sexta-feira, setembro 09, 2011

LEMMY, 49% FODE-MÃE, 51% FDP

Existem pessoas que, seja por extrema eficiência, seja por destino, são referência em certas áreas. Por exemplo: Ozzy Osbourne é uma referência do heavy metal, uma lenda viva do rock. Há outros, porém, que parecem encarnar com tamanha paixão e autoridade aquilo que representam que acabam por se tornar aquela própria coisa.

Desta forma, se Ozzy é uma referência do rock, considerado até mesmo o Príncipe das Trevas, Lemmy Kilmister, o líder do Motorhead, pode, sem equívocos, ser considerado “O Rock ‘n’ Roll” em pessoa – ou, como já foi dito, “O Rock em carne, ossos e Jack ‘n’ Coke” (o seu drinque diário de preferência, uísque Jack Daniel’s com Coca-Cola).

É esta visão que o documentário em DVD Lemmy: 49% Motherf**ker, 51% Son of a Bitch (Coqueiro Verde, 2011) passa ao espectador. O pior (ou o melhor) é que, mesmo para incrédulos, ao final do filme fica bem difícil discordar dela.

Dirigido pela dupla Greg Olliver e Wes Orshoski, o filme, elogiadíssimo pela crítica mundo afora, abrange todas as facetas do homem por trás do mito: o letrista, o colecionador (e profundo conhecedor) de artefatos bélicos, o viciado (em jogo, álcool e drogas – até hoje), o pai relutante (a mãe do seu filho é uma ex-groupie que perdeu a virgindade com John Lennon) e, por fim, a pessoa um tanto melancólica e solitária que ele acaba se revelando.

Resultado de três anos em que os diretores viveram grudados em Lemmy, o documentário vai fundo na história e na personalidade do homem, rastreando desde sua infância, passando pela juventude, bandas por que passou, amigos e por fim, sua vida atual, vivendo em um apartamento minúsculo, atulhado de bugingangas em Los Angeles.

Com quase duas horas, o filme apresenta dezenas de entrevistados ilustres, como o já citado Ozzy Osbourne, Mick Jones (Clash), Joan Jett, Slash, membros do Metallica, Anthrax, The Damned, Billy Bob Thornton, Steve Vai, Dave Navarro e até insuspeitos, como Jarvis Cocker (do clássico brit pop Pulp) e Peter Hook (New Order).

Os diretores conseguiram entrevistar até mesmo ex-membros dos The Rockin' Vickers e Hawkwind, as bandas que ele integrou antes de fundar o Motorhead, ainda menino.

Mas nenhum depoimento é tão significativo quanto o de Dave Grohl (Foo Fighters): “Dane-se Keith Richards e os caras que sobrevivem do que fizeram nos anos 1960, com seus jatinhos e supermodelos em hotéis cinco estrelas de Paris. Enquanto isso, sabe o que Lemmy está fazendo? Bebendo Jack & Coke e escrevendo outro álbum”, vocifera.

E está mesmo. Em diversas passagens, a câmera acompanha o dia a dia de Lemmy, que vai religiosamente todos os dias (menos quando está em turnê) a um bar a duas quadras de sua casa, aonde se senta sozinho para tomar seus drinques e jogar no caça-níqueis.

Mesmo sendo um ícone, os donos do bar garantem que ele é um cara acessível, que dá autógrafos e tira fotos com qualquer um que o aborde em seu canto.


Cheio de causos hilariantes e momentos tocantes, Lemmy, o filme, é um documento inesquecível sobre um ser humano incomum, alguém que já deveria estar morto há décadas.

Não a toa, Ozzy Osbourne, alguém que de fato entende do assunto, é quem melhor define Lemmy: “Ele é o homem de ferro”.

LEMMY - 49% MOTHERF**KER, 51% SON OF A BITCH / Documentário dirigido por Greg Olliver e Wes Orshoski / 116 minutos / Legendado / Não apresenta extras / Coqueiro Verde / R$ 24,90

34 comentários:

Franchico disse...

Todas as imagens deste post são de cenas do filme.

teclas pretas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rodrigo Sputter disse...

Massa esse doc do Lemmy, quero ver...ia passar aqui naquele festival de doc e nada...acho legal o Motor, desde guri, mas ouve uma época que ouvir motorhead e ac/dc aqui em salvador era coisa de cafona e de roqueiro doido, tou mentindo Cláudio Moreira???
...ainda bem que isso já passou...
Agora sinceramente, desde quando davi groselha é referência pra alguam coisa rapá?
fu faitis, fu farinha, sei lá como se chama é uma banda chata pra cacete...e ele a antítese de tudo que ele falou que lemmy é...rockstar da porra...esse davi alguma coisa...
e tenho dito-heehhe.

Franchico disse...

Fala, Sputter! Bicho, tô longe de ser um fã do Foo Fighters (gosto de algumas músicas, ouço mais quando toca na TV ou algo assim), mas eu confesso que aprecio esse menino falando. Ele é carismático, isso é inegável. E se é demagogia eu num sei, pode até ser, mas que soa bem, isso soa...

Como tantos aqui, amo Rolling Stones desde os 15 anos, tenho zilhões de LPs, CDs, vídeos, o escambau e também tenho KR como herói pessoal, mas "Fuck Keith Richards!" é a frase do ano.

Acho que o próprio Keith Richards ia adorar ouvir isso.

Irreverência, meu caro. That's what rock 'n' roll is all about. E o melhor: irreverência com discurso, madura, com conhecimento de causa.

Keith Richards: vai se fudê! ;-)

Franchico disse...

Ainda não consegui ouvir tuas últimas estripulias, Glauber, mas o farei.

Franchico disse...

Essa história do "Fuck KR" (caralho, acho que eu vou mandar fazer uma camisa com essa farse) até me lembrou nosso amigo Borel, que, diz a lenda, depois de se bater algumas vezes com Jimi Page no Capão, um dia, de manhã bem cedo, depois de um porre daqueles, deu com o sujeito no caminho, bem dormido, indo comprar pão.

Diz que Borel, viradão, quando passou por ele, mandou: "Mister Jimi! Comê água"! E só, foi embora. Mister Jimi ficou lá tentando entender o que aquele doidão tinha falado.

Me parece que Cury está contando (ou vai contar) essa e outras histórias peculiares do rock baiano em seu facebook. Como não tenho nem quero ter facebook, agradeço se alguém puder dar ctr-c ctrl-v nesse texto por aqui mesmo....

Rodrigo Sputter disse...

rapá, ainda prefiro um queite rixards fulêro que o davi na boa fase...e olha que pra mim o stones BOM MERMO é com o Brian, depois dele gosto de canções soltas...tá o exile é foda, mas num se tivesse o Brian seria melhor...assim como o pink floyd pra mim só presta com o sidão barreto...e os discos solos do mesmo é mejor que qq coisa que o floyd fez depois...
Glauber, se vc chegar a ler esse meu comentário ouça os discos solo do Syd, acho que vc já deve conhecer, mas reforço.

xicão, vc é vc, tou falando de outros que não tu...

Eu num tenho face, tenho icq ainda, se alguém tiver, me add-ehhehehe...sério mermo.

Se eu mandasse um foda-se alguém aqui do roque baiano iam dizer que era inveja...e não r'n'r...mas podiam fazer uma camisa "foda-se sputter", vou te dar uma-heheheehhe

Nem sou fan do Nirvana, sei da "importância" deles, mas a única coisa que escutei deles, disco inteiro, é o BLEACH, e o davi nem tá lá...aliás nem lembro direito desse disco, uns 15 anos que num ouço...mas tem boas faixas q eu me lembre.

cebola disse...

Certamente assistirei a este documentário. Mas estou 800.679 vezes mais ansioso pra ver este aqui: http://www.rollingstones.com/news/some-girls-rolling-stones-live-texas-screening-cinemas-worldwide-4-october-2011-%E2%80%93-more-details-
Sim, dos caras dos jatinhos particulares e hoteis em Paris.

Franchico disse...

Esse show do Some Girls vai sair em CD e DVD. Não é a melhor das melhores fases, mas me empolga mais de assistir do que o filme do Scorsese, por exemplo (que já é bom). Stones sempre é bom.... E só para não perder a viagem... Keith Richards: às favas, meu irmão!

Franchico disse...

Sputter, confesso que minha fase preferida é com Mick Taylor....

Franchico disse...

Ah, Sputter: não perca seu tempo fazendo uma camisa mandando alguém do roque baiano se fuder. Não tem ninguém aqui que mereça tamanha deferença, tamanha atenção. Isso é honraria reservada apenas para os grandes, gente com jatinho e hoteis em Paris...

Franchico disse...

Aí, já que John Woo não faz mais filme de ação que preste, alguém vai lá e faz, no velho estilo "desgraceira em Hong Kong", que notabilizou o mestre.

http://omelete.uol.com.br/cinema/raid-sensacao-no-festival-de-toronto-ganha-primeiro-trailer/

Mas eu dispensava de bom grado a trilha do mané do Linkin boa porra Park.

Franchico disse...

Ah, Sputter, o lance da Camisa não foi dirigido a vc, viu? Quem quiser que use a carapuça, mas pra vc não foi. Foi mais um peido de mal humor meu, mesmo. Generalista.

Rodrigo Sputter disse...

ô xico...como se estressar contigo, mestre?
até pq nos conhecemos e sei o q tu falou...entendi muito bem e dei risada...concordei contigo...

Falando em rock, show, vc já baixou/ouviu isso?

http://www.mediafire.com/?ztluhklm19m

meu disco de rock ao vivo favorito desde os 14 anos...o que num quer dizer muita coisa...

Márcio A Martinez disse...

Já que é assim: FODA-SE Dave Grohl!
(mas acho que ele nem merece o esforço...).

Márcio A Martinez disse...

Domingo, 11/09: 10 anos dos atentados em NY...

Domingo, 11/09: 01 ano de Eu, Poli e Cebola em NY...

Snif... saudadinha...

Rodrigo Sputter disse...

Falando - ainda - em Cocksparrer e rolling stones, olha a versão deles pra WE LOVE YOU dos stones:

http://www.youtube.com/watch?v=tkEEaoawRdc

pra mim a do cock é até mejor.

coisa véia, mas tu já tinha visto?
o + legal do video é a guita transparente do guitarra.

cebola disse...

Disconcordo. Acho some Girls um dos melhores discos dos Stones. Nele, a banda mostra uma puta coesão, um "novo" som, quase. Eles fizeram grandes discos com Brian, os melhores com Mick T, mas se redefiniram e atingiram picos fantásticos (Some Girls e Tatoo You) com Ronnie. Ao vivo então, o pau comia. A tour que já conhecemos (let´s spend the Night Together) de vídeo é uma prova. Por isso, aguardo ansiosamente este doc. Não é só por ser fan ou de gostar de qualquer coisa. simplesmente, Some Girls é um grande disco. Uma terceira via sonora para os caras. Muito além de ficar tentando emular o som de Brian Jones ou Mick Taylor, eles deram um grande passo à frente.

cebola disse...

Sem contar que com Ronnie wood, os Stones desenvolveram um estilo, uma tapeçaria de riffs, fraseados entrecruzados e sonoridade, absolutamente próprios. Brian era um grande arranjador e músico, apesar de não compor nada. Mick foi da grande fase, dos discos clássicos, da postura base x solo. Ronnie foi o verdadeiro "gêmeo" de keith. Duas guitarras (às vezes três, ao vivo, com Jagger encorpando o som) soando como uma parede de riffs e frases sobrepostas. Acho, sim, uma fase fantástica.

Anônimo disse...

esse rodrigo..se liga......para de ficar tirando onda de que saca de som pra caraio...nirvana so ouviu o bleach..eh,flw.. aquele tipo de cara idiotinha que acha que saca mais de som do que os outros..so ouve os obscuros..FY RODRIGO
e qual seria a importancia do nirvana ne??
tipo..hello????????
so salvou o mundo nos 90 s quando so se ouvia tecnotronic e bon jovi...se n fosse o nirvana n existira o cara que vc imita tanto,mas tenta n imitar..o frontman daquela banda do is this it..pra mim deu..fui.

Franchico disse...

Falou Master Sir Bola, com o total domínio do assunto que lhe é característico. Taí, Onions, nunca tinha pensado nesse disco, que gosto bastante, sob essa ótica. Grande comment...

osvaldo disse...

boa analise cebleuris, em compensação esta fase ron/keith gerou coisas muito ruins como emotional rescue e undercover. mudando para nosso quintal, alguem ouviu o novo da theatro? o disco é tão bom realmente, ou é somente eu q to achando?

Rodrigo Sputter disse...

Opa!
Até que fim eu vou ganhar minha 1a camiseta escrita FY (fuck you) Sputter.
Tou bombando!!!

Rodrigo Sputter disse...

Ps.: U-hu Márcio!!! Esse é o cara, só falta a gente se bater pelo estádio ou cinema (pela nite acho + difícil)...pq num foi agora? ia ser + histórico não?

Ps2.: Entendo perfeitamente vcs preferirem pós Brian, é + rock, 70's...como disse gosto tb, mas o Brian é + minha praia...mesmo não compondo nada, colocava o molhinho ali na coisa que dava o tchan (pode falar isso aqui? hehehehe).
Se bem que dizem que tb num era BEM ele q tinha essas idéias...enfim...cada época um gosto.

Ps3.: Nos anos 90 só ouvia tecnopop e bon jovi?
Eu ouvia muita coisa diferente disso e nem vou citar as bandas antigas, mas tinha muita banda boa tocando por aí...só vou citar 2 pops bem bacanas da época (os primeiros trabalhos deles) pra num dizer que sou tirado a udigrudi:
Supergrass e Cardigans...e tá + fácil eu estar pro vocal do THIS IS THIS do que o do IS THIS IT...apesar de eu num querer imitar ninguém, nem talento pra isso eu tenho...e o vocal do IS THIS IT é melhor no MODERN AGE, o melhor trabalho que eles fizeram na vida.

Um Abraço anônimo pro "inimigo" desconhecido.
Ah! Se quiser me fuder ao vivo, no sentido UFC marca um horário e local...e Chicão cobre (lá ele) a parada-ehheehhe

Franchico disse...

Emotional Recue é ruinzão mesmo, Bramis. Aquele num tem salvação. Mas confesso que gosto do Undercover. Sério! O lado A, principalmente. Ouvi (e ainda ouço) muuuuuitcho!

E sim, o álbum da Theatro está realmente belíssimo! Não é só vc que tá achando não. Coisa de gente grande.

Sputter, taí o tal comment desfavorável a sua pessoa, que só publiquei por que vc pediu (não gosto de comentários ofensivos de anônimos. Acho muito fácil ser valente assim).

Mas enfim... A prerrogativa do direito de resposta está nas suas mãos.

Rodrigo Sputter disse...

Tava pensando numa nova modalidade no rock baiano...tem o air guitar, q vc toca aquela guitarrinha imaginária...deveria ter o air fight tb...que vc soca o adversário fantasma...que num quer dar a cara a tapa, fingindo-se de outrem...mas acho que a pessoa sofre de "air dor de cotovelo"-hehehehe

Márcio A Martinez disse...

Taquipariu... já vi que nesta terça todos os caminhos levam ao Pós... viuje!
Vô filar o trabalho na quarta...

cebola disse...

Seeensacional: ‎"E se todas as sinopses de filmes parecessem com as da “Sessão da Tarde”?

Apocalypse Now, de Francis Ford Coppola
Essa turminha do barulho vai invadir a selva em busca de muita aventura e confusão! Um pelotão muito doido, que vai fazer de tudo para achar o coronel Kurtz! E, no meio da guerra, eles ainda arrumam tempo pegar uma onda e cair no surfe! Um filme que vai divertir a sua tarde, com muita ação e alegria!"
por Andre Barcinsky, no blog: http://andrebarcinski.folha.blog.uol.com.br/

Nei Bahia disse...

Brahma, ruim mesmo só o Undercover, os outros tem mais rock do que um, caminhão de bandas de Manchester juntas, com Morrisey dirigindo...(porra, seria legal se fosse verdade, ele parava de tentar cantar e o mundo seria um lugar melhor...)

Franchico disse...

Rapeize querida, estive de molho por alguns dias por conta de uma cirurgia na boca, que fiz na última terça-feira.

Desculpem, esqueci de avisar por aqui.

Mas estou de vorta, e, ainda hj, sexta-feira, 16.09, posto coisa nova por aqui, valheu?

É isso.

osvaldo disse...

Nei, vc é um provocador. Morrisey de caminhoneiro? Hahahaha De onde vc tirou isto? Um caminhoneiro sensivel e com duvidas existenciais, com ligeiro toque xenofobo? Jimmy Hoffa ia ressucitar e tomar conta dos Teamsters britanicos. Deixa o Morrisey continuar sendo, segundo seus fanaticos seguidores, o "ser mais adovarel do mundo".

Franchico disse...

Esse mundo tá doido mesmo. Filme velho da Xuxa agora é "cult".

http://omelete.uol.com.br/cinema/super-xuxa-contra-o-baixo-astral-tem-sessao-especial-em-los-angeles-veja-o-trailer-do-xuxa-palooza/

Rodrigo Sputter disse...

Pou Nei o YOUR ARSENALO do Mozz é + roque que muita banda pseudo-rocker de hj...uma banda psychobilly tocando com ele, com integrantes do Polecats, Frantic Flinstones...e acompanhou ele no ao vivo "Beethowen Was Deaf"...hj em dia q ele tá crooner Las Vegas wanna be...

Ps.: Domingo eu + Cebola vamos ficar "dijunto" de sua torcida (lá ele), pra te zuar.

Ps2.: Conheci 2 gêmeos cariocas, 1 é (era? não vejo o cara desde 2005) amigo meu...eles sacavam pacas de filmes cults e tal e sempre iam nas premiéres da xuxa...de zuação, fan? pra ser do contra? num sei...mas o cara hj pode pagar de van guarda-hehehehe

cebola disse...

Óia, Chicvs: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/976701-com-200-mil-copias-liga-da-justica-bate-recorde-de-vendas.shtml