quinta-feira, dezembro 18, 2008

DESTAQUES DE 2008 - AS VELHAS LISTAS....

Pois é, crianças, mais uma porra de ano passou e cá estamos nós com a velha lista de melhores de 2008.

Este é um post conjunto meu e de Osvaldo Braminha. Sem muita conversa fiada, considerações, huh, “profundas” ou declarações bombásticas. Apenas as boas e velhas listas.

Como não somos deuses oniscientes - nem temos paciência – não somos capazes de ouvir todos os discos que saíram, ver todos os filmes, ler todas as HQs etc. Então as listas que seguem são referentes aos produtos que nós consumimos e, porventura, curtimos.

Portanto, segue primeiro a lista de Bramz e depois a minha. Sem mais delongas....

A LISTA DE BRAMZ
(Os que eu ouvi. E olhe que foram muitos!)

Discos do ano:
Nick Cave & The Bad Seeds – Dig!!! Lazzarus Dig!!!
O periodo com com o Grindermen fez bem a Cave. Mais irônico, quase maduro, e mais desencanado, as cançoes sao matadors.
- My Morning Jacket – Evi l Urges
Com um pé na tradição do southern rock dos Allman e dos Skynyrd e outro na americana cósmica do Lips e dos Rev, a melhor banda da atualidade traz faixas com influencias de Prince(!?), confundindo de vez quem os via apenas como os herdeiros da coroa de premier jam/head band . Jim James é um puta cantor de soul.
- Cat Power – Jukebox
A maravilhosa Chan Marshall mostra a diferença entre covers e recriaçoes. Classico instantâneo.
- British Sea Power – Do you like Rock Music
Ocean Rain continuado com talento.
- AC/DC – Black Ice
Only rock’n’roll ,but I like it.
- Beck – Modern Guilt
A melhor forma de Beck, desde Odelay um (estranho) mestre da moderna musica mundial.
- Stephen Malkmus & The Jicks – Real Emotional Trash
Malkmus deixa de finger que não sabe tocar e assume de vez que é um puta guitarrista.Verlaine não ficaria triste.
- Black Mountain – In The Future
Hard rock mezzo psicodélico, quase mistico. McBean é foda.
- Hot Chip: Made in the Dark
Melhor disco de dance para garotos(quase) brancos.

A LISTA DO FRANCHICO

Músicas do ano
(Por que disco inteiro mesmo, tá foda!)

• Death Cab For Cuttie – I Will Possess Your Heart (A cantada mais genial que um homem possa passar numa mulher).
• Berlinda – O Lado Escuro da Rua (Cebolitos e sua veia poética no beco da lama)
• Charles Bradley and The Bullets – Now That I’m Gone (Neo soul feito por negros americanos com o feeling lá no dez. Ou seja: The Real Thing, babe).
• Jards Macalé – Só Assumo Só (O Brasil filha da puta resumido em poucas linhas numa letra genial de Luis Melodia e resgatada de forma nua e rua por Jards em seu último disco. E olha que eu nunca fui fã do Melodia).
• Hot Chip – Ready For The Floor (A melhor faixa para discotecar do ano. Levanta qualquer pista)
• Evil Urges – My Morning Jacket (Que porra de som é esse, meu deus? Perguntem pra Braminha, que ele explica melhor que eu).
• The Jesus and Mary Chan – All Thigs Must Pass (Eles voltaram com uma letra que mais parece um adeus. Linda e muito tocante para quem pensa no fim todos os dias - como eu).
• Long Blondes – Guilt (Balanço new wave, a voz sexy da vocalista e a melhor faixa desta banda, extinta há poucos meses)
• She And Him – Why Do You Let Me Stay Here (Folk beatlesco psicodélico, melodia encantadora, arranjo idem).
• Theatro de Seraphin – Sombras Chinesas (Alguém me arruma uma gilete, rápido).
• Supergrass – Diamond Hoo Ha Man (Pau na orelha!)
• Mudhoney – I’m Now! (Pau na orelha 2)
• Declinium – Fênix (A revelação de Dias D’Ávila e uma das melhores bandas do rock baiano atual)
• Rockferry – Duffy (Soul pop de branco semi-erudito e absolutamente encantador)
• Beck – Chemtrails (O bom e velho Beck de volta: lo fi e suingado).
• Truanescos – Nosso Jeito (Quase ninguém ouviu essa musiquinha boba e muito bacana dessa banda baiana que tem tudo para tocar na radia. Vc sai cantando o refrão na hora).

Shows
(Apenas em Salvador, pois o mané aqui anda com síndrome de Belchior. Ou seja, medo de avião.)

• Mudhoney – Boom Bahia, Praça Pedro Archanjo
• Vandex – Sala do Coro
• Cascadura - Praça Pedro Archanjo
• Lúmpen – Boom Bahia, Largo Teresa Batista

Filmes

• Antes Que O Diabo Saiba Que Você Está Morto
• Sombras de Goya
• Homem de Ferro
• O Pequeno Italiano
• Irina Palm
• Diary of The Dead (ROMERO IS THE MAN!!!)

HQs

• A Guerra dos Anéis (Geoff Johns e o brazuca monstro Ivan Reis criam a saga cósmica mais fodona de todos os tempos na revista Dimensão DC: Lanterna Verde).
• Sete Soldados da Vitória (série louquíssima de Grant Morrison, lançada na verdade em 2007, mas só recentemente, tive tempo para ler).
• Grandes Astros: Superman (outra série louquíssima de Grant Morrison)
• A Nova Onda (de Warren Ellis e Stuart Immonen, lançada na revista Marvel Max).
• Lost Girls (Pansexualismo e o declínio da civilização ocidental sob a ótica macro-mística-genial de Alan Moore).
• Ex-Machina (De Brian K. Vaughan e Tony Harris (Política e super poderes na Nova Iorque pós 9/11)

Pescados na internet
(“Fresquinhos ou não, mas sempre saborosos”)

• Ida Maria – Drive Away My Heart
• M83 – Kim and Jessie
• Jan Davis – Watusi Zombie
• Les Beatlettes – C’est Grâce À Toi
• The Duke Spirit – Lassoo
• Yelle – Mal Poli

Cover Section:
(“Rock vagabundo quase sempre dá uns covers do caralho”)

• Mary Lou Lord – Jump
• Josh Joplin - Eye of The Tiger
• Manic Street Preachers – Umbrella
• The Harvey Girls – White Wedding

BRAMA E CHICO CONCORDAM EM NÃO RECOMENDAR:

BUFAS FRIAS DO ANOS
(“Trocadilho proposital e merecido”)

• Chinese Democracy – Guns ‘n’ Roses (Chico comenta: Quem não sabia que a "obra-prima" daquele megalocênctrico insuportável seria uma mega bufa n’água?)

• Viva La Vida – Coldplay (Brama comenta: Disco estéril e bem produzido de canções inofensivas. Não chega sequer a ser ruim. Apenas formulaico).

54 comentários:

osvaldo disse...

toni lopes botando pra f no http://fotolog.terra.com.br/saorock:150

Nei Bahia disse...

Rock _ Death magnetic - Metallica ( e pensar que vai sair uma masterização nova....PQP!!!)
Ac/Dc - Black Ice ( a prova de que fazer igual as vezes é a melhor forma de fazer!!)

Na cidade da Bahia - Endy no balcão..sentadinha naquele banquinho...é mais rock que muitos premiados por aí!!!

Momento especial - Cascadura no Pelourinho botando mais gente que o Mudhoney!!

Momento lamentavél - assalto ao rocksandwich.

Na tela - "Queime depois de ler"...os Cohen em sua obra maior, Clooney e Brad Pitt impagavéis!!

Momentos "ainda bem que tem loucos assim no mundo!!" - Boom bahia, Premio Bahia de todos os rocks , Big bands...é melhor prestigiar antes que o rémedio faça efeito.

Anônimo disse...

Concordo com Nei Bahia quanto a Queime Depois de Ler. E pensar que teve gente saindo do cinema indignado, achando o filme uma porcaria...
Superior, de Tim Christensen (um dinamarquês apresentado pelo amigo Lubisco), é um disco fabuloso.
Quanto ao Death Magnetic, não consegui chegar ao final do disco por conta da horrenda masterização (e mixagem). Mais uma vez o sr. Rick Rubin decepciona no quesito som... E olha que sou fã do Metallica!
Abraços a todos,
andré t

teclas pretas disse...

melhor de 2008 pra mim, disparado, foi o "real emotional trash" de stephen malkmus.

GLAUBER

CONSERVADONOROCK disse...

... e cadê o insuperável RUSH, a melhor banda deste e de todos os anos?????????????

oh shit!

Nei Bahia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nei Bahia disse...

André, parace que foi remasterizado sem alarde, pois realmente a primeira leva tinha um som abafado pra caralho, não sei se Rick Rubin fez alguma escolha errada ou se foi na fabricação.
O disco é bom assim mesmo, principalmente as composições.

teclas pretas disse...

melhor de 2008 na MPB, tom zé - "estudando a bossa", pra mim.

GLAUBER

osvaldo disse...

glauber, o tom ze parece ser interessante mesmo, ouvi sem pretar atencao e depois ouvi algumas musicas na globo news(??), e achei bom o que ouvi. vou fazer alumas inclusoes na minha lista que foi publiicada acima. me toquei que acabei fazendo a lista com o que ouvi por ultimo e fiz exclusoes criminosas como o exotic creatures of the deep do sparks e trisector do van der graaf. por ultimo uma citacao de robert christau ( um dos maiores criticos musicais ever), na influente coluna rock&roll( link no robertchristgau.com)a respeito do porque comprar o "1000 recordings to listen before you die" do tom moon(1000recordings.com):

"Enticed? Then you'll have to start your buying with Moon's book. In this unpropitious time for arts writing, no way did his advance pay him fairly for his travail. Like my lists, his labor was its own reward, paid in the durable currency of music."

cebola disse...

esse livro é phodah. E acerta onde talvez nem tenha mirado...Mata os album killers. Acho q ainda vai levar um tempinho e tanto para "álbum" se tornar um formato ( seja virtual ou físico) superado.

Anônimo disse...

Eh...o grande vacilo do Metallica foi ter chamado o Rick Rubin para produzir o disco, e não o andré t...quem sabe no proximo!

Anônimo disse...

Olá, querido anônimo,
Fico envaidecido quando você diz que o vacilo do Metallica foi não ter me chamado para produzir o disco deles. Claro que não, pois quem sou eu? Um pequeno (um metro e setenta num dia bom) produtor de música independente no nordeste do Brasil. Ao mesmo tempo digo que não sei se teria tanta paciência de aguentar aqueles caras, que estão num nível de loucura aproximado ao Axl Rose. Ora, se já expulsei alguns artistas (desconhecidos do grande público, conhecidos nesse pequeno universo que vivemos) do estúdio por considerá-los inaptos ou simplesmente preguiçosos... Talvez você tenha sido um deles.
Independente da minha capacidade e competência na produção e técnica de gravação, assim como qualquer outra pessoa tenho minhas opiniões e preferências. Aliás, sou (bem) pago pelas minhas opiniões...
Acho Rick Rubin um péssimo produtor. Talvez ele seja um excelente A&R. Acho Bob Rock genial (que inclusive foi o último produtor do Metallica, e depois do último fiasco, nas telas dos cinemas, fez a coisa certa e deixou de trabalhar com os caras). Acho Michael Wagener sensacional (que já produziu a banda também). Numa outra seara, acho Daniel Lanois um grande artista, mas não tão bom produtor (apesar de ter assinado alguns dos meus discos prediletos). O mesmo de Brian Eno. Gosto de Flood, Tchad Blake, Mutt Lange... George Martin está acima de qualquer comparação.
Espero um dia poder estar no chulé de um George Martin. Aliás, trabalho 12 a 15 horas por dia num estúdio para isso. Talvez nunca consiga, mas tenho convicção que alguns exemplos (como o que já foi dado) não devem ser seguidos.
Nesse meio tempo, sigo trabalhando com artistas que não tem o mesmo reconhecimento de um Metallica, mas respeito muito. Espero que você curta os discos novos de Messias (ex-brincando de deus) e dos Retrofoguetes, os quais estou muito orgulhoso. Em breve eles sairão. Logo após o carnaval começo a trabalhar no novo do Cascadura, que pelas composições que meu amigo Fábio tem me mostrado, promete bastante. Tenho trabalhado também no primeiro disco de um cantor e compositor chamado Marcony, cujo talento me chamou muito a atenção.
Um bom Ano Novo para você e sua família.
andré t.

osvaldo disse...

ouvi duas das faixas do nmovo disco de messias e achei algumas melhores coisas que ouvi em 2008, como o trabalho ainda não foi lançado na sua totalidade fica a expectativa para 2009..produça bala de andre t.

teclas pretas disse...

rapaz, eu quero esse vinyl de messias. será triplo mermo? tô curioso...

rick rubin fez o "wildflowers" de tom petty. pra mim, tá de bom tamanho. esse do metallica não ouvi. deve ser minha prioridade 7.986. a lista é grande, hahaha

tenho o livro 1001 albums. gostei. só não gostei da capa com syd vicious. poderia ser hendrix, por exemplo. aquela foto dele na batera...

tom zé é dos maiores criadores do sec xx. period. canções-loop rules!

abraço, cambada!

GLAUBER

Anônimo disse...

Discos produzidos por Rick Rubin:1985: Radio - LL Cool J
1986: Licensed to Ill - Beastie Boys
1986: Raising Hell - Run-DMC
1986: Reign in Blood - Slayer
1987: Electric - The Cult
1988: Danzig - Danzig
1988: Tougher Than Leather - Run-DMC
1988: South of Heaven - Slayer
1988: Masters of Reality - Masters of Reality
1989: Dice - Andrew Dice Clay
1989: Live Fast, Die Fast - Wolfsbane
1990: Same - Geto Boys
1990: Trouble - Trouble
1990: Danzig II: Lucifuge - Danzig
1990: Seasons in the Abyss - Slayer
1991: Nobody Said It Was Easy - The Four Horsemen
1991: Manic Frustration - Trouble
1991: Decade of Aggression - Slayer
1991: Blood Sugar Sex Magik - Red Hot Chili Peppers
1992: Danzig III: How the Gods Kill - Danzig
1992: King King - Red Devils
1993: Thrall: Demonsweatlive - Danzig
1993: Wandering Spirit - Mick Jagger
1993: 21st Century Jesus - Messiah
1994: Danzig 4 - Danzig
1994: American Recordings - Johnny Cash
1994: Divine Intervention - Slayer
1994: Wildflowers - Tom Petty
1995: One Hot Minute - Red Hot Chili Peppers
1995: Ballbreaker - AC/DC
1995: God Lives Underwater - God Lives Underwater
1995: Empty - God Lives Underwater
1996: Songs and Music from "She's the One" - Tom Petty and the Heartbreakers
1996: Unchained - Johnny Cash
1996: Undisputed Attitude - Slayer
1996: Sutras - Donovan
1998: "Let Me Give the World to You" - The Smashing Pumpkins (an unreleased song)
1998: VH1 Storytellers - Johnny Cash & Willie Nelson
1998: Diabolus in Musica - Slayer
1998: System of a Down - System of a Down
1998: Peasants, Pigs & Astronauts - Kula Shaker ("Sound of Drums")
1998: Chef Aid: The South Park Album - South Park
1999: Northern Star - Melanie C ("Suddenly Monday" and "Ga Ga")
1999: Californication - Red Hot Chili Peppers
1999: Echo - Tom Petty And The Heartbreakers
1999: Loud Rocks - V/A ("Shame" by System of a Down and Wu-Tang Clan, "Wu-Tang Clan Ain't Nothing Ta Fuck Wit" Tom Morello, Chad Smith and Wu-Tang Clan)
1999: The Globe Sessions - Sheryl Crow ("Sweet Child O'Mine")
2000: American III: Solitary Man - Johnny Cash
2000: Paloalto - Paloalto
2000: Renegades - Rage Against the Machine
2001: Amethyst Rock Star - Saul Williams
2001: The War of Art - American Head Charge
2001: Breath of the Heart - Krishna Das
2001: The Final Studio Recordings - Nusrat Fateh Ali Khan
2001: Toxicity - System of a Down
2002: American IV: The Man Comes Around - Johnny Cash
2002: By the Way - Red Hot Chili Peppers
2002: Audioslave - Audioslave
2002: Steal This Album! - System of a Down
2003: Results May Vary - Limp Bizkit (with Terry Date and Jordan Schur)
2003: Unearthed - Johnny Cash
2003: Door of Faith - Krishna Das
2003: De-Loused in the Comatorium - The Mars Volta (with Omar Rodriguez-Lopez)
2003: The Black Album - Jay-Z ("99 Problems")
2003: Live at the Grand Olympic Auditorium - Rage Against the Machine
2003: Heroes and Villains - Paloalto
2004: Vol. 3 (The Subliminal Verses) - Slipknot
2004: Armed Love - The (International) Noise Conspiracy
2004: Crunk Juice - Lil' Jon and the East Side Boyz ("Stop Fuckin' Wit Me")
2005: Make Believe - Weezer
2005: Fijación Oral Vol. 1 - Shakira
2005: Oral Fixation Vol. 2 - Shakira
2005: Out of Exile - Audioslave
2005: Mezmerize - System of a Down
2005: Hypnotize - System of a Down
2005: 12 Songs - Neil Diamond
2006: Christ Illusion - Slayer
2006: Stadium Arcadium - Red Hot Chili Peppers
2006: Taking the Long Way - Dixie Chicks
2006: American V: A Hundred Highways - Johnny Cash
2006: FutureSex/LoveSounds - Justin Timberlake ("(Another Song) All Over Again")
2006: The Saints are Coming - U2 and Green Day (single)
2006: The Black Parade - My Chemical Romance (2nd Studio Album)
2006: Window in the Skies - U2 (single)
2007: Fixing Cities - The (International) Noise Conspiracy
2007: American VI - Johnny Cash
2007: Heroes and Thieves - Vanessa Carlton (com Irv Gotti, 7 Aurelius and Stephan Jenkins)
2007: Dancing for the Death of an Imaginary Enemy - Ours
2007: "Better Than I've Ever Been" - Kanye West, Nas, KRS-One (single)
2007: Rock And Roll Jesus - Kid Rock
2007: Change - Sugababes
2007: Minutes to Midnight - Linkin Park
2007: 99 Ways To Rock 'N Peace - Fukface
2008: Death Magnetic - Metallica
2008: Red Album - Weezer
2008: 4th Studio Album - Slipknot
2008: "untitled" - Bob Dylan
Dentre esse discos,no mínimo umas 5 obras-primas e uns 15 discos do cacete.

M. R. disse...

Chico e Brama, otimas listas. A do Clash City Rockers vem na sequência. Por enquanto um graphic e-book sobre a Theatro: http://issuu.com/marcosrodrigues/docs/theatrodeseraphin_em_cartaz?mode=embed&documentId=081226164903-5cb9c4e630434721a0d9933896c2594a&layout=grey

Feliz 2009!

teclas pretas disse...

vish, anônimo rocks! mas poderia ter assinado...

GLAUBER

Anônimo disse...

Muito bem, você fez o seu dever de casa. O cara já vendeu um zilhão de discos e continuo não gostando. Interessante como esses discos todos saíram apesar dele. Mas tem muita gente que gosta.
Gosto é como ânus, como dizem...
Tem disco que ele nem apareceu no estúdio... Melhor.
Um beijo no coração,
andré t.

Anônimo disse...

Bj pra ti tbm,andré!Assim como sou fã do trabalho do Rick como produtor,e isso eh sincero,pode acreditar,sou de mais uma dezena de produtores,inclusive vc!Desejo ótimo 2009 pra vc!

Anônimo disse...

Ainda bem que não trabalho com cinema, assim posso não gostar do trabalho de Oliver Stone...
Feliz 2009!
andré t.

teclas pretas disse...

tá certo, andré, cê tem direito de ter sua opinião, claro. também admiro seu talento e disciplina.

Anônimo disse...

concordo com brama sou de dias dávila(dc) e digo mais a declinium aqui é como morrisey pros ingleses shows lotados e reverenciados com fervor. fenix , calor sombras e luzes....... ufa!!! realmente a melhor banda de rock da bahia! e nos que gostamos vamos fazer força pra a declinium ser ouvida no país todo. abraços zraimundo.

Anônimo disse...

Só quero que fique aqui registrado que em momento algum tive a intenção de me comparar a Rick Rubin ou a qualquer outro. Apenas achei deselegante e desnecessário o comentário. Encerro esta etapa me perguntando se devo voltar a comentar qualquer coisa, apesar de gostar de discussões inteligentes e apreciar os textos de Chico e os comentários de Braminha, Marcos Rodrigues etc.
Glauber, espero que possamos em breve vê-lo de volta a ativa, seja com Tadeu, Flash e Solovera (a quem admiro muito), solo, ou qualquer outra coisa que você inventar.
Ainda não tive oportunidade de ouvir Declinium. Acho que foi Messias que fez uma recomendação. Estou curioso para conhecer, assim como Vivendo do Ócio. Bom saber que a música de qualidade da Bahia hoje (não me refiro apenas ao rock) não se esgota no Rio Vermelho.
Abraços a todos,
andré t.

Anônimo disse...

EXTRA EXTRA EXTRA

ASSALTANTES EM UMA MOTO FORTEMENTE ARMADOS FIZERAM UM ASSALTO NO ROCK SANDUICHE NA SEXTA FEIRA NOITE E LEVARAM OS PERTENCES DE TODOS QUE ESTAVA PRESENTES. FOI UM TERROR.

Lenny disse...

Gostei do blog
bastante interessante.
e convidando para conhecer Meu
novo blog com dicas de filme
www.mondovideo.blogger.com.br
comenta lá!
;)

Nei Bahia disse...

Essa discussão ficou interessante ( apesar de louca) e vou aproveitar o gancho:
André meu caro, pra mim tu cometeu junto com a Dr.Cascadura o melhor disco de rock do Brasil desde "Fruto proibido" de Rita Lee. "Vivendo em grande estilo" tem bom gosto na sonoridade, climas perfeitos pra cada canção sem perder a unidade.Mais em relação a Rick Rubin, fiquei batido, sou fã de carteirinha, já escrevi até matéria no Clash city rockers sobre ele, mais me ilumine: que diabos a ser um A&R?
Sempre considerei ele um cara que tirava do artista a sonoridade que nem o ele sabia que tinha. Pra terminar, vc já leu a biografia dos Beatles de Bob Spitz?
Fundamental!!

teclas pretas disse...

grande nei bahia, tenho que ler esse livro! o ultimo livro que eu pirei o cabeção foi "o santo sujo - a vida de jayme ovalle", de humberto werneck. PHoda!!!

GLAUBER

Anônimo disse...

é verdade isso do assalto ao rock sandwich?

putz, lá é massa, mas eu sempre achei assim... meio inseguro...

osvaldo disse...

andre, continue a comentar sim, aqui é um espaço para quem gosta de cultura pop, com enfase especial no rock, e temos poucas pessoas com sua bagagem aqui em salvador, então vc so faz somar. quanto aos comments, não havendo ofensa pessoal ou coisas do tipo, não tem problema em ser anonimo, vc responde se quiser.

M.R. disse...

A lista dos melhores de 2008 do CCR ta' no ar: http://clashcityrockers.blogspot.com/

osvaldo disse...

e fuçando o site do tom moon olha só a carta aberta que ele mandou pra universal records ( haha ele chama os cars de contadores de feijão)pelo descaso da companhia em relação a não disponibilidade do catalogo de elis regina, segundo ele uma das maiores cantoras do sec xx, mesmo que vc não fale portugues:
An Open Letter To The Beancountertypes of Universal Records

http://www.1000recordings.com/blog/an-open-letter-to-the-beancountertypes-of-universal-records/

Anônimo disse...

Em momento algum houve ofensa da minha parte,como o Osvaldo ja nos diz entre linhas,e nem acho que meu comentario foi deselegante ou desnecessário.Apenas quis manter meu anonimato.Meu comentário foi apenas irônico.Tão engracado como a parte que andre fala no seu texto que"Mais uma vez o sr. Rick Rubin decepciona no quesito som..." Ora bolas,em que quesito mais ele desapontaria alem do som,ja que ele eh o produtor do disco?No visual?De repente ele precisa aparar a barba!Se foi desnecessario foi tanto quanto a esse,ao se referir a sua tentativa de audicao do Death Magnetic :"Quanto ao Death Magnetic, não consegui chegar ao final do disco por conta da horrenda masterização (e mixagem)".Bom,realmente não ouvir o disco ate o final da banda Rockeiros Perdidos(ficcticia)com uma gravacao tosca eh de se entender...mas um disco produzido por Rick Rubin?Infelizmente me soa estranho...realmente nâo quero afirmar que seja de uma forma prepotente que tenha soado,pois nâo tenho certeza.A certeza que tenho que quem vos fala aqui eh um conhecedor de musica rock,igual a vcs, e que conhece quase a discografia inteira do Rick.E ouvi o disco e achei do caralho!E olha que nem sou fã do Metallica assim...

Anônimo disse...

Caro Anônimo, tb gostei do q já ouvi de Rick Rubin (esse disco do metalica em questão não ouvi) mas, como vc, não sou produtor nem técnico de gravação e acho q alguns quesitos devem passar despercebidos aos meus ouvidos. Conheço o trab de André T de perto pois tive a oportunidade de gravar com ele e sabendo como ele é criterioso e responsável em suas idéias tenho certeza q ele saberia exatamente apontar o q não lhe agrada no trab de Rick. Difícil pra nós leigos no assunto é apontar o q gostamos..rsss gostamos e pronto...rss...nos agrada ouvir. Quanto ao papel de um produtor vc está enganado, pois não se limita apenas a "tirar som" no estúdio. Envolve tb: escolha de repertório, arranjos, timbres, escolha dos músicos para gravação (quando um artista solo por exemplo), responder até mesmo pela execução dos músicos (tarefa muito ingrata por sinal!!!), tudo isso envolve coisas q vc talvez nem tenha imaginado (não te culpo por isso, só quem já esteve num estúdio gravando sabe) como lidar com egos, sentimentos, de cada um envolvido no trab e no final ainda satisfazer a todos e ao público....ufa!!! Eu por exemplo quando ouço um disco mal executado, cantor desafinando, guitarrista "escalopando", bateria fora de andamento...pergunto logo: "Meu Deus o produtor não ouviu isso?". Claro q perfeição no rock não é algo essencial, mas temos q ter limites e parar com essa história de q "ser tosco" ´virou um estilo de rock...pra mim tocar mal é tocar mal! rss...Abs
ps.: espero q minha "estréia" no blog não cause muita polêmica...rss...abs a todos!
Toni Oliveira

Anônimo disse...

Toni,conheco e muito bem,studios de gravacao.Ja os frequentei e frequento muito ainda.Mas pra mim tudo que vc falou ai esta resumido no quesito "som" no qual o andre se referiu.Ab!

Anônimo disse...

E feliz 2009 para todos!

teclas pretas disse...

feliz 2009, moçada! vamoquevamo!

GLAUBER

Anônimo disse...

Olá a todos,
Primeiro quero pedir perdão pela demora; o trabalho me impediu. Mas vamos lá, por partes, correndo o perigo de me perder no meio do caminho...
Nei, A&R significa Artist & Repertoire. É uma espécie de Diretor Artístico de uma gravadora, mas não necessariamente este. Alguns diretores acumulam as funções. Enquanto o Diretor Artístico é o responsável direto pelas contratações e o cast, o A&R (muitas vezes quem contrata também) trabalha mais diretamente com o artista, selecionando reperetório para este (no caso de intérprete, ou vendo se o repertório escolhido pelo artista não vai de encontro aos interesses da gravadora), designando produtor, e junto com o Diretor Artístico fecha o orçamento que irá ser apresentado ao produtor. As funções nem sempre são distintas, e isso hoje em dia não funciona mais assim, pois quem manda nas gravadoras não é mais o Diretor Artístico, mas o de Marketing.
Pulamos para os afazeres do produtor, para depois voltarmos ao que Rick Rubin fez ou deixou de fazer.
O produtor é o responsável final pelo disco, como Toni indicou. Ele não precisa ser necessariamente engenheiro de gravação, mas certamente o conhecimento técnico vai ajudar. O produtor é aquele que vai fazer com que o disco aconteça, dentro do que foi proposto. Este será o elo de comunicação entre artista, músicos, técnicos e gravadora. Ao mesmo tempo, eu entendo que o produtor deverá procurar algo no artista que este nem sabe que existe, como também já foi notado.
Existem tipos diferentes de produtores, e isso não está certo nem errado (apenas gosto mais de uns que outros). Existe o produtor que só precisa do artista para descobrir o tom da música, manda o pobre coitado pra casa, faz o disco todo e o chama de volta para gravar a voz. O manda pra casa novamente e mostra tudo pronto depois. É o caso do povo que produz as Britney Spears da vida. Acho que nesse caso eles estão certos, pois realmente não seria interessante ter uma artista vazia dessas opinando no trabalho o tempo inteiro, por mais bonita que ela seja. Note-se que Madonna é um caso à parte...
Outro extremo da produção está aquele que abre o estúdio para o artista, e só. Esse vai colocar o artista na sala e dizer: vai, meu filho, toca aí. Não gosto deste tipo de envolvimento (ou falta de).
Existem produtores que trabalham como parceiros dos artistas (Sir George Martin, Tony Visconti (outro ídolo)). Eles fazem uma espécie de ping-pong com o artista, para tirar o melhor deles. Em momentos a atuação é bastante ativa, e em outros eles sabiamente dão um passo atrás e apenas observam, fazendo um comentário ou outro. Note-se que a palavra final continua sendo do produtor. Acho isso a marca do produtor inteligente: aquele que sabe assumir diversos papéis, na hora certa.
Também é papel do produtor, como Toni notou, resolver conflitos de egos. Realmente, esta deve ser a tarefa mais ingrata...
Lembro-me de umas experiências que tive alguns anos atrás. Uma certa feita fui chamado por um produtor muito conhecido (até no exterior) para gravar teclados num disco para uma grande gravadora, sem problemas de orçamento (que maravilha!). Quando cheguei lá, que liguei meu teclado, comecei a ouvir o que eles tinham da primeira música: voz e violão guia e alguma percussão, aqui e ali. Sem qualquer direcionamento claro na música, perguntei ao produtor qual caminho seguir, o que ele estava pensando para aquela música, no que ele simplesmente respondeu: toque, e eu te digo o que gosto...
Noutro tipo de acontecimento, um conhecido meu no Rio me confidenciou que a participação dele no disco de uma banda conhecida nacionalmente não era só o que estava nos créditos do disco. Ele o produziu de fato. O que aconteceu foi que a banda precisava da assinatura de um produtor muito conhecido, mas este não poderia fazer o disco. Este conhecido foi contratado para produzir o disco, enquanto o Sr. Assinatura aparecia no estúdio a cada duas semanas para dar uma olhada rápida no que estava acontecendo. O produtor de fato recebeu uma boa grana para ficar calado, e a promessa (ahahah) que um dia ele irá produzir "oficialmente" para a gravadora.
Um artista conhecido que trabalhei queria produzir seu próprio disco, mas ele sabia que a gravadora não deixaria isso acontecer. Ele chamou uma amiga dele, também artista conhecida mas sem qualquer experiência de produção, para fazer o trabalho. Na verdade ele sabia que iria fazer o que quizesse sem interferências.
Agora Rick Rubin... Amigos e conhecidos meus trabalharam com ele, e realmente o que dizem é verdade: ele não sabe montar um acorde maior e nem aparece no estúdio! Sejamos justos, ele aparece uma média de 2 a 3 horas por semana, para sentar no sofá do fundo da sala e fazer comentários rasos, como "gostei disso" e "não gostei daquilo, façam novamente". Aconteceu isso não só com banda pequena, mas se não me engano também com o Velvet Revolver, que acabou abortando o processo do disco com ele...
Desconfio que alguns artistas apenas queiram a assinatura dele... Outros queiram produzir seu próprio disco...
Continua

Anônimo disse...

Quando disse que ele poderia ser um bom A&R foi porque ele teve boas idéias, como o projeto com Johnny Cash. Achei que ele deveria ter bolado o projeto e passado a bola para outro produtor, que tomasse mais cuidado com o "quesito som", e não resolvesse fazer uma mixagem incrivelmente agressiva (e distorcida em momentos) num negócio que é basicamente voz e violão! Onde fomos parar... Pelo menos fosse um produtor consciente e passasse a bola da parte técnica toda para alguém que soubesse o que estava fazendo, como um Elliot Scheiner ou um George Massenburg (um deus na engenharia de audio, mas este não toparia nunca fazer algo com Rick Rubin, eheheh...).
O caso do Metallica foi completamente absurdo! O disco é completamente distorcido, a caixa da bateria racha o tempo inteiro, a voz é de lata... E nem foi "conceito", como foi o St. Anger! Desconfio que ele apareceu duas vezes por semana no estúdio (afinal é o Metallica, merece mais tempo) e só saiu gritando: mais alto, mais alto! Loucos do jeito que eles estão, devem ter pensado como esse produtor é cool e entende eles...
Repetindo, o cara teve boas idéias. Run DMC com Aerosmith foi muito bom e etc. Tentar fazer o Metallica voltar para as raízes Thrash foi boa idéia também, embora não tão bem realizada. Não conheço a discografia dele completa como o colega anônimo conhece, mas o que ouvi achei bastante descuidado no "quesito som". Como o colega sabe já que frequenta estúdios, existe um tipo de escitação do audio provocada por usar o pré-amplificador 1073 quase estourando, distorcendo. Isso é ótimo para rock, costumo a fazê-lo com os meus, pricipalmente gravando baixos e guitarras pesadas, mas usar o tempo inteiro, para tudo, acho sinal de estupidez...
O mundo hoje está mudado, e o padrão é o pior possível. Para quem se acostuma a ouvir música em mp3 num iPod ou nas caixinhas de um computador, qualidade de gravação realmente não diz muita coisa... Recentemente vi uma declaração realmente desastrosa de alguém que não esperava: quando questionado sobre o formato do último disco do Radiohead na internet, antes do disco físico sair, o guitarrista disse que realmente não importava se era mp3 ou não, que isso era frescura. Com licença que eu vou ali me matar, mas sem antes deixar um amplificador de guitarra Staner com ele...
Já escrevi demais por agora e devo trabalhar.
Abraços a todos,
andré t.

Anônimo disse...

Escitação é de lascar... Mas meu histórico não ajuda, depois de ter deixado passar um erro de português absurdo no último disco do Cascadura, logo no título da primeira música! É um pobrema sério...
andré t.

M.R. disse...

Putz. Tô aprendendo muito aqui nesses "comments". O melhor fórum de rock ta' aqui, nos comentários do Rock Loco. Muito bom.

Nei Bahia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nei Bahia disse...

André, obrigado pela aula....vou quebrar meu Blod sugar sex magic logo depois do almoço..(brincadeirinha!!).

Quanto ao erro de protuguês, daqui a pouco essa assunto vai voltar a ter destaque pois no blog que Caetano Velloso escreve "http://www.obraemprogresso.com.br/"
; tem um rasgo de seda enorme sobre Cascadura e Fábio, mais ele também cita a letra de "Se alguém o ver parado", e aí já apareceram os aproveitadores tipo Eduardo Luedy pra colocar esse tópico acima da obra em si, portanto esqueça isso, a canção é do caralho, a única do Bogary que eu colocaria em meu " The Best of (Dr.) Cascadura", só pra ter noção, do Vivendo... eu colocava umas 4 pelo menos. Mais voltando, esse tal erro me faz pensar novamente nessa mania que alguns "letrados" pegaram pós Prof. Pasquali ( que não tem culpa disso) de fazer disso uma nova forma de patrulhamento, elitistamente escrota e excludente. Já resolvi pessoalmente deixar de lado minha correção de linguajar, que nunca foi 100%, e mandar se f... quem vier me corrigir. A mensagem tá passada e isso é o importante, quem não entender, se vire.
Obs: o filho de Canô também é seu fã, que luxo Andrezinho!!!rsssssss

M.R. disse...

ai, ai, ai... precisaremos dessa benção?

Anônimo disse...

Soube e já sacaneei bastante com Fábio. Imagina se ele aparece querendo saber se a lenda de Fábio Cascadura procede?!?
andré t.

Nei Bahia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nei Bahia disse...

Precisar ou não, não é o caso Marquinho, sei o que você teme. Mais lembre que ninguem foi atrás, muito pelo contrário.
Também não há como negar que é uma opinião ouvida por muitos, para o bem ou para o mal.
Obs:Já um certo riograndense do sul muito cultuado por aqui, esse sim, queria ter nascido em Santo Amaro.
Obs 2: Andre, sera Caetano fã de "Charles Chaplin"?

Anônimo disse...

Nei Bahia, para o bom entendedor, meia palavra basta. Não estou afirmando nada, muito pelo contrário. Ou não...
andré t.
Ps: finalmente comecei a ler o livro de Spitz. Sensacional!

osvaldo disse...

realmente os elogios de caetano a fabio e ao cascadura foram volumosos.caetano, acompanha o "rock baiano" desde sempre com bom conhecimento de causa, alias seu lado roqueiro (tropicalista) foi um dos mais modernos e influentes do sec. xx.ele, no entanto, demonstra uma relação ambigua em relação ao rock. numa hora demonstra fascinio, noutra hora uma certa rejeição. apesar dele parecer não querer admitir, sem o elemento do rock (e afins) na tropicalia, e nos seus frevos e marchinhas carnavalescas proto-axé, seu trabalho talvez não tivesse atingido a universalidade que alcançou.seriam releituras de canções regionais, por melhores(ou piores) que sejam estas canções. e andre, realmente existe uma corrente que acha rick rubin um tremendo marqueteiro, e outra que o classifica como um produtor genial. tudo bem, mas o que dizer do trabalho dele com johnny cash?

teclas pretas disse...

coloquei o link de tom moon lá no blog de caetano veloso. tá aguardando moderação. tô lá a meses, brigando, fazendo amigos, falando da importância e das características do nosso rock e da MPB esquecida, das cousas antigas, enfim. e exercitando a tolerância e a retórica. foi a melhor coisa do ano pra mim, porque pude dizer sem aliviar, as coisas que penso. também aprendi uma pá de coisas por lá. fábio pintou com aquela elegância e sinceridade que lhe é peculiar. viva sir gallahad!

simbóra meu povo!

GLAUBER

David Giassi disse...

É...Na provícia Soterópolis ninguém ainda ouviu o lançamento da banda Modus Operandi (o primeiro disco DO MUNDO lançado no formato de CD card com músicas em mp3)...

E olha que teve até matéria no jornal "A Tarde" no Caderno 10 e tudo!! Para aqueles que usam o esfarrapado "Eu não sabia!"

Enquanto isso, tem gente pagando R$ 250 reais no reveillon para assistir Retrofoguetes tocar o Hino do Senhor do Bonfim e outras "pérolas"...

Esta é a "cena" de Salvador!!!!

Anônimo disse...

Mp3?? Depois dessa aula de qualidade??? Saudades do vinil...

viny tôscoly

Anônimo disse...

Ah, e só para fazer entender um pouco melhor a explicação do andré t, o super disco Blood Suggar Sex Magic teve como engenheiro de som Brendan O´brien, que não por coincidencia foi quem tirou o som dos instrumentos gravados ali e não por coincidencia fez a mixagem do disco e não por coincidencia também é produtor. Bem que eu tinha notado uma certa irregularidade nos trabalhos do rick...

Viny Tôscoly

Anônimo disse...

Ouvi o disco do Modus Operandi e achei horrivel... nossa, que recalque isso de "ninguem ouviu minha banda. são uns idiotas"

marcio t.

fábio cascadura disse...

Falando em Retrofguetes: que música da PORRA essa "Maldito Mambo"! Puta-que-pariu! Tá no MySpace deles...
Parabéns pra eles!