quarta-feira, outubro 06, 2010

MICRO-RESENHAS DE OUTUBRO OU NADA

Rock atual e da hora, possível melhor disco do ano

A última década viu florescer uma série de bandas em dupla, começando pelo White Stripes, passando pelos subestimados Raveonettes e os superestimados The Kills. Correndo por fora, os Black Keys chegam ao seu sexto, e possivelmente, melhor álbum, com Brothers. O som, uma delícia para rockers tradicionalistas, conjuga blues, psicodelia e melodias à la Motown, com o cantor Dan Auerbach arrasando geral em faixas como Tighten Up e Everlasting Light. Obrigatório. The Black Keys / Brothers / Nonesuch Records / Importado

O Clipe do ano:





Bons covers obscuros

Salvo raríssimas exceções, álbuns de cover costumam sinalizar crise criativa. A banda alternativa americana Nada Surf, que nunca foi lá muito brilhante, mas tem seus momentos, até que se sai bem com este If I Had a Hi-Fi. Até por que os covers são obscuros demais para sinalizar algo. A mais conhecida é o hit Enjoy The Silence, do Depeche Mode, transformada em um lindo número de power pop. Outro bom destaque é Love Goes On (da Go-Betweens). Bom CD, desce macio e reanima. Nada Surf / If I Had a Hi-fi / Mardev Records / Importado


Melancolia e Oscar

Surgidos no filme cult Apenas Uma Vez (Once, 2007), a dupla formada pelo irlandês Glen Hansard (voz e violão) e a tcheca Markéta Irglová (piano) deu tão certo que, de cara, ganharam o Oscar de Melhor Canção, por Falling Slowly. Com a passagem do duo pelo Brasil, agora chamado The Swell Season, chega este CD. O clima melancólico é o mesmo e rende bons momentos, como The Rain e Low Rising. De bônus, tem o hit oscarizado ao vivo. Só para os sensíveis. The Swell Season / Strict Joy / Slap - Som Livre / R$ 24,90

Lenda em HQ

Um mestre do horror e da FC, Richard Matheson enterneceu meio mundo com o livro Em algum lugar do passado. Nesta adaptação em HQ de Eu sou a lenda, a história do último homem em um mundo infestado de vampiros, os bons desenhos de Elman Brown perdem o ritmo nos enormes blocos de texto de Steve Niles. Mas vale o investimento, pela excelência da obra original. Eu sou a lenda / Richard Matheson, Steve Niles e Elman Brown / Devir / 248 páginas / R$ 34,50 / devir.com.br



Visão infantil

Maisie, uma criança na linha de fogo entre seus pais separados, fornece o privilegiado posto de observação do comportamento humano e da sociedade para o magistral Henry James (1843- 1916) deitar e rolar, com sua prosa objetiva e detalhista. Um dos primeiros lançamentos do conceituado selo Penguin no Brasil, Pelos olhos de Maisie também está disponível em e-book. Pelos olhos de Maisie / Henry James / Penguin Companhia / 416 p. / R$ 26 / R$ 18 (e-book) / http://www.penguincompanhia.com.br/



Blues a la Tarantino
De cantoras de blues, o mundo está cheio – até Cyndi Lauper se aventurou. Menos hypada e sem precisar gravar em Memphis, a inglesa Holly Golightly, revelada pelo multihomem Billy Childish na sua banda Thee Headcoats, convence bem mais que Lauper ao dialogar com a obra de músicos alternativos que namoram o gênero, como Nick Cave. Não se espantem se faixas como Forget It e Don‘t Fail Me Now aparecerem no próximo filme de Quentin Tarantino. Holly Golightly And The Brokeoffs / Medicine County / Importado / Damaged Goods UK

Carreira resumida

Quem pensa que a carreira da cantora pop baiana Érika Martins se resume à extinta banda Penélope, se engana. Na coletânea Curriculum, só três, de 18 faixas, são dos três CDs da ex-banda. Há bons momentos com Arnaldo Antunes (Superfantástico), Herbert Vianna (In Between Days), Raimundos (A Mais Pedida) e Wanderléa (Não Vou Ser Má). A Ternurinha ainda ganha homenagem em Pare o Casamento, em ótima versão do projeto parelelo Lafayette & Os Tremendões. Érika Martins / Curriculum / Discobertas / R$ R$ 24,90


Ponto para Tjinder

A banda que hipnotizou o mundo com o refrão circular (e interminável) de Brimful Of Asha em 1998 voltou em alto estilo, após sete anos sem lançar um álbum inédito. Judy Sucks a Lemon é um daqueles discos que desafiam fronteiras entre estilos e culturas, misturando rock inglês, psicodelia, blues rock, disco e as raízes indianas do líder Tjinder Singh. O resultado é um álbum solar, irresistivelmente alto astral. Ouça Who Fingered Rock ‘n‘ Roll e tente ficar parado. Cornershop / Judy Sucks A Lemon For Breakfast / Ample Play / Importado

Faltou um produtor

O novo CD de Alumínio tem o espírito, a cara e “aquele jeitão“ do reggaeman soteropolitano: hinos de louvor a Jah, avisos do juízo final, protestos anti-Babilônia e rasgos de filosofia rastafari. No todo, um CD de reggae roots ortodoxo bem legal – mas, que tem na produção meio caseira seu ponto fraco inegável. Alguns timbres de teclado são os mesmos de qualquer arrocha. Nada que um produtor “profissa“ não resolva. Alumínio / Reggae For All Tribes Reggae Pra Todas as Tribos / Independente / www.aluminio roots.com.br


Ovo de serpente

Regimes ditatoriais e totalitários, como o fascismo italiano, costumam surgir e se nutrir em nações enfraquecidas por crises econômicas, culturais e de identidade. Neste livro, o leitor encontra reunidos os preciosos ensaios do jornalista peruano Mariátegui, testemunha ocular da ascenção de Benito Mussolini na Itália, sobre o processo do transe de uma nação. As origens do fascismo / José Carlos Mariátegui / Alameda Casa Editorial / 325 p. / R$ 45 / alamedaeditorial.com.br

Visão mordaz

O escritor João do Rio (1881-1921) viveu pouco, mas produziu muito – e bem. Considerado um dos maiores autores de prosa urbana da sua época, tem aqui seus contos mais significativos selecionados pela doutora em teoria literária (da Unicamp) Orna Messer Levin. Sempre com muito humor e mordacidade, João faz o perfil da comportamental da burguesia carioca. Antologia de Contos / João do Rio / Lazuli-Cia. Editora Nacional / 280 p. / R$ 22,90 / editoranacional.com.br


Psicodelia canguru

Innerspeaker é o 1º álbum do Tame Impala, jovem trio de Perth (Austrália), que vem assombrando crítica e público com um rock psicodélico da melhor qualidade. Claro que hypes instantâneos são o primeiro passo para desacreditar qualquer banda, mas neste caso, o burburinho se justifica. Orgânico e viajandão, mas sem fritar muito o juízo do ouvinte, o som do TI é uma das melhores coisas de 2010. Em tempo: a voz do cantor é puro John Lennon. Tame Impala / Innerspeaker / Modular (Importado) / myspace.com/tameimpala

Máximo do mínimo

É inacreditável o que duas lendas vivas da música conseguem fazer só com um piano afinado (Corea) e um gogó abençoado (McFerrin). Diante de alguns felizes poucos, a dupla executa com brilhantismo clássicos como The Frog (João Donato), ‘Round Midnight (Thelonious Monk) e outras. Chick Corea & Bobby McFerrin / Rendezvous In New York / Coqueiro Verde / R$ 29,90


Concerto incendiário

Um dos maiores bateristas de jazz de todo os tempos, Art Blakey (1919/1990), tem um de seus concertos mais incendiários lançado no brasil pela Biscoito Fino. Gravado em Lausanne, Suíça, em 1960, captura o gênio das baquetas em performances de tirar o fôlego, como Now‘s The Time (de Charlie Parker) e Noise in The Attic, de Wayne Shorter, saxofonista dos Jazz Messengers, aqui com Bobby Timmons (piano), Lee Morgan (trompete) e outras feras. Clássico é apelido. Art Blakey‘s Jazz Messengers / Idem / Biscoito Fino Internacional / R$ 34,90

Purpurina voando

Uma das bandas de música pop mais divertidas da década – tá certo que não surgiram muitas – o Scissor Sisters espalha alegria e purpurina na sua ode à noite gay no seu 3º álbum, Night Work. Com influências que vão de Elton John e Bee Gees (óbvias nos falsetes do cantor Jake Shears) a Kraftwerk – tudo bem explícito no som –, o disco é pedida certa para festinhas animadas e sem preconceito. Quem resistir a Any Which Way sem no mínimo bater o pezinho é por que está morto. Scissor Sisters / Night Work / Universal / R$ 29,90


Mais 30 dias

A vampiro-mania que tomou de assalto a cultura pop em 2009 segue em alta. E Steve Niles, autor da da HQ (e filme) de sucesso 30 Dias de Noite, aproveita a deixa para lançar este volume com três contos ilustrados por diferentes artistas. O melhor é o último, Morte no espaço, sobre astronautas presos em uma estação com um dentuço do mal. 30 Dias de noite - Contos de terror / Steve Niles, B. Templesmith, N. Jones, D. Wickline e Milx / Devir / 128 p. / R$ 32,50 / devir.com.br

11 comentários:

marciorocks disse...

Chisco Kid, licença aí pra mais uma micro resenha extraída do forno da AMG:
"The Who will release a souped-up, double-disc version of Live At Leeds in November, with bonus features including a heavyweight vinyl reproduction of the original album, a hardback book, a seven-inch single of "Summertime Blues"/"Heaven & Hell," and a Pete Townshend poster. The crown jewel, though, is a restored recording of the band's performance in Hull on February 15, 1970, which Roger Daltrey calls "a better gig than Leeds." [NME.com]" .

Pela enésima vez... coçando os bolso!!!

teclas pretas disse...

pra que não pensem que copiei, quando escolhi o nome "teclas pretas" em 2004, não sabia dos black keys. de qualquer maneira, as teclas pretas deles têm a ver com o blues. minha inspiração foi a música erudita, um símbolo do que é incomum, diferente. boa dupla, as teclas pretas gringas.
GLAUBEROVSKY

daniels disse...

Demais, Chicão!
Transmissão de pensamento total, tenho ouvido The Black Keys bastante. Eles andam bem bombados por aqui, com "Tighten Up" fazendo parte da trilha de um comercial bem rodado na TV. Tocaram em New Orleans tem umas duas semanas. Good stuff.

teclas pretas disse...

WTF?????????????!!!!!!!!!!!!!!

http://www.youtube.com/watch?v=A0eWNNlFxgA

GLAUBER

teclas pretas disse...

realmente, não dá pra competir com isso. é rob zombie com vatapá, produzido por josé mojica!

GLAUBEROVSKY

cebola disse...

Hehehe...Glauber definiu!

cebola disse...

Uma pitadinha de Thriller!

cebola disse...

Tame Impala!! Banda foda! Já tem uns meses que tenho este disco. Não cansa no player. Viagens psicodélicas de primeira classe.

Franchico disse...

Um cara ofereceu 10 milhões de dólares para o Weezer parar de tocar.

http://www.omelete.com.br/musica/weezer-recebe-oferta-de-10-milhoes-de-dolares-para-parar-de-tocar/

"Se eles conseguirem 20, a gente faz a separação de luxo!", respondeu o baterista.

Franchico disse...

A quem interessar possa....

Concurso de bandas universitárias Walmart Sounds U>Rock recebe inscrições até 11 de outubro

Bandas universitárias têm até o dia 11 de outubro para se inscreverem no Walmart Sounds U>Rock e revelarem seus talentos. O concurso, organizado pelo Universia com o patrocínio do Walmart.com.br, entrega R$ 20 mil em instrumentos musicais, além de um prêmio surpresa e participação na fase internacional do concurso. Podem participar bandas ou cantores solo de estilo Pop-Rock, residentes no Brasil e maiores de 18 anos, com matrícula regular em Instituição de Ensino Superior parceira do Universia Brasil.

Para participar, os candidatos devem acessar o endereço escucha.universia.com.br/concurso, ler o regulamento da competição e se cadastrar fazendo o upload de uma música demo de autoria própria. As músicas brasileiras serão julgadas por meio dos votos dos internautas e de uma comissão julgadora. Entram no processo de julgamento as bandas que obtiverem a melhor pontuação média, desde que tenham recebido, no mínimo, votos de 20 pessoas diferentes.

Anônimo disse...

Poderia me indicar um site, blog, ou até mesmo disponibilizar para download o cd mais novo do Alumínio Roots? Abraço!