que quem costuma ler esse blog já sabe qual é: Brothers, do The Black Keys, que não aparece nem entre os cinco primeiros.

Pode ser engano ou implicância minha, mas as vezes me parece que o pessoal em geral (não estou falando de ninguém especificamente, OK? Não se ofendam!) se guia muito pelo senso comum estabelecido pelos veículos estrangeiros, que ecoa pelos jornalistas do eixo Rio-SP e só depois bate aqui.

The Suburbs é muito bom? Sim, claro! Mas ainda prefiro o Black Keys. Me faz sentir mais vivo, me diz muito mais do que as abstrações intelectuais de Win Butle & Cia sobre a vidinha nos subúrbios norte-americanos. É infinitamente mais rock 'n' roll. (Mas me parece que esse critério, rock 'n' roll, anda meio em baixa, parece ter caído em desuso, infelizmente). LCD Soundsystem? Gosto muito daquele CD de 2007 (o que tem North American Scum), mas esse de 2010 achei muito fraco, decepcionante. The National é simplesmente fraco. Mais uma derivação tardia do Joy Division, que não me convence. O disco tem umas duas ou três músicas boas de fato. E só.

(Por falar em derivações tardias do Joy, o último disco do Interpol (auto-intitulado), uma banda pela qual já não dava mais nada, é muito bom! Me surpreendeu! Poderia ter entrado na lista tb. Mas pouca gente parece ter ouvido esse tb.)

Revelação: Janelle Monáe, apesar do hype, está bem avaliada, pois realmente, tem um trabalho de alto nível. Já The Drums, que empatou com ela... bem, o primeiro single de sucesso da banda, Let's Go Surfing, de cara, virou jingle de um comercial de carro (aquela musiquinha bem tosca que começa com um assovio igualmente sem graça). Acho que isso já diz tudo sobre mais essa bandinha sem-vergonha que não sobreviverá ao próprio hype....

osvaldo disse...

chico, o problema é que algumas pessoas não sabem direito o que estão escutando e passam a reproduzir a opinião de outros mais badalados (as vezes merecidamente, as vezes não), o famoso "ouvi falar". o outro lado desta moeda é o tambem famoso "não ouvi e não gostei." boa parte das discussões giram entre estas duas posturas, e com isso raramente as discussões são frutiferas. logico que todos temos o nosso gosto pessoal, não sendo a opinião de ninguem "melhor" que a do outro, so que seria legal que o nivel de argumentação e de conhecimento fosse melhor. então na serie melhores de 2010, achei messias o melhor disco, gosto muito do black keys, acho suburbs a melhor coisa que o arcade fire ja fez, melhor que funeral, e , ao contrario de vc gosto do national e nao gostei do interpol nam da janelle monae. entre os melhores estao neil young, dylan leblanc, no age, jerry lee lewis, emeralds, radio dept., monster magnet, eric clapton e o principalmente o heart of wilderness do black mountain!tem mais, despues me lembro.

marciorocks disse...

Zorra, vou fazer jeito de ir no TAZ de terça... já vão dois que eu não fui. Fomos almoçar no Ulisses neste domingo pra conhecer o lugar, é bem legal mesmo, mas o atendimento é sofrível por conta de não ter muitos funcionários.
Isso eu até entendi, não reclamei não, o Sr. Jorge lá é bem esforçado e percebi o quanto ele ficou nervoso por não poder ser mais tempestivo.
Essa é outra desgraça desta cidade de merda abandonada: falta mão de obra que preste pra atender ao público e ainda quer se considerar local de turismo avançado... Grande bosta! E ainda temos um prefeiro banana, totalmente imbecil, que entregou a cidade ao abandono total...
IMPICHIMENTE NElE!!!

M.R. disse...

Tuesday Autonomous Zone. A primeira do ano ano faz um balanço em 2010. A seleção das melhores músicas e bandas na seleção muito especial do coletivo de djs da Nomenklatura ;)

http://clashcityrockers.blogspot.com/

cebola disse...

Para os membros originais da Nomenklatura e seus convidados, o atendimento é de prima. Falem comigo.

Franchico disse...

Um pequeno preview da segunda parte de Century, nova aventura da Liga Extraordinária de Alan Moore.

Detalhe importante: nesta parte, a história é ambientada em plena Swingin' London...

http://www.bleedingcool.com/2011/01/05/league-of-extraordinary-lettering/

Mutcho loco!

Ernesto Ribeiro disse...

Tenho dois livros de HP Lovecraft: a coletânea A Tumba e O Caso de Dexter Ward. O homem sabia tudo sobre MEDO: o que mais arrepia é a imaginação sobre o que não é mostrado, só insinuado e depois descrito em horrores.

Lovecraft também é uma inspiração dos Contos Góticos de minha ex-namorada Carol Beck:


http://contos-goticos.blogspot.com.br/