sexta-feira, outubro 28, 2005

STOP THE PRESS!


Num furo de reportagem, por onde escoou quase toda cerveja do Rio de janeiro, a intrépida rockloquete Yara Vasku, se aproveitando de um momento de congraçamento bloguístico intergaláctico, dá um drible na Interpol e aponta: O homem é esse amiguinhos. Com vocês, o fenomenal Barry!!!!!!


Fala Yarete....


"Aí está a identidade (quase) revelada do querido e surpreendente
Barry, do blog-irmão, championship vinyl (beijos Dick, Rob e Carol
também!!!!).

Depois de trocentas cervas Original e muito papo, tivemos
a certeza que a viagem ao Rio sempre vale a pena, principalmente para
conhecer (ou rever) gente boa, beber cerveja gelada e curtir bons
shows.

Sobre os shows..., bem, aguardem a esperada resenha de Thiago no
clash city rockers.

Por ora, só adianto que o show do Strokes foi ótimo
(eles sabem fazer ao vivo também...), Televison foi foda (:D), Elvis
Costello e Kings of Lion também. Mas, "o" show mesmo foi do Wilco
(como li por aí: É como se eles, ao entrarem no palco dissessem "ok,
garotos, mas os homens chegaram no festival"). Sobre o Arcade Fire
ainda não tenho uma opinião formada. Eles tem músicas lindas e óbvio
que tocam bem e etc, mas, para mim, a chatice e breguice deles ficou
no ar... "

Yara

8 comentários:

Diego Quadros disse...

Fiquei curioso em saber a identidade do Barry...

Barry disse...

Ah, Yara... os seus olhos dizem tudo. Um grande abraço para as equipes Rock Loco e Clash City Rockers.

Franchico disse...

Legenda para a foto: "É pro Fantástico?".

Nei Bahia disse...

Yara, Thiago escreve sobre o TIM festival, vc podia escrever sobre os
bailes funks e o show de "Tati quebra-barraco"!!

yaravasku disse...

Barry: que tal ver o Iggy Pop em Sampa. Estou indo... yeah!!!! E Nei, tá me estranhando? :) Bjs.

Franchico disse...

A marginália grã-fina que aterrorizou Salvador na primeira metade da década de 80 ganhou uma belíssima e extensa reportagem do brother Jairo no caderno Correio Repórter desse último domingo. Nela, Jairo destrincha a trajetória violenta e o triste destino dos filhinhos de pais monstruosos Claudinho Stone, Macoinha, Morcego, Ivan Americano e cia. Vale a pena dar uma lida. A história deles é tão significativa que acho que dava um bom filme. Quer dizer, isso se existisse cinema na Bahia, né?

Franchico disse...

Ah. A matéria pode ser lida no site do jornal tb.

osvaldo disse...

conheci a galera.jairo conseguiu retratar com bastanta fidelidade aquele momento.